O Marquês de Pombal e a grandeza de Portugal e do Brasil

Todos nós sempre lembramos o Marquês de Pombal, “Sebastião José de Carvalho e Melo”, nascido em Lisboa em 13 de Maio de 1699 e falecido em Pombal em 08 de Maio e 1782, aos 83 anos de idade. Estudou na Universidade de Coimbra por pouco tempo, como também na vida Militar e por pouco tempo, em seguida casou-se com D.Tereza de Noronha e Bourbon e foi ser embaixador de Portugal na Inglaterra. Sua esposa faleceu e casou-se novamente com Dona Leonor, condessa de Daun.
Daí em diante a sua vida modificou-se, quando no ano de 1750, D.José proclamado Rei de Portugal, foi por ele chamado para ser Ministro e com a sua galhardia e poder de administração ficou sendo conhecido pela sua gentileza e uma figura principal do trono português.
Com sua determinação como Ministro e responsável pelas Relações Exteriores, conquistou inúmeros membros do reinado, e nessa situação foi nomeado como 1º Ministro, com o título de Conde de Oeiras, e bem como o seu principal nome conhecido no mundo lusitano e mundial “MARQUES DE POMBAL”.
O Marquês de Pombal fez grandes obras em sua vida, mormente em Portugal, e após o grande “Terremoto” que assolou Lisboa, ele foi o restaurador da cidade, no entanto os seus inimigos conseguiram afrouxá-lo com acusações, mormente porque ele casou-se com uma não católica, a protestante herdeira da família do Duque de Cumberland, e daí em diante, como também expulsou os Jesuítas de Portugal e das colônias portuguesas, tornou-se um severo inimigo e “Ditador” do Reino de Portugal, começou a expurgar e aprisionar os seus inimigos em prisões perpétuas e muitos exilados de Portugal.
Ele foi o reformador do Ensino da Educação, bem como proibiu quaisquer manifestações contra os “Cristãos Novos” judeus e mouros convertidos e bem como dos índios e africanos. Atualizou a Universidade de Coimbra, criou novas normas para a Marinha e para o Exército, implementou as Finanças do Estado, a Imprensa e as Escolas.
Tudo isso que fez de melhor nada adiantou, uma vez que os seus inimigos conseguiram culpá-lo e em processos foi condenado ao exílio, porém a Rainha decretou que o Marquês de Pombal havia prestado grandes serviços ao Reino e o perdoava, ele alegava que nada foi provado contra ele e em desgosto retirou-se da Corte, e foi morrer aos 83 anos de Idade.
O “Marquês de Pombal ” quando Ministro das Relações em Portugal com certeza podemos até dizer que foi ele o grande mestre da “Grandeza do Brasil”. Quando nos primórdios do século 18, ou seja em 1725, quando o Brasil já era dividido em 3 países, o “Reino do Grã-Pará e Maranhão”, o Reino do Nordeste e o do Sul, sendo que o do Pará até já tinha um Rei, enviou a esquadra portuguesa a prender o Rei, o mesmo fez com o do Nordeste, e o Sul já havia aderido e assim sendo o Brasil deixou de ser 3 países distintos, promovendo ele a GRANDEZA DO BRASIL como um dos maiores países do planeta, na qual podemos dizer que a Europa toda e parte da Ásia cabem dentro do BRASIL.
No Brasil, ele promoveu a expulsão dos jesuítas por 13 anos que os acusava de apoiar os indígenas que resistiam a PORTUGAL, e quando houve o atentado ao Rei de Portugal D.José em 1758, começou uma guerra interna contra os conspiradores e expulsou os Jesuítas. Devido as penas dadas a esses inimigos que os expulsava, torturava e até chegar à morte, a época ficou conhecida como o “Terror Pombalino”.
Podemos dizer que a Era Pombalina foi muito contraditória, ele teve muitos detratores, e também muitos admiradores como Papa Clemente XIV, e teve também muitos contrários como “Voltaire” ele foi o autor da Tirania e da Renovação e Inovação do Estado Português, ele teve grandes admiradores e portentosos inimigos, e sua queda teve o nome de “Viradeira”. Após a sua morte a vida portuguesa modificou-se muito, uma vez que não tinha quem luta-se mais pela grandeza portuguesa e aí começou a dependência lusitana da Inglaterra e a invasão das ordas de Napoleão, quando a Família Real fugiu para o Brasil no ano de 1808.
Portanto, sem nenhum demérito dos outros maravilhosos portugueses que caminharam na grandeza do Brasil, no entanto, o maior passo, o passo largo, foi sem dúvida dado pelo “MARQUÊS DE POMBAL” o qual tornou o Brasil um dos maiores países do planeta, para honra e glória do nosso querido e eterno Portugal.

 

Adriano Augusto da Costa Filho
Membro da Casa do Poeta de São Paulo, Movimento Poético Nacional, Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores, Academia Virtual Poética do Brasil, Ordem Nacional dos Escritores do Brasil, Associação Paulista de Imprensa, Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa e escreve quinzenalmente para o Jornal Mundo Lusíada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend