Concurso internacional de arquitetura para reconstrução do pináculo de Notre-Dame

Da Redação
Com Lusa

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, anunciou o lançamento de um “concurso internacional de arquitetura para reconstrução do pináculo” da catedral de Notre-Dame de Paris, destruído no incêndio de segunda-feira.

O objetivo é “dotar Notre-Dame de um novo pináculo adaptado às técnicas e desafios da nossa época”, declarou no final de um conselho de ministros dedicado exclusivamente à reconstrução da catedral.

Philippe disse que não existem ainda estimativas do custo total dos trabalhos de reconstrução da catedral, que o presidente Emmanuel Macron disse na terça-feira pretender que sejam feitos em cinco anos.

“Este é obviamente um enorme desafio, uma responsabilidade histórica”, adiantou o primeiro-ministro.

A catedral encontrava-se em obras de restauro no seu exterior quando, na segunda-feira à tarde, deflagrou um violento incêndio que demorou cerca de 15 horas a ser extinto. As chamas destruíram o pináculo e uma grande parte do telhado.

A Procuradoria de Paris disse que os investigadores estavam a considerar o incêndio como um acidente.

Os sinos das 103 catedrais católicas francesas soarão hoje às 18:50 locais (17:50 em Lisboa), à hora que se iniciou o incêndio, em solidariedade.

“Vamos reconstruir a catedral ainda mais bonita e quero que seja concluída em cinco anos”, afirmou Macron num muito curto discurso na televisão, 24 horas depois do desastre.

A reconstrução de um dos edifícios icônicos de Paris e da arte gótica, o monumento mais visitado da Europa (12 milhões de turistas em 2017), está a gerar uma vaga de doações à escala mundial.

Os Estados Unidos ofereceram ajuda para a reconstrução deste “símbolo insubstituível da civilização ocidental”, segundo a Casa Branca.

Mas também a cidade húngara Szeged, ajudada por Paris há mais de um século, já anunciou uma doação de 10 mil euros “num espírito de solidariedade europeia” e o rei de Krindjabo, capital do reino de Sanwi, no sudeste da Costa do Marfim, prometeu contribuir, sem especificar valores.

As doações de empresas e das grandes fortunas francesas para financiar a reconstrução da catedral de Notre-Dame superavam na tarde de terça-feira os 600 milhões de euros.

Incluem a família herdeira do grupo L’Oréal, Bettencourt-Meyers, e a multinacional francesa de cosmética, a família Arnault (a primeira fortuna de França) e o grupo do segmento de luxo LVMH, que detém marcas como a Louis Vuitton, a Dior, a Bvlgari e a Marc Jacobs, o grupo petrolífero Total e a família Pinault, dona do grupo de luxo Kering, que possui marcas como a Gucci, a Yves Saint Laurent e a Boucheron.

A vaga de doações para voltar a erguer a catedral está igualmente a mobilizar anônimos, organismos estatais e regionais e fundações privadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend