Sobrenome, apelido, alcunha e glossário em Portugal e Brasil

Por Adriano Augusto da Costa Filho

Como todos nós sabemos, quaisquer cidadãos em PORTUGAL e bem como no BRASIL, além de seu nome original de família, tem um apelido ou alcunha, porém em PORTUGAL, apelido vem a ser o nome original familiar do cidadão e ALCUNHA uma forma de ser conhecida a sua origem, o que não acontece no BRASIL, já que o cidadão é conhecido pelo SOBRENOME, e muitas vezes é chamado de forma jocosa, trocista e risível como APELIDO.

Em PORTUGAL, o cidadão, mormente no interior do país e em suas aldeias, é comumente conhecido pela ALCUNHA, como aconteceu comigo em viagens a PORTUGAL e principalmente em TRÁS-OS-MONTES, terra de meus pais, Rio Frio/Bragança e Carção/Vimioso, em que ao ser perguntado de que família eu era, dando o nome DA COSTA E ANES, as pessoas respondiam que não sabiam, mas, dar a alcunha >> MARNÓIA >> da família milenar de meus ancestrais logo já respondiam “olha aqui pessoal um descendente dos MARNÓIAS”.

No BRASIL, todo mundo tem APELIDO, muitas vezes originado por palavras ou atos acontecidos, como exemplos: “ZÉ DA LAMPADA”, “JOÃO MIUDO” etc.. e principalmente nos esportes, raramente um atleta é conhecido pelo seu nome original, como “CHULAPA”, “ESQUERDINHA”, “TITE”, “LOVE”, e não só nos esportes, como no trabalho, escolas, clubes etc.

Além desses atos ALCUNHAS ou APELIDOS, nós temos o “GLOSSÁRIO” e que são vocábulos que se usam e nascem um pouco por acaso, e sendo o glossário a preservação nominal de acontecimentos que paralelamente significam o mesmo na nossa LÍNGUA PORTUGUESA.

Alguns exemplos em PORTUGAL podemos anotar: Á CORA (significa branquear a roupa por exposição ao sol). ABONDAR (trazer para perto). ALCEIRO (pessoa ligeira). BAGATELA (pouca coisa), BIRGUEIRA (moça Virgem). CACHOLA (miolo do cidadão). ALDRABÃO (cidadão mentiroso). TRANBIQUEIRO (que faz trapalhadas), PENIQUEIRO (pessoa inútil) e milhares de termos falados em diversas regiões do nosso querido e Eterno Portugal.

Outros exemplos no Brasil, TRAPALHÃO (que sempre faz trapalhadas), AMOROSO (que faz sempre declarações). ZÉ PINTUDO (de boa aparência). BESTA QUADRADA (que se acha o melhor de tudo), e assim por diante.

Portanto, a diferença que existe entre PORTUGAL e BRASIL nesse tema é que em PORTUGAL a forma das ALCUNHAS não degeneram para a “GOZAÇÃO” e sim para a revelação de onde é a procedência familiar do cidadão. Já no BRASIL, os APELIDOS geralmente procedem de acontecimentos, brigas, atitudes, atos maldosos ou ruins, gozações ou formas e assim sendo, no meu modo de ver fica a explicação do que vem a ser o referido tema APELIDOS OU ALCUNHAS E GLOSSÁRIO.

 

Por Adriano Augusto da Costa Filho
Membro da Casa do Poeta de São Paulo, Movimento Poético Nacional, Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores, Academia Virtual Poética do Brasil, Ordem Nacional dos Escritores do Brasil, Associação Paulista de Imprensa, Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa e escreve quinzenalmente para o Jornal Mundo Lusíada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend