Com 200 desaparecidos, feridos em acidente de barragem em Minas resgatados de helicóptero

Mundo Lusíada
Com agencias

O Corpo de Bombeiros informou nesta sexta-feira que aproximadamente 200 pessoas estão desaparecidas após o rompimento da Barragem da Mina Feijão, em Brumadinho (MG). A estrutura, que pertence à Vale, liberou no meio ambiente um volume ainda desconhecido de rejeitos de mineração.

O Hospital João XXIII, instituição pública vinculada ao estado de Minas Gerais e sediada em Belo Horizonte, acionou um plano de atendimento para múltiplas vítimas de catástrofes. Até o momento, a instituição confirmou a chegada de duas pacientes, de helicóptero.

Em nota, o Corpo de Bombeiros informou que o Sistema de Comando de Operações (SCO) está estruturado no Centro Social do Córrego do Feijão, em Brumadinho. “Vários órgãos, principalmente de segurança pública, estão no local e em reunião neste momento definindo as estratégias de atendimento”, diz a nota.

Ao lado do Centro Social do Córrego do Feijão, há um campo de futebol que está sendo usado como área de avaliação e triagem das vítimas para atendimento médico, além de estacionamento de viaturas. Também foi estruturado um posto para arrecadação de alimento na Faculdade Asa de Brumadinho.

O Corpo de Bombeiros informou que está atuando com 51 militares, e que contam ainda com seis aeronaves.

O Corpo de Bombeiro alerta os órgãos de imprensa, que estão utilizando drones, pois estariam atrapalhando o sobrevoo das aeronaves da corporação. “As aeronaves estão resgatando inúmeras pessoas ilhadas em diversos pontos a todo momento”.

Seis municípios emitiram já um alerta para que população se mantenha longe do leito do Paraopeba, rio que atravessa parte do Estado de Minas Gerais, receando a subida do nível das águas.

O parque de Inhotim, que conta com 14 hectares e é um dos mais importantes acervos de arte contemporânea do país, teve de ser evacuado, levando à retirada de cerca de mil pessoas, segundo Agencia Lusa.

Bolsonaro deve ir

O presidente Jair Bolsonaro tem intenção de ir a Minas Gerais amanhã, dia 26 às 8h, para acompanhar de perto a situação na cidade de Brumadinho, divulgou Agencia Brasil. Além disso, o governo montou um Gabinete de Crise para tratar do assunto. O porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, leu uma nota oficial do governo federal a respeito da tragédia.

“O presidente da República lamenta as eventuais perdas de vidas ocasionadas pelo rompimento da barragem na cidade de Brumadinho em Minas Gerais. [Ele] determinou o imediato estabelecimento de gabinetes para acompanhar evolução da situação, tanto no Palácio do Planalto, quanto no Ministério do Meio Ambiente. […] O Presidente da República tem a intenção de se deslocar para a região no sábado (26), às 8h”, disse o porta-voz. Se a viagem de Bolsonaro se confirmar, ocorrerá um dia antes da ida do presidente para São Paulo, onde se submeterá a uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia.

Pelo Twitter, Bolsonaro já havia lamentado o ocorrido. “Lamento o ocorrido em Brumadinho-MG. Determinei o deslocamento dos ministros do Desenvolvimento Regional [Gustavo Canuto] e Minas e Energia [Bento Costa Lima], bem como nosso secretário Nacional de Defesa Civil [Alexandre Lucas] para a região”, afirmou o presidente na rede social.

A Vale do Rio Doce, empresa responsável pela barragem, divulgou nota sobre o acidente. “As primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens”, informou a empresa.

Há quase três anos, uma das barragens da empresa Samarco, controlada pelos acionistas Vale e BHP, rebentou na cidade de Mariana, no estado de Minas Gerais, originando uma torrente de lama que destruiu fauna, flora e construções ao longo de 650 quilômetros.

Aquele que é considerado o maior desastre ambiental do Brasil fez 19 mortos, além de ter deixado desalojadas milhares de famílias. Além de ter mudado cenário ecológico na região até os dias atuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend