Em 2011, abstenção fora da Europa foi de 87%, prepare-se para votar nas legislativas

Em 2011, foram eleitos por estes círculos três deputados para o PSD (José Cesário, Carlos Páscoa e Carlos Gonçalves) e um para o PS (Paulo Pisco). No círculo da Europa, a abstenção foi de 75%, com apenas 18.191 portugueses a deslocarem-se às urnas, enquanto no círculo Fora da Europa a abstenção rondou os 87%, com 15.120 votantes.

Magistrados acusam Governo de querer controlar o Ministério Público

Para o sindicato, é “gravíssimo” que o ministério de Paula Teixeira da Cruz pretenda controlar politicamente a atividade do MP, o que levaria a uma “regressão muito grande” em matéria de investigação da criminalidade económico-financeira mais complexa.

Falece ex-primeira dama e Cavaco a lembra como “mulher de cultura e de causas”

Presidente português enviou em 07 de julho uma mensagem de condolências à família de Maria Barroso, que recorda como “uma mulher de cultura e de causas”, bem como “uma lutadora pela liberdade e democracia”. Maria de Jesus Barroso morreu hoje, aos 90 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internada em estado grave desde 26 de junho.

Aprovada concessão do Oceanário de Lisboa à sociedade dona do Pingo Doce

Conselho de Ministros aprovou em 02 de julho a concessão do Oceanário de Lisboa à Sociedade Francisco Manuel dos Santos, do grupo Jerónimo Martins, que apresentou uma proposta de “mérito inquestionável” com um encaixe financeiro de 114 milhões de euros. O grupo é dono dos supermercados Pingo Doce, e passa a gerir o espaço por um período de 30 anos.

Eleições: Pesquisa mostra PSD na frente e Costa desvaloriza sondagens

PSD/CDS está à frente ao Partido Socialista, porém com uma diferença percentual de apenas 1%, vista como um “empate técnico”, já que a margem de erro é de 3%. Segundo este resultado, se as eleições fossem hoje, Pedro Passos Coelho e Paulo Portas iriam obter 38% dos votos, enquanto António Costa ficaria pelos 37%.

Passos Coelho: É altura de acolher imigrantes e de regresso de emigrantes

Para o primeiro-ministro, “o país está de parabéns por ter conseguido, apesar da crise, melhorado as suas políticas de integração” de imigrantes. Já o secretário-geral comunista acusou o executivo de promover um “surto” de emigração maior do que na década de 1960, equivalente à população de Coimbra, mas Passos garantiu que os portugueses já não têm de sair.