Entrevista: Viagens permitem conhecer problemas da diáspora

Em entrevista o deputado José Cesário, ex-Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, descreve a comunidade do Brasil, e diz que reestruturação consular é "extremamente negativa" em certos casos.

Por Odair SeneMundo Lusíada

Mundo Lusíada

>> Deputado José Cesário, em almoço na sede do Banco Banif em São Paulo

Em resultado desta viagem à São Paulo, levará um assunto referente ao apoio que “não veio” do governo luso para a Provedoria da Comunidade Portuguesa de São Paulo. Além da busca por um “relato fiel da realidade”, Cesário aproveita os deslocamentos para outras ações como a relação política entre órgãos do Estado de acolhimento, e com empresas e associações.

Após visitar São Paulo, o deputado seguiu para a capital Buenos Aires para manter contato do “mais alto nível” com o governo argentino, e também na qualidade de presidente do Grupo Parlamentar da Amizade Portugal-Argentina. A agenda previa ainda Montevidéu, no Uruguai. No Brasil, o deputado participou da sessão solene na Assembléia Legislativa de SP, e ainda esteve com a comunidade de Santos, e participou da festa de aniversário da Casa de Portugal da Praia Grande.

Confira a entrevista ao Mundo Lusíada, onde o deputado relata as principais questões sobre a comunidade luso-brasileira.

Visita a São Paulo“Esta visita insere-se no programa de visitas que normalmente realizo junto das diversas comunidades portuguesas no Círculo Fora Europa. Desta vez vim a São Paulo e procuro com essas visitas acompanhar os problemas que vão existindo nesta ou aquela comunidade, que, embora pareçam todos iguais, não são”.

Problemas da diáspora no Parlamento“Temos que identificar questões principais e depois na Assembléia termos iniciativas sobre ponto de vista legislativo que respondam esses problemas. (…)Por outro lado temos que desenvolver a função fiscalizadora da função do governo. E por isso, nessas deslocações também procuro ver problemas com que portugueses se confrontam na relação com os órgãos da nossa admnistração pública. Ao chegar em Portugal, confronto o governo com estes problemas”.

A comunidade no Brasil: tradicional, descendente e de negócios“Temos uma comunidade constituída por portugueses que vieram há mais de 30 anos, alguns casos há 50 ou 60 anos, que tem suas empresas e outros que passam por dificuldades. Temos os filhos deles, querendo ou não, são portugueses que nasceram no Brasil, normalmente detentores de dupla nacionalidade, muitos deles ainda não pediram a nacionalidade portuguesa mas tem um perfil completamente diferente. Em regra, não vão às associações, são de caráter regionalista. Temos portugueses que vieram nos últimos 5/6 anos e há dois tipos. Há a comunidade de negócios que está radicada em São Paulo, constituído por empresários, funcionários de empresas, que tem uma vida muito própria, alguns interagindo com a comunidade tradicional. E temos muitos outros que estão localizados no estado do Nordeste sobretudo em Rio Grande do Norte, Ceará, pessoas que estão a abrir pequenos negócios. Isso são realidades diferenciadas e que tem seus problemas. Os homens de negócio são essenciais por exemplo para desenvolvimento da nossa diplomacia econômica e até cultural. A comunidade mais tradicional é muito importante para afirmação da nossa alma lusitana, nossa cultura portuguesa aqui no Brasil. Independentemente da mesma língua, há especificidades culturais que devemos afirmar de forma a complementar a cultura brasileira”.

Reestruturação e Consulado de Santos“O atual governo tomou um conjunto de decisões em relação a rede consular que, não a alguns casos, são extremamente negativas quer a Portugal quer aos portugueses que aqui estão. Um caso concreto é extinção do Consulado em Santos, aliás já disse em Santos e vou lá repetir, é uma questão que vou defender sempre, a reabertura daquela estrutura como Consulado ou como vice-Consulado. Não acho aceitável para uma comunidade daquele por um lado, e por outro, é bom não esquecer que Santos está a ter uma atividade econômica neste momento extremamente assinalada, as últimas descobertas de petróleo na Bacia de Santos estão a implicar já um aumento do valor do próprio patrimônio imobiliário, isto vai implicar a fixação de portugueses, e portanto acho que deveria ter ali uma estrutura consular. Isto é válido para outras zonas do Brasil, também me parece errado anunciar o fecho de Consulados como Curitiba, uma das zonas economicamente mais dinâmicas do Brasil, em Recife, e Belém do Pará, onde temos uma presença significativa”.O deputado do PSD, o português José Cesário, esteve em São Paulo durante uma rápida passagem pelo Brasil. Em entrevista ao Mundo Lusíada, Cesário disse que as constantes viagens às comunidades portuguesas no mundo se traduzem num maior conhecimento dos problemas enfrentados pelos imigrantes. Citou por exemplo questões que se transformaram em projetos de lei em matérias como a extensão da nacionalidade para netos de portugueses, e lamentou não poder ouvir os mais necessitados que estão distantes das associações ou não se aproximam da política.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend