Português recebe prêmio de melhor doutorado do mundo em empreendedorismo

Da Redação

Universidade do Porto. Divulgação
Universidade do Porto. Divulgação

Um pesquisador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) do Porto foi o primeiro português a receber o prêmio de melhor tese de doutoramento do mundo na área do empreendedorismo.

Em comunicado, o INESC TEC divulgou que Sérgio Costa, também professor auxiliar convidado na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), recebeu na segunda-feira, em Vancouver, no Canadá, o Heizer Best Dissertation Award da Entrepreneurship Division da Academy of Management, “considerado o prêmio mundial mais importante na área de empreendedorismo”.

O investigador foi premiado com uma tese desenvolvida na Universidade de Strathclyde, no Reino Unido, e pretende dar continuidade ao trabalho no INESC TEC, onde está já a ser desenvolvida “uma base de dados com a população de todas as spin-offs universitárias portuguesas”.

Citado pelo comunicado do INESC TEC, Sérgio Costa esclarece que o objetivo da tese, intitulada “Business Model Change in Early-Stage University Spin-offs”, era “abrir o debate” sobre “como mudam os modelos de negócio”, tendo encontrado pistas que levam a crer que as empresas com elevado conhecimento de gestão e em empreendedorismo têm melhores resultados.

“A minha tese sugere que empresas cujas equipes fundadoras detenham um elevado conhecimento de gestão e de mercado e possuam elevada experiência em empreendedorismo apresentam, em geral, menos alterações ao modelo de negócio e uma performance superior”, refere o cientista.

Neste trabalho, o também investigador visitante na Universidade de Gent (Bélgica), “introduziu, pela primeira vez nesta área relações entre a frequência com que o modelo de negócio é alterado e certas variáveis, tais como o grau de envolvimento dos empreendedores, o conhecimento de mercado, de gestão e de arranque de novas empresas”.

De acordo com Sérgio Costa, “empresas com elevada performance tendem a interagir mais cedo, mesmo antes da sua constituição, e mais intensivamente com vários stakeholders”, bem como “a estabelecer mais parcerias e com um espetro mais alargado de atores (privados e públicos), no sentido de acederem a mais recursos”.

“As proposições desenvolvidas neste estudo podem também ter implicações para outras empresas que não spin-offs, desde que estejam inseridas em contextos de elevada incerteza tecnológica e de mercado”, concluiu o estudioso.

Neste estudo, o investigador acompanhou oito spin-offs da Universidade de Strathclyde, realizando cerca de 98 entrevistas ao longo de 12 meses, para perceber os mecanismos de alteração do modelo de negócio e o modo como estes afetam a performance da empresa.

Concluída em novembro de 2014, a tese foi orientado por Jonathan Levie (Universidade de Strathclyde, Reino Unido) e Marina Biniari (Universidade de Aalto, Finlândia).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Send this to a friend