“Esplendor” do Traje à Vianesa marca feira centenária que antecede Romaria d’Agonia

Da Redação
Com Lusa

O “esplendor” dos típicos e garridos trajes à Vianesa, os primeiros do país a conseguir a certificação, estão em destaque, em Viana do Castelo, na Feira de Artesanato e Manualidades, mostra centenária que antecede a Romaria d’Agonia.

“É uma feira que mostra todo o esplendor do Traje à Vianesa e as múltiplas aplicações que o bordado de Viana pode ter, desde as criações tradicionais às contemporâneas”, afirmou hoje o presidente da Comissão de Festas d’Agonia, António Cruz, contactado pela agência Lusa.

O traje assume-se como um símbolo tradicional da região, nas suas várias formas, consoante a ocasião e o estatuto da mulher. Em linho e com várias cores características, onde sobressai o vermelho e o preto, era utilizado pelas raparigas das aldeias em redor da cidade de Viana do Castelo.

As características deste traje, como o seu colorido e a profusão de elementos decorativos, permitem identificar facilmente a região de origem, no concelho, motivo pelo qual se transformou, segundo os especialistas, “num símbolo da identidade local”.

A certificação do traje à Vianesa, com origem no século XIX, foi publicada em Diário da República no final de 2016.

Em agosto de 2018, o início da confecção do Traje à Vianesa, de acordo com o Caderno de Especificações, foi assinalado com a apresentação pública dos primeiros cinco exemplares de Areosa, Afife, Santa Marta de Portuzelo, Geraz do Lima e o traje azul-escuro mais conhecido como o de Dó, que ostentam a etiqueta de certificação.

Em agosto de 2017, o presidente da Câmara, José Maria Costa, anunciou a intenção de candidatar o Traje à Vianesa a Patrimônio Nacional, classificação que justificou com a “autenticidade, beleza e simbolismo” do primeiro traje certificado do país.

A XVIII edição da Feira de Artesanato e Manualidades, que decorre a partir de sábado e até 20 de agosto, mas que já se realiza desde 1917, conta com a presença de “mais de 80 artesãos, a maioria do concelho de Viana do Castelo e alguns a trabalhar ao vivo”, ocupando 350 metros de extensão do corredor natural do jardim marginal da capital do Alto Minho.

Numa nota enviada à imprensa, a VianaFestas, entidade que organiza a Romaria D’Agonia, adiantou que o certame conta, este ano, “com setores especificamente dedicados ao artesanato local e ao artesanato nacional e a gastronomia”.

“Há uma seleção rigorosa e por isso, nos últimos anos, há também uma procura, por parte dos expositores, mais cuidada”, explicou António Cruz, citado naquela nota.

O certame, organizado em colaboração com o MAOS – Movimento de Artes e Ofícios e com apoio da Câmara Municipal, cuja inauguração está marcada para sábado, pelas 16:30, conta com “um programa próprio, com animação e música tradicional, rusgas e grupos folclóricos, e insere-se no calendário oficial das festas da cidade”.

Em 2019, as festas decorrem de 16 a 20 de agosto, com um orçamento de 599.686 euros.

Este ano, devido ao calendário, a festa prolonga-se por cinco dias com quatro noites de fogo-de-artifício, o cortejo histórico-etnográfico, a procissão solene em honra de Nossa Senhora d’Agonia, e a tradicional procissão ao mar e ao rio.

Outra das novidades prende-se com a mudança, para a manhã do primeiro dia de festa, dos cumprimentos das mordomas às autoridades.

O desfile das mulheres trajadas pelas principais ruas da cidade irá realizar-se, pelo segundo ano, à tarde, “conferindo maior dinamismo ao desfile e rigor ao momento dos cumprimentos”.

O par de dançarinos de folclore que, em 1959, deu o rosto ao primeiro cartaz ilustrado com fotografia da Romaria d’Agonia, em Viana do Castelo, preside, este ano, à comissão de honra das festas.

A presidência da comissão de honra da Romaria d’Agonia é uma função que, por inerência, cabe ao presidente da Câmara de Viana do Castelo, mas que há mais de duas décadas é delegada em figuras que “contribuem para a promoção do concelho e das festas”.

A fadista Amália Rodrigues, o antigo embaixador Francisco Seixas da Costa, a artista plástica Joana Vasconcelos e o presidente da Casa do Minho do Rio de Janeiro Agostinho dos Santos, entre outros, já desempenharam aquelas funções.

Salomé Silva, de 25 anos, psicóloga, é este ano o rosto do cartaz da festa, da autoria da designer Ana Rocha, selecionado pelo júri, entre um total de 81 propostas, no âmbito do habitual concurso público lançado pela VianaFestas, entidade que organiza a romaria da capital do Alto Minho.

Os 81 cartazes vão estar expostos, no posto de informação da Romaria d’Agonia que também abre portas no sábado, nos antigos Paços do Concelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend