Escolas portuguesas no estrangeiro reúnem-se para falar sobre futuro do ensino da língua

Arquivo: No Brasil, uma comitiva portuguesa liderada pelo presidente de Portugal visitou um espaço que será inaugurada a Escola Portuguesa de São Paulo.

Da Redação

As escolas portuguesas no estrangeiro, onde estudam 6.000 alunos de várias nacionalidades e lecionam 500 professores, vão reunir-se na Praia, em Cabo Verde, para falar sobre o futuro do ensino da língua e cultura portuguesas.

Sob o tema “Língua Portuguesa e os Desafios do Futuro”, o encontro é uma iniciativa da Direção-Geral da Administração Escolar e da Escola Portuguesa de Cabo Verde – Centro de Ensino e da Língua Portuguesa.

Está previsto, neste encontro, a presença de escolas portuguesas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e da Região Administrativa Especial de Macau.

O Ministro da Educação português, Tiago Brandão Rodrigues, estará presente no encerramento do encontro e a Secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, na abertura.

Numa declaração à agência Lusa, Tiago Brandão Rodrigues destacou o “ensino de qualidade” que estas escolas proporcionam, mantendo as “mesmas orientações educativas, pedagógicas, didáticas, científicas que as escolas no território nacional”.

Valorizar a língua e difundir a cultura portuguesa

O Ministro referiu que estas escolas “têm como missão a valorização da língua” e a “difusão da cultura portuguesa, mas são também uma rede muito relevante para a nossa política educativa externa e para a nossa política de cooperação e de negócios”.

“Obviamente que são um instrumento fundamental para o aprofundamento das relações de amizade e cooperação, com o conjunto dos países onde estão instaladas”, disse ainda.

Tiago Brandão Rodrigues explicou também que todas as escolas têm um centro de ensino e da língua portuguesa, o que constitui “um instrumento muito importante para a cooperação educativa, cultural, e para a difusão e ensino da língua portuguesa na sua diversidade” tendo também associado “um conjunto de valências de formação docente”.

Sobre este primeiro encontro, o Ministro espera que o mesmo seja importante para a partilha e intercâmbio de conhecimento.

Escolas funcionam também como ligação a Portugal

Tiago Brandão Rodrigues referiu também que os portugueses espalhados nestes países podem encontrar, nestas escolas e nos centros de ensino e da língua portuguesa, uma ferramenta para poderem ter uma ligação mais especial com Portugal.

As escolas portuguesas no estrangeiro foram criadas no âmbito do aprofundamento das relações de amizade e de cooperação no domínio da Educação, através da assinatura de protocolos de cooperação bilateral entre o Estado português e Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Timor-Leste e RAE Macau.

Estes estabelecimentos educativos públicos são frequentados por alunos das mais diversas nacionalidades.

No Brasil, uma comitiva portuguesa liderada pelo presidente de Portugal visitou um espaço que será inaugurada a Escola Portuguesa de São Paulo. A Escola Portuguesa que deverá ser construída em São Paulo, no bairro do Sumaré, será a primeira no Brasil.

Na altura da visita em 2017, o Ministério da Educação de Portugal previa no seu orçamento um investimento de 500 mil euros no projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend