Alma Lusíada foi atração na Festa Luso-Brasileira em Santo André

Por Odair SeneMundo Lusíada

 

Mundo Lusíada

>> Entre os diretores da entidade, durante almoço com quase 500 pessoas, Carlos Rodrigues, João Claudino, o vice-presidente Arnaldo Nobre, o presidente do Conselho João Macedo, Nelson Dias, José Marques (Pardal) e Antonio Cerejo.

A Casa de Portugal do Grande ABC, presidida pelo Sr. André Magalhães, promoveu em 3 de agosto uma grande festa denominada “Festa luso-Brasileira”, para a qual recebeu quase 500 pessoas numa prova de que a casa conta com grande prestígio do público luso-brasileiro.

As senhoras da cozinha deram um show no cardápio. Prepararam a “bacalhoada à moda da casa” e receberam aplausos efusivos do público que reconheceu a qualidade da iguaria servida. Em termos de receptividade e serviço a casa deu um show desde a entrada dos convidados até no fundo, onde ofereceu (como de praxe), uma boa área para recreação infantil, deixando mamães e papais à vontade para curtirem a festa sem a menor preocupação.

Quem não ficou para traz e também deu um show (aí já no palco) foi a Banda Alma Lusíada, que surgiu em 2001, e ensaia em estúdio montado na casa de um dos componentes, e promete a gravação de um CD, com cerca de dez músicas próprias, para o próximo ano. “Acabamos montando estúdio na casa do Chiquinho para ficar viável para a gente” afirma o vocal Alessandro.

A banda, formada por Alessandro Paranhos no vocal, Paulo na guitarra e “backing vocal”, Rodrigo na guitarra, Rafael no baixo, Robson na bateria, e Francisco – o conhecido Chiquinho – na concertina e teclado, mantém a mesma formação desde 2003. A banda apresenta-se principalmente em casas portuguesas, “onde nos dão mais espaço” diz Alessandro, também atual integrante do Grupo Folclórico da Portuguesa de Desportos.

Todos os componentes têm ou já teve ligações com grupos folclóricos de SP. Além do vocal, o Chiquinho participa do Rancho Folclórico Aldeias da Nossa Terra; Rodrigo, Rafael e Paulo estão no Grupo Folclórico da Casa Ilha da Madeira de SP; e Robson, já fez parte do Aldeias.

A Banda Alma Lusíada deu um show fantástico e o público dançou a valer e aplaudiu (muito). Sinal de total aprovação. A casa gostou tanto que quer repetir a atuação no próximo almoço e também já agendou um show com a Alma Lusíada na festa anual do padre Antonio Maria para novembro deste ano.

Banda tem pouco apoio cultural e espera mais reconhecimento“O apoio está faltando, até aproveitamos para pedir apoio ao pessoal das casas portuguesas, aos portugueses de São Paulo. Seria interessante porque estamos divulgando um trabalho, nossa música, que representa o povo” diz Alessandro dizendo que a banda se insere em um nicho diferente do folclore e do fado.

Segundo Paranhos, uma banda tocando música portuguesa, com bateria e guitarra, é difícil ver em São Paulo. “Você vê muita tocata, todo grupo folclórico tem. Agora, banda com bateria, com um belo baixo, nessa qualidade que temos e com essa instrumentação, realmente em São Paulo não tem. Na verdade, nem em SP nem no Rio. Semana passada nós tocamos lá, e já estamos voltando no mês que vem também, então isso não tem no mercado” garante. “É novidade, para este estilo de música, é novidade total”.

Alessandro ainda agradeceu apoios recebidos, como por exemplo do Paulo Magalhães, um apoio técnico que atualmente não daria para manter, reconhece. “Fazer uma apresentação paga hoje é muito difícil, porque a maioria das casas não têm dinheiro. Quando se passa um preço e ainda fica na dependência de que a casa forneça um som adequado para tocar, fica muito difícil. Então o Paulo está quebrando um galho que não tem como descrever, é um irmão mesmo”.

A banda apresenta no seu repertório mais músicas populares portuguesas, muitas canções do Roberto Leal, mas também incluindo o sertanejo e até mesmo um pouco de forró. A música portuguesa, que não se restringe ao fado e folclore e que hoje é muito moderna, é sempre atualizada pelo grupo. “Nós estamos fazendo muita coisa do Roberto Leal, temos também um cantor que está fazendo muito sucesso em Portugal, Tony Carreira, ele é muito bom e estamos tirando algumas músicas dele também. E de outros cantores de Portugal, até porque a coisa está bem modernizada, aquela mesmice de sempre realmente acabou, pelo menos para gente”.

Entre as músicas do repertório trazidos para o evento, esteve canções bastante conhecidas como Laurendinha, Carimbó Português, Terra da Maria, Bailinho da Madeira, e Caninha Verde. “Esperemos que todo mundo goste, assim como gostaram no Rio”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend