O Primeiro supercomputador em Portugal na Universidade do Minho

Da Redação

A instalação do primeiro supercomputador em Portugal, com a criação do Centro de Computação Avançada do Minho (Minho Advanced Computing Center, MAAC) vai ser formalizada dia 25 de novembro, através da assinatura de um memorando de entendimento entre a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), a Universidade do Texas em Austin (UTAustin) e a Universidade do Minho (UMinho).

A assinatura, às 11h00 na Biblioteca Geral da Universidade do Minho, no Campus de Gualtar, em Braga, acontece na presença do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, do Presidente da FCT, Paulo Ferrão, do Presidente da Comissão de Coordenação Regional do Norte, Fernando Freire de Sousa, e do Reitor da Universidade do Minho, António Cunha, além de pesquisadores, empresários e diversos representantes de instituições científicas e de empresas.

Esta nova infraestrutura de computação inclui vinte bastidores da plataforma de computação avançada Stampede 1, cedidas à FCT pelo Centro de Computação Avançada do Texas (Texas Advanced Computing Centre, TACC) da UTAustin, no âmbito da Parceria Internacional entre a Universidade do Texas em Austin e Portugal.

A nova infraestrutura permite desenvolver novas áreas de computação em Portugal, assim como aplicações diversas de âmbito científico e empresarial em áreas que abrangem o clima, a segurança marítima, o apoio às pescas, a monitoração de padrões de mobilidade nas cidades, o estímulo da biodiversidade, a gestão do risco nas florestas e aplicações na saúde, incluindo bioinformática.

AIR Center

Entre outras potenciais aplicações, esta infraestrutura de computação servirá o Centro de Investigação Internacional dos Açores – o AIR Center –, recentemente criado pela Declaração de Florianópolis, assinada em 20 de junho por iniciativa de Portugal em estreita cooperação internacional, incluindo o Brasil.

O MACC servirá de base ao estabelecimento da AIR Center data intelligence network (AIR DataNet), a desenvolver durante 2018 juntamente com o TACC da UTAustin e o Centro de Supercomputação de Barcelona (Barcelona Supercomputing Center, BSC), entre outros parceiros internacionais envolvidos no AIR Center, de modo a facilitar o desenvolvimento das ciências dos dados e aplicações à interação clima-oceanos.

A nova infraestrutura enquadra-se ainda na Iniciativa Nacional de Competências Digitais e.2030 (INCoDe.2030) que, sob coordenação da FCT, inclui o estímulo a novas atividades de I&D nas áreas da computação científica, em ciências e tecnologias quânticas, inteligência artificial e media digital.

Portugal foi um dos países signatários da Declaração Europeia para o avanço da computação avançada, EuroHPC, em 23 de março de 2017 em Roma, através da qual se pretende estabelecer o enquadramento intergovernamental que permita desenvolver e operar a próxima geração da infraestrutura europeia de computação avançada.

A nova infraestrutura, propriedade da FCT, será instalada no 1.º trimestre de 2018 na Universidade do Minho, complementando os recursos já existentes nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo e do Centro.

A sua operação será totalmente integrada na rede nacional, europeia e internacional em modo de acesso totalmente aberto, facilitando a adoção da Estratégia Nacional de Ciência Aberta.

A gestão desta nova infraestrutura está a cargo de uma Comissão de peritos, incluindo utilizadores, com coordenação pelos serviços de computação avançada da FCT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend