No Alentejo, Festas do Povo de Campo Maior adiadas para 2021

Da Redação
Com Lusa

As tradicionais Festas do Povo de Campo Maior (Portalegre), que fazem “florir” a vila com flores de papel, foram adiadas para 2021 na sequência da pandemia de covid-19, disse fonte da organização.

De tradição secular e realizadas pela última vez em 2015, as festas estavam agendadas para este ano, entre os dias 29 de agosto a 06 de setembro.

“Nós decidimos adiar as festas para 2021, com data ainda por definir”, disse a presidente da Associação das Festas do Povo de Campo Maior, Vanda Portela.

A decisão de adiar o evento, que tem como principal atrativo apresentar aos visitantes dezenas de ruas “engalanadas” com flores de papel, foi tomada em parceria com o município.

“Nós decidimos adiar porque a parte logística das festas está comprometida. A essência das festas era o começar agora, com as pessoas a recolher os materiais para fazer as flores, mas como não é possível os ajuntamentos, nós o que fizemos foi parar”, explicou.

Em comunicado, a Câmara de Campo Maior sublinha que esta não foi uma decisão tomada de “ânimo leve”, mas “valores mais altos se levantam” perante a situação que se vive devido ao surto.

A preparação dos festejos é feita rua a rua, sendo que o trabalho desenvolvido em cada uma delas fica em segredo, mesmo para amigos e familiares dos moradores, e só é dado a conhecer na noite da enramação (quando são decoradas).

Em 2015, perto de 7.500 voluntários prepararam a última edição das Festas do Povo, na qual participaram 99 ruas, numa extensão de cerca de 10 quilômetros.

As Festas do Povo de Campo Maior passaram, em dezembro de 2018, a estar inscritas no Inventário Nacional do Patrimônio Cultural Imaterial, estando ainda em curso a sua candidatura a Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

O presidente da Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva, disse à Lusa no início deste mês que as Festas do Povo de Campo Maior vão ser “a candidatura portuguesa em 2021”.

O processo está entregue na UNESCO, “em Paris”, França, e “será a candidatura portuguesa em 2021”, adiantou o responsável da Entidade Regional de Turismo.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Em Portugal, há 60 mortes, segundo o balanço da Direção-Geral da Saúde, país encontra-se em estado de emergência até 02 de abril.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: