Concelho português lança projeto para tentar equilibrar conflito entre homem e lobo

Da Redação
Com Lusa

Na região norte de Portugal, o concelho de Paredes de Coura inaugura, nesta sexta-feira, a Casa da Biodiversidade de “apoio e procura de soluções” que permitam um “equilíbrio no conflito universal e secular” existente entre o homem e o lobo.

“A Casa da Biodiversidade não é o espaço do lobo, é o espaço das pessoas que precisam de ajuda para poder lidar com o lobo. Precisam de ajuda para se proteger, conhecendo-o bem e evitando os seus prejuízos e, sobretudo, para saber como devem agir para serem ressarcidas quando não foi possível protegê-las”, afirmou hoje à Lusa o presidente da Câmara de Paredes de Coura.

“Para nós, neste conflito não existe o lado do lobo e o lado do homem, só existe o lado do problema e o lado das soluções. Nós queremos estar, definitivamente, do lado das soluções. Não queremos milagres, procuramos soluções”, reforçou.

Segundo dados avançados pelo autarca socialista, o último ataque do lobo a um rebanho ocorreu há dois meses, na freguesia de Ferreira. Já na semana passa, adiantou Vítor Paulo Pereira, um lobo foi encontrado morto a tiro, na zona entre Cossourado e Sapardos, na fronteira do concelho de Paredes de Coura e Vila Nova de Cerveira, ambos no distrito de Viana do Castelo.

Vítor Paulo Pereira diz que é preciso acabar com este “conflito imemorial entre o lobo e o homem”, que, defendeu, “nasce do medo profundo do animal e que é incutido desde cedo nas crianças, através da ideia do lobo mau”.

“Esse medo alimenta-se cada vez mais do desconhecimento e transforma-se em ódio quando somos confrontados com os prejuízos que o animal causa. Não somos presunçosos ao ponto de dizer que queremos resolver este problema, o que queremos com este projeto é repor algum equilíbrio nesta relação e, através desse equilíbrio, garantir a preservação do animal e a qualidade de vida das pessoas”, reforçou o autarca.

Vítor Paulo Pereira lembrou que a proteção da biodiversidade não é uma opção, mas “uma questão de sobrevivência enquanto território sustentável e criativo”.

“A proteção do lobo ibérico só se consegue se não nos esquecermos que as pessoas também fazem parte da biodiversidade e, por isso, só as ajudando e trabalhando com elas podemos garantir a proteção do lobo”, afirmou.

A Casa da Biodiversidade, a inaugurar na sexta-feira de manhã numa cerimônia que contará com o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, integra-se no projeto “O Lobo e o Homem” que a Câmara de Paredes de Coura está a desenvolver e que representa um investimento superior a 138 mil euros, financiado por fundos do Norte 2020.

A Casa da Biodiversidade, orçada em mais de 100 mil euros, resultou da recuperação do edifício de uma antiga sede de junta de freguesia de Castanheira.

O imóvel encontrava-se devoluto e “reabre portas transformado em Casa da Biodiversidade”, um espaço de “apoio aos proprietários lesados pelo ataque dos lobos e de investigação científica, uma vez que é nela que ficará instalada a base de campo do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genético da Universidade do Porto (CIBIO)”.

“A ideia é enfrentar este problema de longa data e transformá-lo numa vantagem para a população, garantindo com isso uma eficaz preservação da espécie. O conflito de outrora ganha contornos diferentes e não permite hoje a escolha entre o lado do lobo ou o lado do homem, a opção é entre o lado do problema e o lado da solução”, adiantou Vítor Paulo Pereira.

O projeto “O Lobo e o Homem” tem como parceiros a Associação Aldeia, o CIBIO, a Associação de Conservação do Habitat do Lobo Ibérico (ACHLI) e a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend