Campanha Eleitoral para as Presidenciais a preto e branco com Rebelo de Sousa a querê-la a cores

Por António Justo

Na campanha às Presidenciais, Rebelo de Sousa procura fugir à obsessão portuguesa pelo “preto” ou pelo “vermelho”. Nas respostas que ele dá à opinião pública evita que o fixem naquela conotação que corresponde a uma atitude do “ou… ou…” (esquerda ou direita) que a república nos educou e enfileirou. A geração 25 de Abril, que foi concatenada no espírito da primeira república, não possui prossupostos para a formação de personalidades suprapartidárias de caracter nacional independente com mentes autocríticas e abertas. Deste modo criou homens relevantes para os partidos mas não gerou nenhum estadista português com personalidade digna de ser exemplo ou referência para toda a nação portuguesa. O mau costume do espírito proselitista da República, intromete-se já na campanha, em desfavor de um homem que talvez tivesse espinha dorsal para colocar como prioridade, na agenda do dia, os interesses da nação e não apenas os da classe política.

Rebelo de Sousa parece querer falar para um Portugal arco-íris – um Portugal da diferenciação – o que incomoda, por um lado a gente das manjedouras, e, por outro, a irritação que as muitas cores produzem numa nação de pensar penteado pelos barbeiros da ordem do pensar politicamente correcto e habituada a adormecer embalada sob a cor da noite e a acordar para sorver o vermelho durante o dia. Um Portugal, do pensar politicamente correcto instalado, ainda não notou que o novo cidadão é colorido, já não andando no mundo atrás desta ou daquela cor. Encontramo-nos num Portugal boquiaberto pendente do beiço de tantos potenciais presidentes onde, no meio de tanta conversa fiada se fomenta mais a abstenção. No fim o que a classe política deseja é a continuação de um Portugal bipolar, todo ele, só riscado a preto e vermelho! Quando teremos em Portugal a dita de nos orgulharmos de ter um presidente da República que não seja de personalidade manchada, não só de riscas pretas e vermelhas?

Na Alemanha há um exemplo de uma personalidade que poderia servir de exemplo para Marcelo Rebelo de Sousa: o antigo presidente Richard von Weizsächer. Embora de coloração preta conseguiu suplantar a cor do próprio partido e as pressões da oposição vermelha, para se tornar um presidente de todo o povo e não apenas das instituições que tentam apoderar-se do Estado!

DAS MONTADAS AOS MONTEIROS DA NAÇÃO

Mal as tendas do novo governo se encontravam na sua montaria e numa afama de, enquanto é tempo, produzir leis sem antes serem discutidas pela opinião pública, já outros cavaleiros se preparam para nova monteada.

Resta uma consolação: a montagem da campanha eleitoral para a Presidência da República revela-se a mais democrática da Europa: tem dez concorrentes e decorre entre os dias 10 e 22 de Janeiro de 2016; as eleições realizam-se no dia 24 de Janeiro. Caso o eleito não atinja a maioria (50% mais um) dos votos válidos, realizam-se novas eleições no dia 14 de Fevereiro. Haverá uma coabitação do Presidente Cavaco Silva com o Presidente a empossar dia 9 de março de 2016.

No terreiro da nação, enquanto o povo passeia o cavalo, todo o cidadão que se sente com esporas começa por pensar no cavalo que vai montar para melhor poder montar a sua tenda!

E assim se vai passando o tempo na monta e na desmonta! E no fim só vão sobressair os ais das carpideiras! Como temos um povo tão fraccionado, pelo costume, no fim permanecerá a impressão de queixas e lamúrias e a velha sensação de ser montado!

O valor estabelecido para as subvenções calculadas a atribuir aos candidatos na 1.ª volta monta a 4 192 200 Euros. Total das subvenções orçamentadas: 2 625 065,50 €; subvenções orçamentadas: de António Sampaio da Nóvoa 798 000,00 €, de Cândido Ferreira 0 €, de Edgar Silva 377.750,00 € de Henrique Neto 199 000,00 €; de Jorge Sequeira 0 €, de Marcelo Rebelo de Sousa 90 000,00 €, de Maria de Belém Roseira 790 656,00 €, de Marisa Matias 308 659,50 €, de Paulo de Morais 61 000,00 €, de Tino de Rans 0 €.

 

Por António da Cunha Duarte Justo
http://antonio-justo.eu/?p=3418

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend