Bienal à la portuguesa

Em São Paulo, portugueses participam das próximas edições da Bienal do Livro e Bienal de Artes.

Mundo LusíadaCom agencias

 

Neste ano em que a 20ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo comemora os 200 anos do livro no Brasil, o evento contará com a participação de escritores portugueses, e promoverá palestra sobre o Acordo Ortográfico.Durante a Bienal, acontece o lançamento da obra "O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa" pelo especialista em ortografia Maurício Silva. Doutor em Letras pela USP, Silva é pesquisador do Instituto de Pesquisas Lingüísticas Sedes Sapientiae para Estudos de Português (PUC-SP) e autor de diversos livros e artigos acadêmicos. O autor fará ainda palestra no Espaço Universitário, dia 21 de agosto às 14h, tratando do tema “O Acordo Ortográfico – O que o Brasil ganha com isso?”. As mudanças da língua portuguesa decorrentes do Acordo será um dos temas centrais da Bienal, que acontece de 14 à 24 de agosto, a maior feira do gênero no país e a segunda maior do mundo.O escritor luso-brasileiro João Aparecido da Luz, quem esteve recentemente expondo na Feira do Livro de Lisboa, também participa da Bienal de São Paulo. João da Luz promove o lançamento do seu livro em 23 de agosto, das 13h às 15h30, no estande da Editora Scortecci. “Diário de Viagem – Uma visão sobre o dia-a-dia das pessoas e lugares” é um relato de 28 dias percorrendo Portugal e Espanha, que começou com anotações do autor diante das mais variadas situações, do desembarque ao retorno. Ainda, comemorando os 200 anos da chegada de D. João, a Real Companhia Velha, representada no Brasil pela Importadora Barrinhas, lança a obra "O Brasil, o Douro e a Real Companhia Velha", obra que conta as relações comerciais entre a empresa e o Brasil ao longo dos mais de 250 anos da vinícola, que fornecia exclusivamente os vinhos bebidos pela corte. Os autores, Fernando de Sousa e Conceição Meireles Pereira, analisam o papel da vinícola na economia do Brasil no final do Antigo Regime, e reconstitui o movimento comercial atlântico, já que a Real Companhia Velha dominou as rotas institucionais de fornecimento, sobretudo de vinhos, de Portugal para o Brasil.Os 200 anos da vinda da família real também é tema de encontro com Laurentino Gomes, autor de "1808", no dia 17 de agosto às 19h30, no Espaço Literário, e dia 24 às 17h, no Salão de Idéias. O mesmo assunto será abordado também pela escritora Isabel Lustosa, que marca presença dia 19 às 19h30, no Espaço Literário, além da historiadora Lilia Schwarcz, que participa da Bienal no dia 20 às 19h30, no mesmo espaço.A editora Globo traz para o evento, em comemoração aos 400 anos do nascimento do padre jesuíta Antônio Vieira (1608-1697), a publicação, pela primeira vez no Brasil, de suas 729 cartas. Antônio Vieira foi um dos maiores oradores do século XVII. Chamado de “imperador da língua portuguesa” por Fernando Pessoa, o padre jesuíta também foi diplomata a serviço do rei de Portugal. A Bienal do Livro 2008, que homenageia três países: Portugal pelos 200 anos da chegada da família real; Japão em comemoração aos 100 anos da imigração para o Brasil e Espanha pela realização do Congresso Ibero-Americano de Editores em São Paulo, acontece no Parque de Exposições Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1209 Santana – S.Paulo). Ingressos para o evento a partir de R$ 10,00. Outras informações no (11) 2226-3100.

Bienal de ArtesNas artes plásticas, participam do grande evento do gênero em São Paulo os portugueses Vasco Araújo e Ângela Ferreira. Os artistas plásticos vão representar Portugal na 28ª Bienal de Arte de São Paulo, de acordo com a Direção-Geral das Artes de Portugal.

A bienal estará aberta ao público entre 26 de outubro e 6 de dezembro e tem como tema este ano "Em Vivo Contato", escolhido pelos curadores Ivo Mesquita e Ana Paula Cohen.

Ângela Ferreira apresentará a instalação inédita "For Mozambique model #3", a terceira de uma série de trabalhos sobre arquitetura e espaço social. Nascida em Maputo em 1958, Ângela Ferreira representou Portugal na Bienal de Veneza em 2007 com a instalação "Maison Tropicale", cujo tema versava sobre a mesma problemática da arquitetura e dos territórios em contextos pós-coloniais.

Em São Paulo, também Vasco Araújo mostrará seu trabalho, com a performance "Some Enchanted Evening", de 2001, interpretada por um cantor lírico e "seis homens musculosos de sunga, um vestido de tule e lantejoulas", ao som da música da dupla Rodgers-Hammerstein.

Vasco Araújo e Ângela Ferreira são dois dos 40 artistas, de 20 nacionalidades, convidados para expor em São Paulo. O evento acontece na Fundação Bienal de São Paulo – Parque Ibirapuera, Portão 03 São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend