Cabo Verde estreita relações com o Brasil

Em visita oficial, ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades esteve com caboverdianos de Santo André, além de encontros empresariais no Ceará e em São Paulo.

Por Vanessa Sene Mundo Lusíada

Mundo Lusíada

>> Victor Borges cumprimenta o prefeito de Santo André, João Avamileno, ao lado do presidente da Associação Caboverdiana, José Augusto do Rosário.

Pela primeira vez no Brasil, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades, Victor Borges, participou de encontros no Ceará, estado mais próximo do arquipélago caboverdiano, em Brasília com ministros brasileiros, e em São Paulo com empresários da indústria, e comunidade local. De 9 à 14 de junho, a visita oficial teve objetivo de estreitar as relações econômicas, empresariais, políticas e de cooperação entre ambos países.

Em Fortaleza, onde Borges proferiu uma conferência na Universidade Federal do Ceará, os diálogos pretenderam reforçar a cooperação econômica e comercial entre Cabo Verde e o governo do estado. Atualmente, o país mantém dois vôos fixos com a capital cearense, ainda sem ligações diretas com São Paulo ou Rio de Janeiro. “Há uma dinâmica extremamente positiva no relacionamento com Ceará, mas também com o estado Federal. Estive em Brasília, discuti com o ministro das Relações Exteriores [Celso Amorim], e outros membros do governo, sobre o futuro das relações entre Cabo Verde e Brasil”.

Em São Paulo, também tratando das políticas de cooperação, Victor Borges esteve na FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), organismo “extremamente importante para o objetivo que temos de estreitamento das relações econômicas e empresariais entre os dois países”. O governo caboverdiano aprovou recentemente um Plano Estratégico para formação técnico-profissional em parceria com o projeto brasileiro Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial). De acordo com Borges, no dia 27 de junho, esteve prevista a presença do ministro brasileiro Amorim para inauguração do Centro de Formação Profissional (CFP) na Cidade da Praia, além de um Centro de Estudos Brasileiros.

O projeto "Fortalecimento e Capacitação de Recursos Humanos para o Sistema de Formação Profissional de Cabo Verde", iniciado em 2004, capacitou na primeira fase 137 profissionais. Entre as áreas contempladas estão formadores na Construção Civil, Eletricidade, Canalização, Serralharia, Informática e Alimentos, entre outros.

Durante encontro com a comunidade local, Victor Borges participou de um evento nas dependências da Prefeitura de Santo André, onde falou e respondeu às questões dos caboverdianos. Em convênio com a cidade de Santo André, existem atualmente cerca de 80 estudantes em formação superior na cidade. Entre os principais pontos discutidos esteve o crescimento de Cabo Verde. Apesar de não ser um país com tantos recursos naturais como o Brasil, e apresentar muitos problemas econômicos, Victor Borges afirmou que o país tem conseguido atingir um desenvolvimento contínuo, saindo da lista dos Países Menos Desenvolvidos, mas ainda mantendo a sua frente os “desafios da vulnerabilidade econômica”.

Cabo Verde é o segundo país que mais recebe cooperação técnica do Brasil, segundo o Ministério das Relações Exteriores. O comércio bilateral aumentou de US$ 9 milhões em 2003, para US$ 36 milhões, em 2007.

Comunidades De acordo com ministro, o governo de Cabo Verde tem trabalhado em prol da qualidade de vida dos integrantes da diáspora nos países de acolhimento. “O governo tem mantido relações estreitas com diferentes comunidades, para as apoiar e ao mesmo tempo poder dialogar com os diferentes países que acolhem os caboverdianos, com a preocupação de promover a sua plena integração nas sociedades onde vivem, o seu desenvolvimento social, cultural, econômico” disse ao Mundo Lusíada.

A maior comunidade caboverdiana encontra-se nos Estados Unidos, existindo ainda em países como Portugal, França, Luxemburgo, Espanha, Holanda, Itália, Senegal, Angola, São Tomé, Argentina. “Eu tinha um conhecimento formal e teórico da situação dos caboverdianos aqui, do nível de integração, e estou a descobrir de fato a real situação particularmente em Santo André”.

Durante o evento na cidade, o ministro aconselhou os caboverdianos a ter seriedade, ambição e sonhos “mesmo quando o ambiente é inverso”, criticando a visão de “vítimas”. De acordo com Borges, é preciso apostar na formação dos mais jovens e preservar a cultura caboverdiana. “Aproveitem todas as chances, o diploma não é tudo mas sim o conhecimento, o domínio do que estão estudando para serem competitivos no mercado de trabalho”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Send this to a friend