Escritor angolano diz que Brasil deve fazer mais pelo português

Agualusa diz à Rádio ONU que o maior país de língua portuguesa não promove o idioma como deveria, durante um seminário no Parlamento em Lisboa sobre internacionalização da língua.

Por Mônica Villela Grayley Da Rádio ONU em Nova Iorque

O escritor angolano, José Eduardo Agualusa, afirmou que o Brasil precisa fazer mais para divulgar a língua portuguesa no mundo. A declaração foi dada à Rádio ONU na terça-feira, 17 de junho, antes da sua participação num seminário sobre o idioma na Assembleia da República em Lisboa.

De acordo com o escritor angolano, o Brasil deveria seguir o exemplo de Portugal na difusão da língua. No ano passado, o Parlamento luso aprovou uma política de promoção do idioma no mundo.

A iniciativa foi depois endossada pela CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Mas de acordo com José Eduardo Agualusa, o Brasil ainda não se deu conta da relação entre língua e poder político na hora de divulgar o seu próprio idioma.

"O Brasil não está a fazer o que Portugal está a fazer, por exemplo. Portugal tem o Instituto Camões cujo objetivo é exatamente o de promover a língua portuguesa no mundo e o Brasil não tem nada equivalente. O Brasil, por exemplo, não dá apoio às traduções de seus autores no estrangeiro. Portugal tem uma política eficiente de apoiar tradução, apoiando inclusive autores africanos também e o Brasil não tem esta política".

De vez em quando, a Biblioteca Nacional apoia uma ou outra tradução, mas não há uma política definida. "O Brasil tem que fazer isso. O Brasil tem que entender que a cultura traz muito dinheiro ao país" diz o escritor.

"A Música Popular Brasileira hoje está trazendo muito dinheiro ao país através do turismo, por exemplo. A literatura brasileira também. Então o Brasil tem que compreender isso. Tem que compreender que sua afirmação no mundo passa também pela língua portuguesa e tem que criar estruturas de promoção da língua e tem que começar a apoiar seus escritores, seus cantores e seus músicos", afirmou.

Seminário O seminário sobre Internacionalização da Língua Portuguesa reuniu além do escritor angolano, José Eduardo Agualusa, representantes da comunidade diplomática, especialistas e os ministros dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Luís Amado, e da Cultura, José António Pinto Ribeiro.

O papel do português nas Nações Unidas também foi tema de uma das apresentações realizada pela encarregada da editoria de Português no Centro de Informação da ONU em Bruxelas, Mafalda Tello.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Send this to a friend