A batalha de Aljubarrota e consolidação do reino

Dois séculos e meio se passaram desde que D. Afonso Henriques, o fundador do reino de Portugal, com a ajuda dos Templários (Segunda Cruzada), conquistara Lisboa, há três séculos em poder dos mouros

Crônica: O escritor não merecia isso

Ferreira de Castro era um menino de Ossela, Oliveira de Azeméis, que ao completar o ensino primário, abalou, em 1911, com doze anos, para o Brasil, em busca de fortuna, a exemplo de muitos portugueses do seu tempo.

Um panorama da literatura brasileira no século XX

Escritores brasileiros do século XX – um testamento crítico (Taubaté-SP: LetraSelvagem, 2013), de Nelly Novaes Coelho (1922), doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), reúne estudos e notícias bibliográficas de 81 autores que se destacaram no panorama literário do País

Crônica: Quem envelhece?

Minha trisavó Florinda viu partir para o Brasil todos os filhos, excepto o primogénito. A maioria ficou por lá, outros regressaram. Entre eles, meu bisavô.

As fronteiras entre literatura e religião

A Universidade de Aveiro lançou o terceiro e último volume de Teografias – Literatura e Religião, projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) do Ministério da Educação e Ciência de Portugal.

A influência árabe na literatura brasileira

Quando os portugueses chegaram a Moçambique, ao final do século XV, algumas cidades já floresciam na chamada contracosta africana, onde os bantos negociavam com outras partes da África, do Oriente Médio e da Índia. A influência árabe nestes portos era forte e o suaili era a língua franca do comércio.

A origem do 7 de Setembro

A atenção da imprensa não tinha sido significativa em 1822, pois o que estava em jogo era o significado histórico das ações de D. Pedro. Assim, o “Grito do Ipiranga”

Uma frota para a CPLP

O governo federal anunciou a compra do navio Siroco, de fabricação francesa, a pretexto de recompor uma lacuna na Marinha do Brasil. Embarcação usada, o Siroco, que deverá ser rebatizado como NAM (Navio Anfíbio Multipropósito) Bahia, terá de passar por um período de manutenção antes de entrar em serviço.

AS GUERRAS DO TURISMO

O atentado de ontem em Bangkok veio chamar uma vez mais a atenção para a imensa fragilidade que sofrem, nos dias de hoje, as economias que têm uma forte dependência das receitas do turismo.

O Vale do Silício e a Escola de Sagres – Mitos da Sustentabilidade

Em Torno do infante D. Henrique congregaram-se os mestres das artes e das ciências ligadas à navegação; a concentração dos sábios da época num determinado lugar possibilitou o mito de Sagres que se tornou na expressão motivadora do começo de uma nova era mundial.

Patranhas que nos ensinam

Sempre ouvira dizer que foi Alexander Graham Bell o inventor do telefone. Assim me ensinaram, assim diziam e assim repetia consciente do meu saber…

Crônica: Liberdade de Opinião

Imitam o que se usa, o que está na moda. Repetem a opinião dominante. Compram o que a publicidade sugere. Viajam para os mesmos destinos e frequentam os mesmos lugares.

Graça Castanho: A União Europeia em ziguezague

Já todos percebemos que a Grécia não está liberta de duras críticas pelos sucessivos incumprimentos. Mas a verdade é que a União Europeia também não tem estado no seu melhor porque é igualmente culpada por esta crise e por muitas outras que pulverizam os estados membros.

CDU: Manifesto contra a venda da TAP

O valor a ser arrecadado pelo governo pela venda dessa grande empresa é irrisório, foi efetuado por uma quantia ínfima, que fere a lógica comercial em qualquer ramo de negócio.

Crônica: Dia de Santo Antonio em Lisboa

O dia 13 de junho, dia de Santo Antonio, é o feriado mais importante de Lisboa. A prefeitura da cidade patrocina na Catedral da Sé, em grande estilo e com rara beleza, o casamento comunitário de 13 casais, que recebem todo enxoval, o carro para transporte da noiva e a festa de bodas.

Gramática, para que te quero?

Uns acharam que o professor se aproveitou da confusão de quem escreveu o cartaz – porque admitiu que percebeu o erro e quis “dar uma lição” -, e outros acharam que a loja é que abusou da ambiguidade da frase para atrair clientes desavisados.

Crônica: D. Pedro II e Vítor Hugo

Para os brasileiros que ainda desconhecem a História do seu País ou foram “envenenado” em criança por maus professores, o Imperador não passa de rude monarca, desconhecedor das mais elementares regras de civilidade.

O 25 de Abril de baixo continua por fazer

Sob tanta música e tanto aroma do passado, quem tem o poder da interpretação da História? Quem tem algo para dizer? A consciência da justiça perdeu-se. A renovação precisa de nova orientação.

Send this to a friend