Portugal propõe parceria estratégica com o Brasil

O vice-presidente brasileiro, Michel Temer, recebeu em 22 de maio o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, em Brasília, que propôs uma parceria estratégica na área econômica e de negócios entre os dois países. Apesar dos impactos da crise econômica internacional na Europa, o ministro acredita que Portugal vai retomar o crescimento num futuro próximo. “Não há como sair da crise sem desenvolvimento econômico”, disse Portas ao vice-presidente.

Portugal e Brasil assinam acordo para criação de rede empresarial lusófona

Da parte portuguesa, o protocolo foi assinado em 23 de abril pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Econômico e para a Cooperação (Elo) e pela Associação Industrial Portuguesa, enquanto do lado brasileiro a formalização foi feita pela Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil.

Brasil facilita exportações de fruta portuguesa

Este poderá ser um passo importante para a economia portuguesa, tendo em conta que a venda de fruta para o exterior já atingiu os 40 milhões de euros, valor que supera os 29 milhões de euros na comercialização internacional de vinho.

Troika: Governo português precisa solucionar buraco orçamentário

Os técnicos da Troika – formada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central Europeu (BCE) e pela Comissão Europeia (CE) – estiveram na sede do Ministério das Finanças em Lisboa para saber que medidas o governo vai tomar para cobrir 1,326 bilhão de euros de gastos não previstos no Orçamento do Estado 2013, considerado parcialmente ilegal pelo Tribunal Constitucional.

PIB de Portugal cai 3,2%, o segundo pior resultado desde a Revolução dos Cravos

Conforme a série estatística sobre o PIB, os indicadores anual e trimestral de Portugal desde a Revolução dos Cravos, em 1974, só estiveram pior em 1975, quando o PIB caiu 5,1%, e no 1º trimestre de 2009, que registrou queda de 4,1%, no esteio da crise financeira internacional que teve o auge em setembro de 2008.

FMI confirma previsões de recessão profunda em 2013

O governo também anunciou que o corte de 4 bilhões de euros nas despesas do Estado, que inicialmente seria feito em dois anos (2013 e 2014), irá até 2015. Neste ano, o governo promete economizar 500 milhões de euros com o enxugamento de despesas administrativas e o programa de rescisões por mútuo acordo, a ser negociado com sindicatos, o que pode elevar as despesas públicas por causa do pagamento de indenizações.

Estado português vende BPN Cabo Verde por 30 milhões de euros

O Governo português acordou a venda da filial cabo-verdiana do Banco Português de Negócios (BPN) por 30 milhões de euros, tendo a aquisição, por parte do angolano BIC, sido assinada em 12 de março, segundo informou o Ministério das Finanças.

Remessas de emigrantes atingem valor mais alto da última década

Os dados mostram também aumento relevante de remessas de alguns países que tradicionalmente não são destino de emigração, como a Itália ou Holanda, e dos países de expressão portuguesa, sobretudo Angola. Mais de metade das remessas continua a chegar de emigrantes em países da União Europeia, cerca de 1,51 bilhões de euros, e deste valor mais de metade chega por sua vez de França, com 846,1 milhões de euros.

Medidas de ajustamento fiscal pioram o quadro social em Portugal, diz BdP

Passado o primeiro mês de entrada em vigor do Orçamento do Estado (OE 2013), em Portugal (que incluiu aumento generalizado de impostos e redução das aposentadorias e do seguro desemprego), a constatação nas ruas e nos gabinetes dos economistas de perfil não monetarista é de que as medidas de ajustamento fiscal (para equilíbrio entre receita e despesa do Estado) estão agravando o quadro social do país e diminuindo ainda mais a atividade econômica.

Médicos de quatro países criticam medidas econômicas da Troika

O documento avalia que o receituário da troika, de contenção de despesa e diminuição de investimento público, “têm importância crítica no campo da economia e dos sistemas de proteção social” mas não há “avaliações objetivas do impacto na saúde”; conforme prescrevem acordos e declarações seguidas pelos países membros da União Europeia.

Confea nega impedimento para atuação de engenheiros portugueses no Brasil

A Ordem dos Engenheiros de Portugal (OE) criticou entidades do Brasil de não estarem cumprindo acordos que facilitam a atuação de engenheiros civis portugueses no mercado de trabalho brasileiro. A parceria prevê que os conselhos regionais de engenharia podem conceder registro provisório aos engenheiros portugueses registrados na OE, quando tiverem trabalhando no país. A recíproca vale para os profissionais brasileiros que forem a Portugal.

Reconhecimento de títulos de engenheiros portugueses no Brasil é tema em seminário

A dificuldade enfrentada pelos engenheiros portugueses para o exercício da profissão no Brasil foi destacada no último dia 3 na abertura do Seminário Diplomático pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Paulo Portas, na capital portuguesa. Segundo ele, “não há nenhuma razão para que os engenheiros portugueses não possam assinar seus projetos, ainda mais em um país irmão como o Brasil”.