Amar: Felicidade e Sofrimento

Por Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo 

No âmbito do contexto humanista, pode-se afirmar que, de entre os mais diversificados e até contraditórios sentimentos, que caraterizam toda a pessoa humana, o amor é, porventura, aquele que mais desejamos receber e oferecer. Pelo exercício claro e incondicional dos sentimentos, nos elevamos ao mais alto nível da dignidade humana, ou submergimos nas profundezas da depravação, sordidez, enfim, crueldade.

De uma forma muito genérica, sabemos que a força dos sentimentos vence os mais complexos e difíceis obstáculos, e contribui para a união das pessoas, aliás: «A conexão entre as pessoas só é plenamente exercida quando a intimidade é vivida pela expressão clara dos sentimentos. Elas não eram capazes de experimentar a intimidade sem uma maior clareza no coração.» (BAKER, 2005:130).

Num mundo “apressado” em que nos movimentamos aceleradamente, nem sempre temos tempo para valorizar os nossos sentimentos mais nobres, pelo contrário e, infelizmente, por vezes, preocupamo-nos em como colocar em prática os mais mesquinhos, no sentido de prejudicarmos alguém, por uma qualquer “razão” e/ou objetivo: humilhação, vingança, perseguição. É nestas circunstâncias que o ódio toma conta do nosso comportamento, com consequências frequentemente imprevisíveis e irreparáveis.

Sabemos bem que: «A felicidade não acontece automaticamente, não é uma graça que um feliz sortilégio possa espalhar sobre nós e que um revés da fortuna nos possa tirar; depende só de nós. Não nos tornamos felizes numa noite, mas à custa de um trabalho paciente, elaborado dia-a-dia. A felicidade constrói-se, o que exige trabalho e tempo. Para ser feliz, o próprio indivíduo precisa de saber mudar.» (LUCA e FRANCESCO CAVALLI-SFORZA, in RICARD, 2003:9).

De igual forma, amar alguém, gostar verdadeira, incondicional e imensamente de outra pessoa, afigurar-se-á uma tarefa que nunca estará concluída, bem pelo contrário, exige empenhamento permanente, renovação constante, ultrapassar situações de aparente conforto, para resolver conflitos, sofrer o desgosto de nem sempre sermos correspondidos, ainda que acalentando a esperança de que um dia, finalmente, venhamos a ser recompensados pela retribuição da pessoa que sempre amamos.

O sentimento do amor, para quem o possui, revela-se a mais poderosa “arma” para vencer muitos obstáculos que a vida nos coloca neste mundo, porque na verdade: «Viemos cá para estarmos em comunhão, para aprendermos sobre o amor com outros seres humanos que estão no mesmo caminho que nós, que aprendem as mesmas lições. O amor não é um processo intelectual. É sim uma energia dinâmica que entra em nós e flui todo o tempo através de nós, estejamos nós conscientes desse facto ou não. O fundamental é aprendermos a receber amor, assim como a dá-lo. Só podemos compreender a energia envolvente do amor na comunhão com os outros, nas relações, no serviço.» (BRIAN, 2000:64).

Por vezes, experienciamos na vida situações que nos marcam, indelevelmente, para todo o sempre, que até nos provocam receios, pânico e escapatórias para a frente, como que fugindo de um passado que não queremos recordar e, muito menos repetir, provocando-nos bloqueios de diversa ordem.

É muito natural que um amor intenso, uma relação extremamente apaixonada, um “impulso” afetuoso, que terminam abruptamente: ou por causas que ofendem os nossos princípios, valores, sentimentos, e emoções; ou por mero capricho de uma das partes; ou, ainda, por imponderáveis da natureza e da vida, nos provoque uma mágoa excessiva, um desgosto profundo e uma atitude de desconfiança para o futuro, que realmente nos impede de tentarmos uma outra oportunidade para sermos felizes, através de um novo amor.

Compreender, demonstrar e vivenciar certos sentimentos é quase sempre muito difícil, considerando que a constituição biofísica e espiritual da pessoa humana é extremamente complexa, que escapa às mais elementares regras de quaisquer ciências exatas e tecnologias mais avançadas, por isso, e muito embora se espere de certas pessoas alguma previsibilidade, em determinadas circunstâncias, o que acontece com mais frequência é, precisamente, alguma instabilidade, insegurança, medos, também atitudes de coragem, esperança e decisões: umas vezes certas; outras erradas. A Vida faz-se assim mesmo.

Amar alguém é diferente de gostar, porque o amor, quando autêntico, incondicional, para a vida, implica uma inequívoca exclusividade, dedicada à pessoa que se ama, abnegação, sofrimento, desgosto, como também solidariedade, alegria, lealdade, entusiasmo, proteção, confiança, cumplicidade, companheirismo, gratidão e felicidade.

Em boa verdade: «A pessoa que sabe vivenciar e exercitar o amor com todos os contornos salutares, dessa inquestionável energia tonificante, transbordando paz, exercitando com desprendimento o carinho, entendendo com compreensão humilde os homens para saber perdoar as suas fraquezas e falhas, é evidente que jamais deixará escapar de suas mãos o sabor extraordinário que lhe oferece a experiência da felicidade.» (FRANCESCHINI, 1996:167-8).

Gostar incondicionalmente de uma pessoa significará: manifestar-lhe atitudes de elevada consideração, carinho, respeito; demonstrar-lhe solidariedade quando entender conveniente; ajudá-la, sempre que necessário, em tudo o que for possível e para tal existam recursos adequados; conviver com ela, partilhar princípios, valores, alguns sentimentos e emoções.

Amar uma pessoa é um sentimento bem diferente do gostar. O amor, quando autenticamente sentido e vivido, implica, desde logo: entrega total, apaixonada, amorosa; com uma intensidade, por vezes, incontrolável; os atos que lhe estão subjacentes envolvem uma intimidade inigualável, tal como: o olhar afetuoso, o beijo na boca; os desvelos carinhosos nas mais diversas partes do corpo e, finalmente, a relação sexual amorosa. É uma dádiva sem condições.

Inegavelmente, o que acima se transcreve para a mulher, também vale, pela inversa, para homem, apenas se substituindo o género e a palavra “mãe” pelo vocábulo “pai”. Homem e mulher, quando verdadeiramente se amam, são um só corpo, uma só alma, com um só destino, caminho comum aos dois.

O amor, quando verdadeiramente existe, não discrimina os géneros, homem e mulher têm, obviamente, deveres e direitos idênticos, de resto o rumo a seguir, para o Porto Seguro da Felicidade, também, algumas vezes do Sofrimento, estabelece reciprocidade, partilha, coesão, tolerância e perdão, porque não existem pessoas perfeitas, que ao longo da vida não tenham cometido erros, que não guardem um ou outro segredo: muito pessoal, muito íntimo, que não desejam divulgar nem dividir com mais ninguém, seja por vergonha, por receio a uma eventual censura ou até por temor de perder uma pessoa amada.

Quando não se ama, não se sofre com as situações mais difíceis. Tais pessoas “passam ao lado”, porque não amam incondicionalmente, preferem satisfazer os seus egoísmos, fugir das suas responsabilidades, partindo para as diversões, encontros com os “amigos da borga”, prazeres extraconjugais, adultérios, traições e humilhações para com aquela pessoa que verdadeiramente nos ama e merece, no mínimo, respeito.

É claro que, como diz o povo: “não se manda no coração”, por vezes pode acontecer que, em pessoas mais vulneráveis, mais sentimentais, elas sejam demasiado sensíveis e agarrarem-se a amizades, que depois se transformam num amor sincero, incondicional, sem limites, não obstante saberem que não será correto, se outros compromissos já existirem. Mas estas situações, fazem parte das fragilidades do ser humano e as pessoas envolvidas certamente tudo farão para as corrigir.

Inequivocamente que o amor é, hoje em dia, a solução para muitos conflitos. Ele tem de existir com cedências, com compreensão, com tolerância, com perdão, quando e sempre que necessário, porque: «Alguém precisa de nos encorajar a não pormos de lado aquilo que sentimos, a não termos medo do Amor e do sofrimento que ele gera em nós, a não termos medo da dor. Alguém precisa de nos encorajar para o facto de esse ponto macio em nós poder ser desperto e, ao fazermos isso, estaremos a alterar as nossas vidas.» (CHODRON, 2007:117).

Lutemos, então, para aumentar, engrandecer, preservar e consolidar o amor que sentimos pela pessoa que amamos incondicionalmente, para que ela, por sua vez, também nos retribua com este maravilhoso sentimento. Saibamos ser generosos, humildes e amantes.

Escolher as companhias, as amizades, os interesses, os projetos que desejamos, que possam vir a contribuir para a nossa felicidade, em partilha com a pessoa que amamos e também com mais algumas, poucas, muito poucas, pessoas, que nos são autenticamente amigas, será sempre a grande orientação que deveremos ter na vida, porque o Amor e a Amizade, quando incondicionais, são sentimentos que nos proporcionam: alegria, prazer, serenidade, confiança e felicidade; mas também tristeza e sofrimento dolorosos, quando não retribuídos. Mas vale a pena AMAR.

 

Bibliografia

BAKER, Mark W., (2005). Jesus o Maior Psicólogo que já Existiu. Tradução, Cláudia Gerpe Duarte. Rio de Janeiro: Sextante.

BRIAN L. Weiss, M.D. (2000). A Divina Sabedoria dos Mestres. Um Guia para a Felicidade, alegria e Paz Interior. Tradução, António Reca de Sousa. Cascais: Pergaminho.

CHODRON, Pema, (2007). Quando Tudo se Desfaz. Palavras de coragem para tempos difíceis. Tradução Maria Augusta Júdice. Porto: ASA editores.

FRANCESCHINI, Válter, (1996). Os Caminhos do Sucesso. 2ª Edição, Revista e Ampliada. São Paulo: Scortecci.

GUERRERO, José Maria, (1971). O Matrimónio Hoje, à Luz do Vaticano II, Tradução, José Luís Mesquita, Braga: Editorial Franciscana.

RICARD, Matthieu, (2005). Em Defesa da Felicidade. Tradução, Ana Moura. Cascais: Editora Pergaminho, Ld.ª.

 

 

Por Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo
Presidente do Núcleo Académico de Letras e Artes de Portugal
http://nalap.org/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend