Mais de 250 pessoas retiradas de Monchique, operação continua “complexa”

Da Redação
Com Lusa

Mais de 250 pessoas foram deslocadas durante a noite no combate ao incêndio que lavra desde sexta-feira em Monchique, no distrito de Faro, onde as operações se mantêm de “elevada complexidade”, diz a Proteção Civil.

Num ponto de situação feito esta manhã na vila de Monchique, sede de concelho, o comandante operacional distrital, Vítor Vaz Pinto, indicou que foram assistidas neste incêndio 79 pessoas e que há 29 feridos ligeiros e um com gravidade.

O responsável, que não apontou o número de casas atingidas, afirmou que “a previsão meteorológica vai continuar desfavorável”, com vento intenso, que dificulta a atuação dos meios aéreos, e temperaturas a rondar os 35 graus durante o dia.

Ainda assim, haverá uma subida da umidade relativa. O responsável apontou as zonas de Casais e da barragem de Odelouca como as mais críticas esta manhã.

Questionado sobre eventuais falhas nas comunicações, Vítor Vaz Pinto disse que a rede de comunicações de emergência SIRESP foi reforçada e não sofreu falhas que comprometessem a operação.

Plano a espera

Produtores florestais do Barlavento Algarvio dizem que há meses esperam a aprovação, por parte do Instituto de Conservação da Natureza, do plano de prevenção e combate a incêndios que abrange a zona onde começaram as chamas em Monchique.

Segundo o jornal Público, o projeto para a Zona de Intervenção Florestal da Perna da Negra prevê a criação de pontos de água, aceiros e caminhos de acesso para combate ao fogo na serra.

A falta destas acessibilidades foi um dos problemas enfrentados pelos bombeiros na luta contra os mais recentes incêndios na região.

“Há mais de um ano que todos sabem que Monchique estava no topo da lista das zonas com maior risco de incêndios florestais. Há mais de um ano que todos sabem que a serra de Monchique era a próxima a arder” disse ao Público Emílio Vidigal, presidente da Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (Aspaflobal).

O responsável lembra ainda que há cerca de sete meses os produtores enviaram para o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) um plano estruturante para a Zona de Intervenção Florestal de Perna da Negra [gerida pela Aspaflobal] e nada foi feito.

“Está tudo embrulhado na burocracia, só nos fazem perguntas de lana caprina e nada avança”, afirmou o presidente da associação que representa cerca de 500 produtores florestais do Barlavento algarvio.

“Cada vez que ouvia alguém dizer que um dos problemas nestes incêndios era a impossibilidade de acesso a viaturas à zona que ardia na serra, ficava fora de mim. Toda a gente sabe que esse era um dos problemas que era preciso resolver”, acrescentou.

Emílio Vidigal diz não encontrar explicações para o atraso do ICNF para o projeto da ZIF da Perna da Negra: “O ICNF conhece-nos, sabe que há muitos anos fazemos um trabalho sénior de prevenção e combate a incêndios, mas nada faz. Só nos fazem perguntas sobre dados que já têm e que nós vamos repetindo nas respostas”, critica.

O responsável insiste: “Dois dias antes destes incêndios enviaram-nos um conjunto de 30 perguntas, como, por exemplo, sobre os estatutos da associação ou pediam garantias que não temos dívidas à Segurança Social. O comprovativo de que não temos dívidas caduca de três em três meses, mas como o processo não avança no ICNF, de três em três meses este pede novo comprovativo”.

“É um processo burocrático estúpido e sem fim. Parece que fazem de propósito para não avançarem”.

Mas, na sequencia, o Ministério da Agricultura negou que há plano aguardando resposta, garantindo que apenas foi recebida uma candidatura ao Programa de Desenvolvimento Rural – PDR 2020, que se encontra em análise e, neste momento, não está em condições de ser provada.

“Não está por aprovar nenhum Plano de Gestão de Monchique relativo à Zona de Intervenção Florestal de Perna da Negra, apresentado pela Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (ASPAFLOBAL) ao ICNF” [Instituto de Conservação da Natureza e Florestas], refere a nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend