Venda de imóveis a não residentes aumentou 25% em 2017 na Madeira

Da Redação
Com Lusa

A aquisição de imóveis por não residentes no arquipélago da Madeira aumentou 25% em 2017, ano em que foram vendidos 476 prédios, atingindo um total de 60 milhões de euros, indicou o diretor regional de Estatística, Paulo Vieira.

“Isto mostra que é um segmento em crescimento”, referiu, sublinhando que em termos de valor o aumento foi de 55% face a 2016.

Os dados foram divulgados durante o II Colóquio de Estatística Regional, que decorre no Funchal, com a presença de representantes das duas autoridades estatísticas nacionais – Instituto Nacional de Estatística e Banco de Portugal – bem como dos Açores, Canárias e da Comissão Europeia.

Os principais compradores não residentes de imóveis na Madeira são oriundos da Alemanha e do Reino Unido, que são também os maiores mercados turísticos da região autônoma.

“Outro dado que ressalta é a perda de capacidade de compra dos residentes na Venezuela, que em 2012 e 2013 lideravam a lista, mas que em 2017 nem surgem no ‘top’ cinco”, indicou Paulo Vieira, explicando que o facto está ligado à crise social e econômica que atravessa aquele país, onde vive uma das maiores comunidades de emigrantes madeirenses.

O estudo sobre “Aquisições de imóveis na Região Autônoma da Madeira por não residentes” revela ainda que foram vendidas 14 casas por um valor superior a 500 mil euros.

“Isto está relacionado com os ‘vistos Gold’ e é algo em crescimento na região autônoma”, disse Paulo Vieira, sem, contudo, indicar a nacionalidade dos compradores.

O Colóquio de Estatística Regional apresentou também estudos sobre o setor agroalimentar e a indústria extrativa no arquipélago, que representam 6,8% e 0,07% em termos de valor acrescentado bruto.

O setor agroalimentar emprega 22 mil pessoas – 18,3% do emprego na região – apenas ao nível da indústria alimentar e de bebidas e comércio por grosso e a retalho de produtos alimentares e bebidas.

A indústria de extração de inertes é, por outro lado, um setor em queda desde o período do Plano de Ajustamento Econômico e Financeiro (PAEF-2012/2015).

“O número de empresas passou de 27 para apenas 15 entre 2008 e 2017 e isso naturalmente tem a ver com o fato de a construção ter perdido importância nos anos do PAEF e também depois da crise financeira internacional”, disse Paulo Vieira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend