Manchester City foi banido da Champions League por duas temporadas

Da Redação
Com Lusa

O campeão inglês de futebol Manchester City foi banido por duas épocas das competições europeias devido ao incumprimento de regras do ‘fair play’ financeiro, anunciou nesta sexta-feira a Câmara Adjudicatória do Órgão de Controle Financeiro (CFCB) da UEFA.

Em comunicado, a UEFA explica que o processo concluiu que existiram, da parte do clube inglês representado pelos portugueses João Cancelo e Bernardo Silva, “quebras significativas” das leis do ‘fair play’ financeiro estabelecidas pelo organismo de cúpula do futebol europeu, nomeadamente através da sobrevalorização das receitas de patrocínios entre 2012 e 2016, pelo que ficarão de fora das competições europeias para que se apurarem em 2020/21 e 2021/22, além do pagamento de uma multa de 30 milhões de euros.

A decisão, hoje emitida pela Câmara Adjudicatória do CFCB, órgão presidido pelo jurista português José da Cunha Rodrigues, é passível de recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

A investigação arrancou de forma oficial em março de 2019 e teve por base uma série de documentos publicados pelo Football Leaks, do português Rui Pinto, detido em Portugal e a aguardar julgamento, divulgados pela revista alemã Der Spiegel em novembro de 2018.

Entre os documentos e correspondência eletrônica estavam provas de como o dono dos ‘citizens’, Mansour Bin Zayed Al Nahyan, da família no poder em Abu Dhabi, financiava grande parte do acordo anual de patrocínio com a companhia aérea Etihad.

Segundo um dos ‘emails’, apenas oito milhões viriam diretamente da Etihad na temporada de 2015/16, uma das abrangidas pela investigação, com o resto a chegar do Abu Dhabi United Group, a empresa que detém o City, o que constitui uma forma de ‘fugir’ às regras implementadas sobre o máximo que um dono pode investir na equipa, camuflando-as de receitas com patrocínios.

As leis de ‘fair play’ financeiro foram introduzidas pela UEFA em 2011 para restringir os gastos com salários de jogadores e a quantidade de dinheiro que os donos dos clubes europeus podem investir para esconder as despesas e gastos, impedindo os emblemas de registrar despesas demasiado elevadas para as receitas que registarem.

Este é o segundo processo de ‘fair play’ financeiro a envolver os bicampeões ingleses, que em 2014 foram multados em 60 milhões de euros.

Recorrer

O Manchester City manifestou hoje “desilusão” pela suspensão e anunciou que vai recorrer da decisão para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), de forma a ter “um julgamento imparcial”.

“O Manchester City está desiludido, mas não surpreendido com a decisão da Câmara Adjudicatória do Órgão de Controlo Financeiro (CFCB) da UEFA. O clube soube, desde o início, da necessidade de procurar um órgão independente que julgasse imparcialmente as provas irrefutáveis a seu favor”, escreveram os ‘citizens’, em comunicado divulgado no site oficial.

O campeão inglês critica o facto de, “em dezembro de 2018, o responsável pela investigação da UEFA ter antecipado, publicamente, o resultado deste processo e a sanção a aplicar ao Manchester City, antes mesmo de se ter iniciado qualquer investigação”.

“Este caso foi iniciado, conduzido e julgado pela UEFA”, acusou o emblema da ‘Premier League’, anunciando o próximo passo a tomar: “O clube vai procurar obter um julgamento imparcial o mais rápido possível e, nesse sentido, vai recorrer para o TAS.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend