Sem previsão de chuvas no Pantanal, Estado reforça combate às queimadas

Da Redação

As condições climáticas não são favoráveis à redução dos focos de calor esta semana no Pantanal de Mato Grosso do Sul, por falta de chuvas, alta temperatura, baixa umidade e vegetação seca. Diante dessa situação crítica, o Governo do Estado reavaliou as ações de combate às queimadas na região e iniciou, nesta segunda-feira, o remanejamento do grupamento e aeronaves que estão combatendo o fogo em quatro municípios.

Além dos focos no Pantanal, que avançam para a região do Forte Coimbra, entre Corumbá e Porto Murtinho, e para a borda do Parque Estadual do Rio Negro, no centro do bioma, o Corpo de Bombeiros e o Imasul (Instituto do Meio Ambiente de MS) se mobilizam para uma ação preventiva no Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema, no extremo Sul, na bacia do Rio Paraná, onde ocorrem focos em área situada na divisa do Estado com o Paraná.

O secretário estadual Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), participou de uma reunião na Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), onde foi discutido um novo planejamento da Operação Pantanal 2, incluindo logística, comunicação e liberação de recursos. Presentes o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Joílson Alves do Amaral, representantes do Imasul, Cedec, Ibama, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar Ambiental (PMA).

“A situação é extremamente preocupante, novos focos surgiram de domingo para cá, e decidimos intensificar os combates por terra e ar, de forma coordenada, onde contamos com o apoio do Exército na parte logística”, informou o secretário. “Fizemos um planejamento para a semana com base nas previsões meteorológicas, sabendo que será uma semana crítica com o ponto de vista dos combates devido à ausência de chuvas e altas temperaturas”, completou.

Verruck observou que este período do ano sofre uma das maiores estiagens no Estado, exigindo uma atenção redobrada no monitoramento e combate dos focos de calor, para que não ocorra mais prejuízos da biodiversidade e na economia ou perda de vidas. Citou que o Rio Paraguai apresenta um dos menores níveis dos últimos 20 anos, registrando 1,20m nesta segunda-feira na régua de Ladário. Em 2018, no mesmo período, o rio apresentava 2,60m.

A força-tarefa de combate aos incêndios conta hoje com 120 homens – 70 do Prevfogo do Ibama e 50 bombeiros -, além de três aviões Air Tractor (dois do ICMbio e um do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso) e três helicópteros (Polícia Militar/MS), Ibama e Polícia Rodoviária Federal). O Corpo de Bombeiros do Distrito Federal reforça a operação com 35 homens, dos quais oito já estão na área de combate, e os demais se integram nesta terça-feira.

Pantanal: 92% dos focos

Segundo dados de satélite do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), os focos em Mato Grosso do Sul, neste dia 4, somam 2.228, dos quais 2.088 (92%) concentrados nos pantanais de Corumbá, Aquidauana, Miranda e Porto Murtinho. O fogo que avançava para a região de Forte Coimbra foi combatido e controlado na Fazenda Piúva. Novas queimadas foram registradas no Passo do Lontra, comunidade situada na Estrada-Parque (MS-184).

O comandante do Corpo de Bombeiros/MS, coronel Joílson Amaral, disse que o novo planejamento vai permitir um combate mais sincronizado entre brigadistas e aeronaves e uma ação mais rápida em áreas de difícil acesso. Informou que os quartéis da corporação, situados na área crítica, estão de prontidão caso haja necessidade de envio de mais bombeiros aos pontos de calor. “Já deslocamos uma equipe para proteger o Parque de Ivinhema”, adiantou.

Nos últimos 10 dias, os incêndios que atingem o Pantanal brasileiro, maior região inundada do mundo, destruíram 122 mil hectares de vegetação, segundo dados do INPE.

Os incêndios no Pantanal começaram quase ao mesmo tempo que os registados na Amazônia brasileira, mas avançaram enquanto que na maior floresta tropical do mundo houve uma redução de 19% das queimadas em setembro de 2019 em relação ao mesmo mês do ano anterior, segundo dados mais recentes divulgados pelo INPE.

Em setembro, foram registrados 32.602 focos de calor nos nove estados que formam a Amazônia Legal, área composta por todos os estados da Região Norte, mais o Mato Grosso e o Maranhão. O número foi 16% menor do que o verificado em agosto, 39.177 focos de calor.

Segundo balanço publicado pelo Ministério da Defesa, que coordena a Operação Verde Brasil, 1,7 mil focos de incêndios foram combatidos nos últimos 40 dias, 73 pessoas foram detidas e 237 termos de infração lavrados, que totalizam R$ 55 milhões em multas a serem arrecadadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend