Aldeia do concelho de Almeida cria prêmio literário aberto à diáspora

Da Redação com Lusa

 

O prêmio literário lançado na aldeia de Malhada Sorda, no concelho de Almeida (distrito da Guarda), dedicado ao tema da emigração e aberto à participação da diáspora, tem inscrições abertas até final de julho.

O Prêmio Literário Padre José Júlio Esteves Pinheiro é uma iniciativa da Fundação Família Luzia Esteves Pinheiro, com sede em Malhada Sorda, para homenagear a vida e obra da personalidade que dá nome à iniciativa e incentivar o interesse pela escrita e pela leitura.

O concurso pretende também incentivar a produção literária e contribuir para a defesa das línguas portuguesas e francesas, sendo por isso aberta à participação da diáspora.

O tema desta primeira edição é “A Emigração” para evidenciar “a estreita relação estabelecida pelo patrono ao longo da sua vida com os emigrantes, e com as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo”, salientam os promotores numa nota enviada à Lusa.

O Prémio apresentado em março conta com a colaboração da Câmara Municipal de Almeida e da Junta de Freguesia de Malhada Sorda.

Para a presidente da Fundação, Maria da Conceição Raposo, o prêmio “é uma homenagem ao padre José Júlio, à população de Malhada Sorda, à diáspora e a Almeida”.

O padre José Júlio Esteves Pinheiro foi emigrante durante sete anos e levou o nome de Malhada Sorda e Portugal a vários pontos do mundo, na Europa, no Brasil e nos Estados Unidos. O acervo documental do sacerdote com mais de 16 mil obras foi alvo de um processo de inventariação e conservação e está disponível na Biblioteca Municipal Maria Natércia Ruivo, em Almeida.

Os trabalhos em prosa ou em poesia podem ser apresentados em língua portuguesa e francesa e devem submetidos à participação ao Prêmio até ao dia 31 de julho, através do endereço eletrónico [email protected].

De acordo com o regulamento, o júri é constituído no mínimo por três e no máximo por cinco “elementos de reconhecido mérito e idoneidade indicados pela Câmara Municipal de Almeida e pela Fundação Família Luzia Esteves Pinheiro”.

Serão atribuídos quatro prêmios, sendo o primeiro no valor de mil euros, concedido pela Câmara Municipal de Almeida e pela Fundação Família Luzia Esteves Pinheiro.

A Fundação Família Luzia Esteves Pinheiro foi criada em 2020, pelas irmãs Beatriz Luzia Esteves Pinheiro e Maria Lídia Luzia Pinheiro Gata Limão, para preservar o patrimônio histórico e cultural, deixado pelo irmão, padre José Júlio Esteves Pinheiro, e também para contribuir para a conservação e manutenção de monumentos e edifícios históricos. Atualmente a Fundação é responsável pelas obras de requalificação da Igreja Matriz de Malhada Sorda.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: