Padre Antonio Vieira: O maior retórico/orador de todos os tempos

PADRE VIEIRA, o mais famoso padre da Língua Portuguesa, nasceu em Lisboa em 06 de Fevereiro de 1608, e foi o maior escritor/orador de todos os tempos em Língua Portuguesa, como também orador da “Companhia de Jesus”.

A família portuguesa mudou-se para o Brasil no ano de 1614, mas em 1609 o seu pai veio antes e assumiu o cargo de “Escrivão” na cidade de Salvador na Bahia.

No ano de 1624 em decorrência da invasão Holandesa o Padre Vieira foi para o interior da Bahia e internou-se numa missão religiosa onde começou a sua vocação missionária, onde fez os votos de castidade, pobreza e obediência missionária. Estudou bastante sobre a Teologia, Matemática, Física e Economia, e no ano de 1634 tornou-se professor em Olinda e foi ordenado padre. Por questões religiosas ele defendeu os judeus e caiu em desgraça, voltou para Portugal, mas, em 1681 decidiu voltar para o Brasil e continuar as escritas e publicá-las.

Escreveu 16 volumes iniciados em 1679 e concluiu a “CLAVIS PROPHETARUM”. Apesar desses conflitos no Brasil, as obras do Padre Vieira foram todas publicadas na Europa, visto que, para serem publicadas tinham que ter liberdade da “Inquisição” o que lhe foi concedido.

O Padre Vieira faleceu no dia 18 de Julho de 1697 na cidade de Salvador na Bahia, e como foi um defensor grande contra a escravização, não só dos africanos, como dos indígenas também, ele recebeu o nome indígena de “PAIAÇU” na língua indígena Tupi/ Grande Pai.

Os “SERMÕES” DO PADRE VIEIRA são obras de literatura eméritas, e na formação dos literatos brasileiros e portugueses um ponto grandioso da arte do falar e do entendimento nas nuances oratórias e na Literatura no Brasil, principalmente no “Barroco brasileiro” todas as grandes universidades brasileiras colocam em suas apostilas, exames, os seus famosos Sermões.

Esses sermões foram publicados na época em Lisboa com a escrita da época da Língua Portuguesa, como “SERMOENS DO PADRE ANTONIO VIEIRA, DA COMPANHIA de JESU, PREGADOR DE SUA ALTEZA- PRIMEYRA PARTE, DEDICADA AO PRINCIPE N.S. EM LISBOA NA OFFICINA DE JOAM DA COSTA. ANO -M.DC.LXXIX. COM TODAS AS LICENÇAS , E PRIVILÉGIO REAL”.

>>> VEDE, PEIXES, E NÃO VOS VENHA VANGLÓRIA, QUANTO MELHORES SOIS DO QUE OS HOMENS. OS HOMENS TIVERAM ENTRANHAS PARA ATIRAR JONAS AO MAR, E O PEIXE RECOLHEU NAS ENTRANHAS A JONAS, PARA O LEVAR A TERRA <<<

Foi mais uma glória Lusitana ao mundo, e ele na sua grandeza lusitana escreveu uma frase imortal, que soa até hoje no nosso querido e eterno PORTUGAL: “os portugueses têm um pequeno país para berço e o mundo todo para morrerem”.

 

Adriano Augusto da Costa Filho
Membro da Casa do Poeta de São Paulo, Movimento Poético Nacional, Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores, Academia Virtual Poética do Brasil, Ordem Nacional dos Escritores do Brasil, Associação Paulista de Imprensa, Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa e escreve quinzenalmente para o Jornal Mundo Lusíada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend