Brasil autoriza operação da primeira empresa aérea low cost no país

Da Redação
Com agencias

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) publicou nesta quarta-feira no Diário Oficial da União a autorização para o funcionamento da empresa aérea Norwegian Air em voos regulares no Brasil.

A empresa é terceira maior entre as de baixo custo que operam no continente europeu, conhecidas como low cost. De acordo com o despacho da Anac, a Norwegian vai operar em território nacional como empresa de serviço de transporte aéreo internacional regular de passageiro, carga e mala postal.

A autorização tem efeito imediato. Esta é a primeira empresa com este perfil autorizada a operar voos regulares no Brasil, informou a EBC.

A expectativa é que a empresa comece a operar voos internacionais entre Brasil e Europa a partir de janeiro de 2019.

Também há a possibilidade de a empresa pedir a liberação de voos entre Brasil e Argentina, onde a Norwegian já opera atualmente.

Representantes do Ministério do Turismo têm mantido contado com a cúpula da empresa desde fevereiro para ajudar na interlocução com a Anac. “A operação da Norwegian Air representa um importante passo na internacionalização do turismo brasileiro. Em um país de dimensões continentais como o Brasil, o transporte aéreo ganha ainda mais relevância. Por isso, é fundamental que o Congresso Nacional ajude na modernização das regras do setor”, comentou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

Está em tramitação no Congresso Nacional projeto lei que permite o aumento da participação do capital estrangeiros nas companhias aéreas nacionais. Na avaliação do Ministério do Turismo, a medida aumenta a competitividade do turismo nacional na medida em que permite a ampliação da oferta e a consequente redução do custo de passagens.

Recentemente a Anac regulamentou os voos de férias, com fretamento de aviões, e a Presidência da República sancionou o Céus Abertos com os EUA. As empresas aéreas que operam entre o Brasil e EUA, não têm mais limites de rotas. “São medidas que aumentam a conectividade e competitividade do turismo brasileiro. Temos de estimular a vinda de mais empresas de passagens de baixo custo”, comentou Lummetz.

Enquanto presidente da Embratur, o ministro iniciou as tratativas com a Norwegian. Em março, o presidente da companhia no Reino Unido, Bjorn Kjos, acompanhado do vice-presidente de Relações Institucionais, Matthew Hazelwood, reuniu-se com o secretário-executivo do MTur, Alberto Alves, que se colocou à disposição para ajudar na interlocução com a Anac, segundo a pasta.

Há diversos exemplos espalhados pelo mundo da importância das low costs para movimentar os destinos. Estudo realizado pelo mestre em engenharia civil pela Universidade de Porto, em Portugal, Ricardo Sanches do Valle Garcia Lourenço, mostra que apesar de terem se desenvolvido tardiamente no mercado português, as companhias aéreas de passagens de baixo custo assumiram um papel fundamental para o mercado turístico do país e já em 2008 eram responsáveis pelo transporte de um em cada três viajantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend