A Geringonça pegou fogo, por Carlos Fino

Por Carlos Fino

Com a demissão da ministra da administração interna e um pedido de desculpas tardio arrancado a ferros pela Oposição no debate parlamentar desta quarta-feira, António Costa não salva a imagem negativa do governo na gestão da crise gerada pelos incêndios que fizeram para cima de uma centena de mortos nos últimos quatro meses.

É claro que os partidos da Oposição agem com grande dose de cinismo ao quererem imputar toda a responsabilidade do ocorrido ao actual executivo, como se também eles não tivessem responsabilidades históricas – pelo que fizeram e pelo que deixaram de fazer nesta matéria ao longo dos anos. A começar pelo abandono da nossa agricultura em troca dos financiamentos europeus para autoestradas, passando pela opacidade da rede de interesses privados em torno do combate aos fogos e terminando no sempre adiado reordenamento florestal.

Mas eles estão no seu papel de explorar as debilidades do governo e a verdade é que este se colocou a jeito. Pelas dificuldades de organização e comando já na primeira vaga de incêndios, no Verão passado, pela aparente falta de decisões no período que se seguiu tendo em conta as dimensões da catástrofe ocorrida, e agora de novo pela incapacidade demonstrada de responder com eficácia à repetição da tragédia.

Entretanto, mesmo tendo em conta o elevadíssimo número de vítimas e a extensão sem precedentes da área ardida, o executivo ainda podia enfrentar a dor e a revolta dos portugueses se outra tivesse sido a reacção dos responáveis, a começar pelo primeiro ministro.

Uma sincera admissão de culpa, começando por demitir a ministra, que já tinha perdido todas as condições de continuar no cargo, uma particular palavra de conforto para com as famílias atingidas, garantindo-lhes todo o apoio para reconstruirem as suas vidas e uma manifestação inequívoca de vontade de tudo fazer para superar os problemas, teriam encontrado compreensão por parte dos portugueses e reconquistado pelo menos alguma da confiança perdida.

Infelizmente para as forças que apoiam a geringonça, não foi isso que aconteceu. O resultado está à vista – o fogo da revolta aumentou e o governo perdeu a iniciativa, que passou toda para a presidência da república e para os partidos da Oposição.

De forma inteligente, Marcelo fez o que Costa não quis ou não soube fazer – falar ao coração dos portugueses e garantir empenho total nas medidas indispensáveis para que a tragédia se não repita.

Peço desculpa pela imagem, mas não encontro outra melhor para dar conta do sucedido – a geringonça pegou fogo. É certo que o presidente ainda lhe deu uma nova oportunidade. Mas o carro vai em chamas. Veremos se daqui até sábado o executivo ainda consegue extinguir as labaredas que ameaçam consumi-la.

A actual solução de governo só foi possível porque, colocados perante a alternativa de novo executivo da direita, insensível às questões sociais como já fora o anterior, os partidos de esquerda, superando décadas de divisão e animosidade, conseguiram uma plataforma mínima de entendimento.

Contaram com a expectativa benigna de muitos e com a desconfiança de muitos mais, que entretanto souberam em parte superar graças a uma gestão virtuosa das finanças públicas.

Com a vantagem do novo primeiro ministro não ter a arrogância do anterior e também por saber sorrir. Não deixaria de ser amargamente irónico se ele agora caísse por afinal se revelar, na aparência, pouco sensível ao sofrimento alheio e não saber chorar.

 

Por Carlos Fino
Jornalista português, nascido em Lisboa, em 1948. Correspondente da RTP – televisão pública portuguesa – em Moscou, Bruxelas e Washington, destacou-se como correspondente de guerra, em conflitos armados na ex-URSS, Afeganistão, Oriente Médio e Iraque. O primeiro repórter a anunciar, com imagens ao vivo, o bombardeio de Bagdad pelas tropas norte-americanas na Guerra do Golfo (2003). Foi conselheiro de imprensa da Embaixada de Portugal em Brasília (2004/2012). Escreve semanalmente para o Jornal Mundo Lusíada.

<< Brasil – tudo como dantes no quartel de Abrantes? Por Carlos Fino >>

1 Comment

  1. Óptimo artigo de um óptimo jornalista que acompanho desde a minha infância.Concordo com tudo em género e em número.
    Continuação de sucesso para o vosso jornal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend