Ranchos Maria da Fonte, do Rio, e Estrelas do Minho, de Buenos Aires, juntos em palco na Argentina

Por Igor Lopes

Na próxima sexta-feira, dia 22, o Rancho Folclórico Maria da Fonte (RFMF) da Casa do Minho do Rio de Janeiro vai realizar uma exibição de gala em Buenos Aires, nas instalações do famoso Teatro Canning, às 21h. O deslocamento do Maria da Fonte à Argentina acontece em virtude do convite do Rancho Folclórico Estrelas do Minho (RFEM) do Clube Português de Esteban Echeverría, que comemora 20 anos de fundação em 2019. Em palco, os dois grupos prometem mostrar o melhor do folclore minhoto fora de Portugal e promover uma autêntica festa portuguesa.

Para esta viagem, a comitiva do Maria da Fonte será composta por 43 elementos, incluindo 13 componentes na tocata e 30 componentes dançarinos. Segundo apuramos, a exibição do rancho carioca está formata para acontecer como forma de se comemorarem os aniversários de ambos os ranchos.

“Estamos preparando um show que contará brevemente a evolução dos trajes, das músicas e das coreografias do nosso Rancho nestes 65 anos de existência ininterruptas. A expectativa é grande, uma vez que toda a comunidade do folclore português de Buenos Aires estará presente neste evento”, revelou Luciano Andrade, diretor artístico do Rancho Maria da Fonte.

Na opinião de Carlos Alberto Correia da Silva, diretor artístico da Casa do Minho e ensaiador do Maria da Fonte, o deslocamento do grupo à Argentina está a ser encarado com grande respeito pelos minhotos do Rio.

“Este é um momento muito bom para o Rancho, que está motivado pela recente digressão que fez a Portugal, no ano em que completa 65 anos de fundação. O Maria da Fonte já atuou de norte a sul do Brasil e, por cinco vezes, esteve em Portugal. Desta vez, terá a oportunidade de divulgar para a colônia portuguesa na Argentina o trabalho feito pela Casa do Minho do Rio de Janeiro. Os argentinos podem esperar uma apresentação que irá mostrar a história do Maria da Fonte através do seu repertório e da sua indumentária, como representante do folclore minhoto no Brasil”, ressaltou Carlos Alberto da Silva.

“Acredito que, nestes 65 anos de existência do Rancho Maria da Fonte da Casa do Minho do Rio de Janeiro, o ano de 2019 tem sido de grandes comemorações para todos os dirigentes, componentes e seguidores deste autêntico representante das tradições do Alto Minho em terras do Brasil. A digressão a Portugal, no passado mês de agosto, com o lançamento do nosso livro que retrata e descreve essa longa jornada, foi um sucesso absoluto, com honras de autoridades e com a nossa participação em festivais de alto gabarito”, pontuou Luciano Andrade.

“Dignificar as tradições do Minho”

Por sua vez, Agostinho dos Santos, presidente da Casa do Minho do Rio de Janeiro, reiterou que existem grandes planos para o rancho do Rio em Buenos Aires.

“Esta será a primeira vez que o Maria da Fonte vai atuar fora do Brasil num país que não é Portugal. Estar na Argentina será um momento único na história do Maria da Fonte. E participar nas celebrações dos 20 anos do Rancho Estrelas do Minho é ainda mais motivador. Em palco, posso garantir que o nosso rancho vai fazer uma grande apresentação e, assim, iremos dignificar as tradições do Minho no mundo, bem como valorizar a nossa Casa do Minho do Rio de Janeiro”, disse, orgulhoso, Agostinho dos Santos.

Olhos postos no folclore da Casa do Minho do Rio

De acordo com Otília Torres, presidente do Clube Português de Esteban Echeverría, a ideia de convidar o Rancho Maria da Fonte incidiu sobre a oportunidade de se fazer um intercâmbio cultural entre o rancho do seu clube, Estrelas do Minho, e o principal rancho da Casa do Minho do Rio de Janeiro.

“Iremos celebrar os 20 anos do Estrelas do Minho. Esperamos celebrar com um grande evento e queremos aproveitar a apresentação do Maria da Fonte e oferecer à nossa comunidade uma oportunidade para que possam vê-los pessoalmente”, sublinhou Otília Torres.

Juan Dias da Silva, diretor do Estrelas do Minho, disse acreditar que o intercâmbio entre a Casa do Minho do Rio e o Clube Português de Esteban Echeverría vai possibilitar às duas entidades pensarem em projetos comuns.

“A ligação entre a Casa do Minho do Rio e o Clube Português de Esteban Echeverría vão ficar muito fortes. Os intercâmbios culturais ajudam a encontrar amigos noutros lugares do mundo. Tenho a certeza de que vamos promover um belo encontro entre os minhotos de Buenos Aires e os do Rio de Janeiro. Seremos muitos da mesma terra, do mesmo concelho. Certamente, teremos amigos e familiares em comum”, confirmou Juan Dias da Silva, que disse ter a certeza de que a presença do Maria da Fonte em Buenos Aires vai ser um sucesso.

“Um exemplo a seguir”

“Os folcloristas de Buenos Aires estão à espera. Todos sabemos da importância que esse rancho tem e querem desfrutar de um show ao nível dos grandes shows internacionais. Nós do Estrelas do Minho de Buenos Aires vemos todos os ranchos de Viana do Castelo através de vídeos na Internet e, quando temos a oportunidade, vemos esses ranchos pessoalmente sobre os palcos em Portugal. De cada rancho folclórico tiramos ideias, trajes, coreografias. O Maria da Fonte sempre aparece nas nossas pesquisas. Achamos que esse rancho da Casa do Minho do Rio é superior a muitos ranchos de Portugal. Eles têm uma beleza sem igual nos passinhos dançados, no trajar e na escolha das músicas. Gostamos muito deles e são um exemplo a seguir”, sugeriu o diretor do Estrelas do Minho, que considerou, também, que perpetuar as tradições minhotas em solo argentino não é tarefa das mais fáceis.

“Representar o Minho na Argentina é difícil, mas não, impossível. Não contamos com apoios para a aquisição de trajes ou elementos para as representações, não temos apoios econômicos nem institucionais. Cada item do acervo do rancho é comprado pelos próprios integrantes nas lojas de Viana do Castelo e trazido nas malas quando alguém vai de férias a Portugal. É difícil porque muitas vezes ficamos com vontade de fazer certas coisas e não contamos com o material necessário. Para nós, é um orgulho transmitir a cultura minhota e o fazemos da melhor maneira possível, sendo o mais genuíno e autêntico que podemos ser. Muitos trajes são produzidos pelas nossas mães e certas peças têm que vir de Portugal para enfeitar o traje em questão. A filigrana, as chinelas, os lenços etc. Sentimo-nos embaixadores de Viana do Castelo na Argentina porque, nas nossas representações para o público argentino, acabamos por explicar as nossas raízes e de onde são os trajes, qual é a função e o sentido de cada um. Acabamos por recomendar a todos que visitem Viana. Toda essa informação é publicidade para a cidade. Ficamos felizes quando alguém nos reconhece e diz que foi a Viana por nossa causa”, destacou Juan Dias da Silva.

Para José Antonio de Albuquerque, membro do Clube Português de Esteban Echeverría, integrante do Rancho Folclórico Estrelas do Minho e diretor do programa de rádio “La Voz del Club Portugués de Esteban Echeverría”, a festa em Buenos Aires terá um valor a mais com a apresentação do Maria da Fonte, uma vez que o rancho do Rio de Janeiro “consegue interpretar e transmitir a essência da cultura portuguesa e da saudade com técnica e paixão”.

Ano de comemorações para a Casa do Minho na cidade maravilhosa

Recorde-se que, com o intuito de celebrar os seus 65 anos de fundação, o premiado Rancho Folclórico Maria da Fonte da Casa do Minho do Rio de Janeiro esteve em Portugal de 2 a 21 de agosto deste ano, onde participou em festivais, eventos sociais e na tradicional Festa em Honra de Nossa Senhora da Agonia. A comitiva carioca foi recebida por autoridades e parceiros institucionais e viu de perto o respeito do público e de membros de outros ranchos em relação ao trabalho desenvolvido em prol da cultura portuguesa no Brasil.

Para perpetuar as principais memórias do Rancho, a Casa do Minho do Rio editou uma obra literária de autoria do jornalista e escritor luso-brasileiro Ígor Lopes. O livro “Rancho Folclórico Maria da Fonte da Casa do Minho do Rio de Janeiro – A jornada do grupo português que valoriza a cultura minhota no Brasil desde 1954” tem como objetivo celebrar os 65 anos de fundação do Rancho, o mais antigo dos quatro grupos dessa entidade carioca.

Depois do Rio, em maio, a obra foi apresentada em Portugal, no mês de agosto, nas cidades de Viana do Castelo e de Braga. Em ambos os momentos, o lançamento do livro contou com a presença do autor, do presidente da Casa do Minho do Rio de Janeiro, Agostinho dos Santos, do único fundador vivo do Rancho, Odir Ferreira, dos componentes do Maria da Fonte e dos autarcas locais.

A viagem à Argentina é vista também como mais um capítulo da celebração dos 65 anos de fundação do rancho da Casa do Minho carioca. A comitiva minhota da cidade maravilhosa ficará em Buenos Aires de 21 a 24 de novembro em estreita cooperação e parceria com o Rancho Estelas do Minho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend