SUPERLIGA 2006/2007

20/NOV/06

 

Superliga 2006/2007

 

Por Emídio Tavares  

 

Teve inicio nesta sexta-feira, com a estréia do técnico Carlos Carvalhal no comando do Beira-Mar, a 10a jornada da superliga portuguesa de futebol, com o empate por um gol entre Beira-Mar e V.Setúbal.

O time de Aveiro dominou a maior parte do jogo, mas só abriu o placar aos 73 minutos, quando Ratinho, ao receber um passe de cabeça do atacante Jardel (que só entrou na etapa complementar), também de cabeça, fez o gol. Mas a desatenção da zaga dos donos da casa permitiu o empate aos sadinos, aos 84 minutos, através do gol de Varela. No sábado, jogando no estádio dos Dragões, o Porto enfrentou a Acadêmica de Coimbra, que com 10 pontos no campeonato, entrou tentando de todas as formas conseguir pelo menos um empate; ficando para isso retrancada durante toda a primeira etapa; tanto que a primeira grande jogada de perigo dos dragões só aconteceu por volta dos 25 minutos, quando Postiga mandou uma bola na trave de Pedro Roma, destaque da partida pelas excelentes defesas.

Mas, logo aos 4 minutos da etapa complementar, os donos da casa conseguiram furar o bloqueio dos “acadêmicos”, abrindo o placar através de tabela entre Quaresma e Postiga, com a conclusão de cabeça deste ultimo.

Com o gol, o Porto passou a dominar amplamente a partida, mas sem muita objetividade; e quando todos pensavam que o placar final seria o magro 1×0, a Acadêmica conseguiu o empate, numa jogada em que Nestor passou de vencida por Pepe, aos 31 minutos, e tocou para o fundo das redes de Helton.

Sofrido o gol de empate, a equipe das Antas foi pressão total ate o ultimo minuto da partida; conseguindo, aos 38 minutos, o gol da vitória, numa cabeçada de Pepe, após cruzamento de Quaresma.

Com mais esta vitória, o Porto segue líder isolado da competição com 25 pontos. Pouco depois, jogando em Braga, tal como o Porto, a equipe encarnada do Benfica só acordou para o jogo aos 25 minutos, porém, antes disso, logo aos 7 minutos da partida, o goleiro Quim contribuiu de forma fundamental para que o Braga tomasse o jogo para si, repondo nos pés do adversário uma bola que resultou no gol bracarense, do meio da rua, logo no “abrir das cortinas”, por intermédio de Zé Carlos, que ainda quase marca mais duas vezes (aos 22 e 23 minutos).

Com o gol, o time de Braga acuou o Benfica ate aos 25 minutos, quando então os encarnados resolveram sair para o jogo; chegando ao empate aos 30 minutos, no lance em que após um cruzamento para a área o goleiro Paulo Santos, que aparentemente tinha a bola dominada, deixou a escapar, para a conclusão de Ricardo Rocha. Alguns minutos depois, Nuno Gomes, na cara do gol, cabeceou para fora, sozinho, desperdiçando gol certo.

Mas o Braga não deixou o Benfica pegar gosto pela partida e chegou ao 2×1, numa falha grotesca de Nelson que perdeu a bola no meio de campo ao tentar fazer finta num adversário, armando um rápido contra-ataque que deixou Maciel frente a frente com Quim, para a conclusão fatal.

Para a segunda etapa, tentando melhorar o seu poderio ofensivo, Fernando Santos trocou Katsouranis por Karagounis; o que ate resultou num domínio maior de jogo por parte dos encarnados, que passaram a comandar o meio-campo, mas sem muita objetividade no ataque. A 10 minutos do final, mais uma vez o ataque do Benfica desperdiçou gol certo, com Simão cabeceando para fora, na “cara” do gol.

O Braga, que estreava o técnico Rogério Gonçalves (ex- Naval), tocava a bola, jogando bem fechado e explorando os contra-ataques. E num destes, deu números finais ao placar, ao fazer o 3×1, quando Paulo Jorge subiu mais alto que a zaga da Luz e cabeceou para o fundo das redes de Quim, aos 37 minutos.

Ao final da partida, treinador e presidente encarnados, teceram severas criticas aos seus jogadores. No domingo. Paços de Ferreira e Naval empataram por 1 gol, enquanto o D.Aves venceu o Nacional da Madeira por 3×1. No penúltimo jogo do domingo, jogando na Madeira e sem contar com Ricardo, que ficou no banco por sentir uma lesão na parte posterior da coxa, o Sporting venceu o Marítimo por 1×0, num jogo equilibrado por quase todos os 90 minutos e que teve como destaque o goleiro dos juniores Rui Patrício, defensor de uma penalidade máxima assinalada de maneira duvidosa aos 29 minutos do segundo tempo, quando o Sporting já vencia por 1×0, gol assinalado aos 18 minutos do segundo tempo por Tello, que teve grande colaboração do goleiro Marcos, falhando grotescamente no lance. Com a vitória o Sporting continua na segunda colocação do campeonato, com 23 pontos. No último jogo do domingo, o Boavista, mesmo pressionado, conseguiu arrancar importante empate sem abertura de contagem em Leira, frente ao União local (terceiro colocado no campeonato, agora com 17 pontos). A 10a jornada encerra-se nesta segunda-feira com o jogo entre E.Amadora e Belenenses.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: