Governo: Taxa de desemprego mostra que “Portugal deu a volta”

Para o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, estes dados provisórios devem ser vistos como “um sinal de esperança e confiança para muitos portugueses que ainda estão numa situação de desemprego”. A oposição defende que as estatísticas oficiais do desemprego “não traduzem toda a realidade”, se for contar por exemplo a emigração,

Fortaleza em parceria com empresa angolana liga continentes por cabos submarinos

A parceria da Prefeitura com a empresa Angola Cables resultará na instalação de uma estação de cabos submarinos de fibra óptica e um DataCenter de porte internacional (Data Center tipo Tier 3), o primeiro deste porte nas regiões Norte/Nordeste do País. Com essa estrutura, Fortaleza passará a ter condições de exportar conteúdos digitais brasileiros para a América do Norte e, futuramente, para a África (Luanda).

Privatizações já permitem chegar aos 10bi Euros para Portugal, diz governo

As várias privatizações em curso em Portugal permitem ao Estado ganhar 10,1 mil milhões de euros, segundo declarou o secretário de Estado dos Transportes, no Parlamento português. A oposição vem criticando cada uma das privatizações realizadas, como o secretário-geral do PCP, que classificou de “negociatas” prejudiciais ao país.

Aprovada concessão do Oceanário de Lisboa à sociedade dona do Pingo Doce

Conselho de Ministros aprovou em 02 de julho a concessão do Oceanário de Lisboa à Sociedade Francisco Manuel dos Santos, do grupo Jerónimo Martins, que apresentou uma proposta de “mérito inquestionável” com um encaixe financeiro de 114 milhões de euros. O grupo é dono dos supermercados Pingo Doce, e passa a gerir o espaço por um período de 30 anos.

Governo “de consciência tranquila” com privatização da REN e da EDP

No relatório de auditoria dos processos de (re)privatização do setor elétrico, o Tribunal de Contas frisa que, não obstante o decreto de privatização da EDP e da REN e o acordo de venda e de parceria estratégica conterem referências à salvaguarda do interesse nacional, “não foi prevista qualquer cláusula de penalização para o seu incumprimento”.