Clubes lusos ameaçam parar campeonatos profissionais e de formação

Da redação
Com Lusa

Os clubes ameaçaram, em Coimbra, parar os campeonatos profissionais e de formação, caso o governo não atenda as suas pretensões em relação a um novo modelo do futebol profissional, disse Carlos Pereira, presidente da SAD do Marítimo.

“Pensamos todos que o futebol português tem de ser ouvido e de uma forma séria e célere, ou então podemos correr o risco de parar os campeonatos se estas nossas pretensões não forem ouvidas”, disse Carlos Pereira, porta-voz dos clubes, no final da IV Cimeira de presidentes da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, referindo-se à “violência, às apostas, aos seguros e aquilo que é o modelo de governação” que os clubes pretendem.

Entre as propostas já apresentadas ao secretário de Estado do Desporto, as sociedades anônimas desportivas e os clubes pretendem “um novo modelo que possa contemplar todas as vertentes” do futebol profissional no quadro das apostas desportivas.

Sobre a lei do seguro de acidentes de trabalho, foi proposta a criação de um grupo de trabalho com vista a encontrar “uma solução que permita reduzir os elevados prêmios cobrados pelas seguradoras” sobre seguros de praticantes desportivos.

A Liga pretende também “uma reflexão sobre a centralização dos direitos televisivos”, além da “colaboração conjunta” no que toca à lei da prevenção da violência.

Estes foram alguns dos assuntos discutidos na cimeira de hoje, que decorreu em Coimbra, e que Carlos Pereira considerou que o grupo – representado por 26 das 32 sociedades anônimas desportivas – “sai fortalecido”.

“Não podemos andar aqui sempre e pensar que o amanhã é muito longo. Queremos que o amanhã seja mesmo um amanhã e que as propostas sejam ouvidas e satisfeitas em prol daquilo que pagamos ao longo do ano”, adiantou o presidente do Marítimo.

Este dirigente acrescentou ainda que os clubes garantem “muitos e muitos postos de trabalho”.

“Se calhar, somos a única indústria do país mais fiscalizada e que, com certeza, mais paga para o Orçamento do Estado. Queremos que este retorno também seja reconhecido”, afirmou.

Carlos Pereira sublinhou que as preocupações dos clubes têm de ser atendidas “o mais rápido possível”.

“A violência é um prejuízo que causa ao futebol português e é uma [má] imagem que causa ao país e que nós temos dado muitos contributos, mas que na prática não têm sido exequíveis. O Estado tem demorado muito a resolver esses problemas e depois eles vão-se agravando. O que não queremos é que se vão agravando, porque nós também pagamos muito para isso. Queremos celeridade nos processos e que eles sejam resolvidos e não adiados”, afirmou ainda o dirigente.

O presidente do Marítimo insistiu: “É possível que se estas causas não forem ouvidas que nós pensemos seriamente em parar os campeonatos profissionais e de formação, porque os clubes e as SADs não são só futebol profissional.”

Segundo o dirigente, os clubes “não se reveem na forma como o futebol português anda a ser tratado”.

Por isso, “a curto prazo, se isto não for uma preocupação governamental, será uma preocupação dos clubes, que transmitirão à opinião pública aquilo que são as suas reivindicações e que não têm sido aceites” [pelo governo].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend