Chamas em Monchique já queimaram perto de 27 mil hectares

Mundo Lusíada
Com Lusa

O incêndio que deflagrou na sexta-feira em Monchique já destruiu perto de 27 mil hectares, segundo a última atualização disponibilizada pelo Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS).

De acordo com os dados mais recentes, no incêndio que começou em Perna da Negra (Monchique) tinham ardido 26.957 hectares, mais de metade dos 41 mil que a área destruída na mesma região em 2003, nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

Na noite desta quinta-feira, a informação é que o incêndio está “globalmente estabilizado”, de acordo com a 2.ª comandante operacional nacional da Proteção Civil, Patrícia Gaspar.

“Depois do árduo trabalho durante toda a tarde de hoje, temos, neste momento, um cenário que eu diria que está globalmente estabilizado”, afirmou Patrícia Gaspar, que fazia o ponto de situação operacional sobre o incêndio que afeta o barlavento algarvio, pouco depois das 20:00 (horário local).

Questionada pela agência Lusa, Patrícia Gaspar esclareceu que “o incêndio não está dado como dominado” e “está neste momento ainda ativo”.

A 2.ª comandante operacional nacional da Proteção Civil referiu que não há frentes de fogo.

“Mas há ainda partes deste perímetro onde temos incêndio ativo e é por isso que o incêndio ainda não é dado como dominado. Essa decisão [de declarar dominado] é uma decisão que será tomada no momento em que tenhamos todas as condições reunidas para o efeito”, afirmou.

Segundo a responsável, já há várias áreas do perímetro do incêndio “com operações de monitorização, de vigilância e de consolidação de rescaldo”, havendo, porém, “ainda alguns pontos quentes, não só no perímetro, mas também na área propriamente do incêndio”.

Verificaram-se “várias reativações”, informou, sublinhando o apoio do avião de monitorização, que teve um papel “absolutamente imprescindível” na identificação precoce de vários pontos quentes.

Para a noite, a expectativa é a de que a temperatura continue a baixar, acompanhada por um aumento da umidade relativa, que “poderá chegar até aos 80%”, e de um desagravamento da velocidade do vento, que deverá ser inferior a 15 quilômetros por hora.

Apesar das condições favoráveis, o risco de incêndio para sexta-feira “continua elevado” na região, constatou Patrícia Gaspar, frisando que é necessário ter um “cuidado redobrado com tudo o que vai acontecer durante a noite”.

“Vamos manter todos os meios no teatro de operações, todos os meios em vigilância, apoiados pelas máquinas de rasto”, acrescentou, referindo que esta maquinaria pesada tem um “papel absolutamente preponderante” neste tipo de operações.

Nesse sentido, será dedicada “toda a atenção” durante o período noturno, por forma a que se possa “consolidar o trabalho árduo feito durante o dia”, salientou a 2.ª comandante operacional nacional da Proteção Civil.

O incêndio rural, combatido por mais de mil operacionais, deflagrou na sexta-feira à tarde em Monchique, no distrito de Faro, e atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend