Relatório: Mais de um terço das vítimas do fogo de outubro de 2017 morreu em casa

Da Redação
Com Lusa

Mais de um terço das vítimas mortais dos incêndios de 15 de outubro de 2017 morreu em casa, tendo muitas delas sido surpreendidas pelo fogo enquanto dormiam, segundo o relatório do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais.

O Relatório “Análise dos Incêndios Florestais ocorridos a 15 de outubro de 2017” avança que 37% das pessoas morreram em casa e 67% enquanto tentavam fugir, num total de 51 vítimas mortais.

“Nos incêndios de 15 de outubro, ao contrário dos de Pedrógão Grande, houve uma porcentagem significativa de pessoas que perderam a sua vida dentro de casa. Nalguns casos, foram surpreendidas pelo fogo enquanto dormiam, não tendo sido avisadas a tempo de que a sua casa e vida estavam em perigo”, refere o documento elaborado pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, sob coordenação do Domingos Xavier Viegas, e tornado público pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

O relatório encomendado pelo Governo sublinha que “várias casas arderam passado algum tempo, por vezes mais de duas horas, após a chegada do incêndio à povoação, ou à estrutura em causa”.

Nesse sentido, chama a atenção para “os pontos fracos das casas que são em geral os telhados, os anexos, o material combustível junto das paredes exteriores ou mesmo casas próximas em ruínas”.

Segundo o documento, das 19 pessoas que morreram em casa, 10 estariam a dormir quando o incêndio atingiu a sua habitação e as restantes nove estariam conscientes da presença do incêndio.

O relatório frisa também que “o fato de o incêndio ter atingido muitas regiões durante a noite, contribuiu para que houvesse menos pessoas a ‘fazer‐se à estrada’ e “a serem surpreendidas pelo fogo quando já estavam recolhidas em casa e a dormir”.

“Esta circunstância deu muito pouco tempo de reação para a maioria das pessoas e terá havido um número importante de vítimas que não tiveram sequer tempo para sair dos respetivos quartos. Ao permanecerem passivas perante o começo do incêndio na casa, com a entrada de fumos, ficaram incapacitadas para promover estratégias de sobrevivência”, refere.

Apesar destas mortes dentro das habitações, a equipa do investigador Xavier Viegas concluiu que a permanência em casa constitui “a opção mais segura para não ser colhido pelo fogo”, visto que “houve um número importante de pessoas que optaram por fugir de carro ou a pé e que acabaram por perder a vida, por vezes próximo de casa ou de outros locais mais seguros”.

O documento dá também conta que “houve casos de pessoas que perderam a vida, ou sofreram ferimentos graves, para tentarem salvar os seus animais domésticos, de estimação ou de criação”, devendo, por isso, “assegurar previamente que os animais dispõem de condições de segurança nos seus estábulos ou recintos de abrigo”.

No documento, o Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais recomenda aos portugueses para que evitem permanecer ou passar – mesmo que seja numa viatura – junto ou por cima de encostas ou desfiladeiros, com fogo e vegetação por baixo, e para que não estejam sozinhos em caso de incêndio.

Segundo o relatório, 86% das mortes foram causadas diretamente pelo fumo ou pelo fogo, existindo ainda sete pessoas (14%) que morreram devido ao incêndio, mas indiretamente, em consequência de doença ou de acidente.

Quase todas as vítimas (84%) morreram no próprio dia do acidente, tendo oito delas morrido no hospital.

Evacuação

As autoridades também devem evitar evacuações gerais de aldeias em caso de fogo, considerando que devem “ponderar bem” esta decisão.

“A prática, que tem sido implementada pelas autoridades, de ordenar evacuações maciças de aldeias e lugares ameaçados, embora possa ser justificável numa perspectiva de salvaguarda de vidas, pode ser errada se não estiver bem planejada e não for executada com muita antecedência”, considera o Centro de Estudos.

Em caso de incêndio, as autoridades devem “ponderar bem a decisão de mandar evacuar uma localidade, um edifício ou mesmo uma casa” e ao “fazê-lo devem tomar as medidas necessárias para que as pessoas envolvidas o possam fazer com tempo e em segurança”.

“Uma evacuação não pode ser uma fuga”, sustenta o relatório, recomendando que se evitem “as evacuações gerais” e que forcem todas as pessoas a retirar-se.

A equipe do investigador Xavier Viegas indica que, na larga maioria dos casos, existem nas localidades pessoas com aptidão física e com recursos para permanecer e defender o que é seu.

“As ações de evacuação devem ser secundarizadas face à concentração de pessoas num local apropriado, no entanto, caso a evacuação em segurança seja a opção mais favorável, deve haver uma reflexão sobre a possibilidade de permanência de pessoas nas povoações, assegurando a proteção de bens, tanto no que respeita à ameaça do fogo, como no âmbito de segurança contra furtos ou outras ações humanas”, sustenta o relatório.

Assim, os investigadores da Universidade de Coimbra consideram que as comunidades deveriam constituir um grupo de pessoas com agilidade física e mental que fossem treinadas para este fim, assegurando simultaneamente condições que garantam a segurança destes elementos.

O incêndio de 15 de outubro de 2017 afetou sobretudo a região Centro de Portugal e provocou 51 mortos, quatro meses depois um outro fogo de grandes dimensões em Pedrógão Grande em que morreram 66 pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend