ONU lança projeto de US$ 4 milhões em São Tomé para combater mudanças climáticas

Da Redação
Com ONU

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, lançou um projeto de US$ 4,6 milhões em São Tomé e Príncipe para ajudar a combater as mudanças climáticas no país.

O projeto, de cinco anos, faz parte de uma iniciativa que chega a 10 países, incluindo Guiné-Bissau. No total, serão gastos US$ 54 milhões.

O coordenador subregional para a África central da FAO, Helder Muteia, explicou à ONU News, de São Tomé, os objetivos da iniciativa.

“É um projeto de restauração de paisagem, particularmente com enfoque nos recursos florestais e nos recursos do solo, como forma de combater os efeitos das mudanças climáticas e garantir que o país consegue fortalecer os seus elementos de resiliência e possa, sim, desenvolver-se de forma sustentável.”

Muteia, que também é representante da FAO no Gabão e em São Tomé e Príncipe, disse que cerca de 36 mil hectares de floresta devem ser restaurados no país. No total, espera-se que 295 mil toneladas de dióxido de carbono, CO2, sejam sequestradas como resultado deste trabalho.

Custos
Segundo Muteia, o projeto deve incentivar a partilha de conhecimentos e criar parcerias entre organizações internacionais, sociedade civil e todas as forças presentes no terreno. A agência da ONU espera beneficiar cerca de 17 mil pessoas em comunidades rurais.

“Sabemos que muitas vezes estas iniciativas de conservação têm um custo. Por isso, é preciso que as pessoas que estão integradas tenham atividades econômicas que permitam recuperar os custos de conservação. São Tomé e Príncipe é um dos países mais ameaçados pelas mudanças climáticas, particularmente com a subida do nível das águas do mar, que pode ameaçar alguns elementos do ecossistema.”

Parceria
Helder Muteia também acredita que a participação de dois países lusófonos no projeto deve fortalecer uma parceria que já existe dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP.

“A nível da Cplp, existe uma plataforma de trabalho conjunta para erradicar a fome e a má nutrição nesses países. Esses esforços estão, não só na área da produção de alimentos, mas também disponibilidade, partilha e todos os elementos que têm a ver com a segurança alimentar. Mas atuação a nível da recuperação dos recursos que sustentam a vida no planeta também ajuda, e é por isso que este projeto vai ajudar.”

Além de São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, o projeto será implementado nos Camarões, Paquistão, Mianmar, Quênia, República Democrática do Congo, Tanzânia, República Centro-Africana e China.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend