Além mar: um vinho brasileiro com descendência lusitana

Da Redação

Antônio Saramago nasceu em 1948 na Vila Nogueira de Azeitão, em Portugal. Eleito enólogo do ano em 2008 e melhor enólogo português em 2011, dedica sua vida ao vinho há mais de cinco décadas. Além dos inúmeros prêmios, é conhecido por “sua aparente simplicidade que esconde o enorme talento e correspondente conhecimento, que transfere integralmente aos vinhos que produz”, segundo a revista Wine Style.

Saramago internacionalizou sua carreira em 2009 ao aceitar o convite da vinícola Villaggio Grando para desenvolver um rótulo especial com cortes de cabernet franc, merlot e malbec, plantadas nos campos de altitude em Água Doce, Santa Catarina, onde fica um deslumbrante terroir.

As uvas são cultivadas a 1.300 metros de altitude num planalto conhecido por suas características ímpares de solo e clima, com o inverno rigoroso e estações bem definidas, próprios para o desenvolvimento de cachos de maturação lenta proporcionando colheitas tardias – apenas no mês de abril – que resultam em uvas de características únicas.

Assim nasceu o Além Mar, um tinto de coloração profunda, rubi, intenso e brilhante que traz aromas concentrados, lembrando frutos vermelhos, notas de menta e especiarias. Nota-se o casamento com o carvalho francês de 1º e 2º uso com notas tostadas, lembrando o café, caixa de charutos e termina com delicadeza lembrando floral. “É um vinho cheio, untuoso, envolvente com uma acidez equilibrada”, diz o sommelier e diretor da Villaggio Grando, Guilherme Grando. Além Mar é encorpado com taninos firmes, mas elegantes. Com enorme complexidade de sabores, o vinho termina num “grand finale” com persistência, concentração e uma enorme vontade de beber um novo gole.

Harmoniza perfeitamente com massas, carnes de caça, faisão, perdiz, coelho, carnes vermelhas e queijos maturados. É um vinho que pode descansar tranquilamente na garrafa por alguns anos, mas que também pode ser degustado já em 18º. Nesse caso, o uso do decanter pode ser necessário para deixá-lo respirar por 30 minutos, em média.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend