Portugal vai aprovar “plano de contingência” para pessoas e empresas no Reino Unido

Da Redação
Com Lusa

Segundo o ministro do Planejamento, o Governo português aprova esta semana um plano de contingência para empresas e cidadãos portugueses no Reino Unido, após chumbado o acordo para o ‘Brexit’, realçando a preocupação com a situação de incerteza.

“O que queremos assegurar aos portugueses é que preparamos, aprovaremos esta semana em Conselho [de Ministros] um plano de contingência associado à situação das pessoas que estão no Reino Unido ou das próprias empresas que têm relações econômicas com o Reino Unido”, disse Pedro Marques, em Vila Nova de Famalicão, à margem da assinatura de um protocolo para a construção de um terminal rodoferroviário.

Segundo o governante, “as instituições europeias têm vindo a preparar-se e o Estado português também no caso desta saída sem acordo poder eventualmente acontecer”.

Pedro Marques explicou que a “preocupação é com a situação de incerteza” que o chumbo ao acordo representa.

“Pedimos ao governo britânico que apresente as opções, as suas ideias para o avançar desta situação porque o que queremos, de facto, é a estabilidade, a previsibilidade para cidadãos e empresas e não esta situação de incerteza”, disse.

O parlamento britânico reprovou na terça-feira à noite de forma expressiva o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia negociado pelo Governo da primeira-ministra, Theresa May, com Bruxelas, com 432 votos contra e 202 a favor.

Após ser conhecida a derrota do Governo conservador de Theresa May, o líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, apresentou na câmara baixa do Parlamento uma moção de censura contra o executivo que será debatida e votada na quarta-feira e que, a ser aprovada, poderá desencadear a convocação de eleições legislativas antecipadas.

Para ser bem-sucedida, uma moção de censura precisa de pelo menos 320 votos a favor, mas a oposição ocupa apenas 308 lugares dos 650 da Câmara dos Comuns, pelo que terá de conseguir o apoio de outros deputados.

Com o chumbo, a dois meses e meio da data [29 de março] prevista para a saída, já esperado por políticos, imprensa e analistas, o processo fica com um futuro incerto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend