Elvas prevê investir 2ME na reabilitação de aqueduto patrimônio UNESCO

Da Redação
Com Lusa

A Câmara de Elvas, no Alto Alentejo, prevê investir cerca de dois milhões de euros na reabilitação parcial do Aqueduto da Amoreira, classificado como Patrimônio da Humanidade, pela UNESCO, segundo o presidente do município.

“Nesta primeira fase, temos uma projeção de investimento de dois milhões de euros para uma pequena parte do aqueduto, uma vez que não existem fundos [comunitários] disponíveis, de uma só vez, para a recuperação total, pois estamos a falar de uma extensão, só à superfície, de cerca de oito quilômetros”, explicou Nuno Mocinha, em declarações à agência Lusa.

O Aqueduto da Amoreira, em Elvas, no distrito de Portalegre, também classificado como monumento nacional, foi mandado construir por D. João III, em 1537, e comporta um conjunto de diversas galerias.

A intervenção no aqueduto, um dos monumentos classificados, juntamente com as fortificações abaluartadas de Elvas, como Patrimônio Mundial, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em 2012, vai centrar-se numa zona onde transitam “mais pessoas e veículos”.

“Não há nada em risco. Trata-se apenas de uma conservação normal do monumento”, sublinhou.

Considerando que este investimento estava “fora” da programação do município, Nuno Mocinha (PS) defendeu que o Estado deveria ter uma outra intervenção neste processo.

“O Estado, através da Direção Regional de Cultura do Alentejo, vai dar apoio técnico para a recuperação do aqueduto. É evidente que o Estado não se demite de todas as suas responsabilidades, dado que permite que esta área do patrimônio seja alvo de candidaturas a fundos comunitários, mas na verdade não era à câmara que cabia esta responsabilidade”, disse.

De acordo com o município, as obras de reabilitação parcial do Aqueduto da Amoreira devem começar em meados de 2020.

O aqueduto, que se estende por uma extensão de cerca de oito quilômetros, comporta um conjunto de diversas galerias, que numa primeira zona são subterrâneas e ao nível do terreno são formadas por quatro arcadas sobrepostas, apoiadas em pilares quadrangulares e fortalecidas por contrafortes semicirculares, perfazendo uma altura de 31 metros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend