Os Termos Modificados na Língua Portuguesa, em Portugal e no Brasil

A Língua Portuguesa espalhada pelo mundo, como todos nós sabemos, é a 3ª língua mais falada depois do Mandarim chinês e do Inglês, e evidentemente tem características diferentes nos 07 países e outros locais do português falado e escrito em Portugal. Embora todo cidadão desses países lusófonos conheçam o “português” original, qualquer “Língua” é sempre modificada no correr dos tempos, como exemplo em Portugal, as línguas antes dos Celtas, estes, os romanos, os mouros, o lusitano arcaico, o português arcaico, o português moderno e assim por diante.
No Brasil, antes da descoberta portuguesa, tivemos o Tupi e o Guarani, que com o correr do tempo foram-se misturando com o português e resultou na “Língua Geral”, que por um ato do ministro português o famoso “Marquês de Pombal” foi exterminada, todavia, a Língua portuguesa falada no Brasil tem uma mistura grande com termos indígenas, ingleses, franceses e de outras línguas. O brasileiro fala uma língua bem próxima ao português original, e agora com a reforma ortográfica tenho certeza absoluta que o Brasil vai aproximar-se linguisticamente com Portugal, falando o português maravilhoso de Portugal.
Nas várias regiões, tanto em Portugal como no Brasil, existem termos modificados e tanto no que se escreve como no que se fala, como exemplo podemos citar duas regiões em Portugal, a do “Concelho de Castanheia de Pera”, região perto de Leiria e de Fátima, com termos usados no dia-a-dia pela população, o que faremos no original e no que se fala com o mesmo significado e aceito como gíria.
Palavras derivadas de termos portugueses de uso corrente: Dinheiro = Dronho, Cigarro = Cidorra, Dormir = Midrar, Café = Caderfe, Almoço = Alçome, Malcriado = Malcridóia, Galinha = Penosa, Alfaiate = Alcatrefo, Mãe = Madre, Olhar = Bispar, Comer = Mosquir, Fazenda = Cartraia, e assim por diante.
Já em Trás-os-Montes, mormente na região de Carção/Vimioso, terra do meu pai, os termos são diferentes, como tal: Arregaçar as mangas = Arremangar, Pouca Coisa = Bacatela, Vassoura = Bardeiro, Pessoa Vesga = Birolho, Reforço = Cambela, Recipiente = Cacharro, Importunar = Relar, Suado = Stressudado, e etc.
No “Glossário Carçoneiro ou Carçonense”, temos milhares de palavras, que para o cidadão local soa correto e no entendimento existem mais de mil palavras para essa definição, o que acontece também em Castanheira de Pêra, como também no Brasil, dos Gaúchos, dos Mineiros, dos Paulistas, dos Baianos, dos Nordestinhos e dos Nortistas, é um fenômeno natural, e se assim não fosse, nós ainda estaríamos falando a Língua Celta, dos nossos ancestrais.
No Brasil, também é imenso o número de palavras originais que são revertidas para a gíria ou outra forma de falar ou ainda de apresentar a palavra como definitiva, embora a Língua seja variável e muitas vezes retorna ao tempo original, como “Entrega a Domicílio” foi para o inglês “Delivery”, Centro Comercial foi também como “Shopping”, que com certeza com o tempo voltará ao original, como aconteceu com a palavra francesa “Chauffer”, que voltou para “Motorista”, como “Buffet” que voltou ao original Cardápio.
Temos ainda no Norte e Nordeste do Brasil milhares de palavras que significam outra coisa, como por exemplo Capanga = Bandido, Cabra = Fulano, Cabra da Peste =Sujeito ruim, Sacando = Tirando, etc.
Já no Rio Grande do Sul, os gaúchos, além de terem sido resultantes de emigração açoriana, falam muitos termos de lá e misturados com os gaúchos vizinhos do Rio Grande do Sul, como: Manda Brasa = Enviar, Mano = Companheiro, Campeiro = Do Campo, Tourear = Brigar, Pealando = Tocando, Bombachudo = Calçado, Beliscando = Tocando, e assim por diante.
Em São Paulo e no Rio de Janeiro, da mesma forma existem milhares de termos derivados de outras línguas, e o interiorano do Estado de São Paulo tem um linguajar apropriado, muitas e muitas palavras são corruptelas da Língua Portuguesa, como não podia deixar de ser, uma vez que no século 20 milhões de portugueses e de outras nacionalidades emigraram para o Brasil e consequentemente nas duas regiões.
Portanto, com a Graça Divina, após 5 séculos da descoberta do Brasil, a Língua mais linda do mundo, o “Português”, ainda é predominante no Brasil e nos outros países de Língua Portuguesa, para honra e glória do nosso querido e eterno PORTUGAL.

Adriano Augusto da Costa Filho
Membro da Casa do Poeta de São Paulo, Movimento Poético Nacional, Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores, Academia Virtual Poética do Brasil, Ordem Nacional dos Escritores do Brasil, Associação Paulista de Imprensa, Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa e escreve quinzenalmente para o Jornal Mundo Lusíada.

1 Comment

  1. Tendo em vista que atualmente, e já há muitas décadas, é a cultura do Brasil que exerce influência sobre a cultura de Portugal, e não o oposto, não faz sentido a esperança do autor de que haja uma aproximação linguística entre ambos. É o Brasil, através de sua maravilhosa música, sua criativa produção televisiva e seus geniais autores literários que exportam continuamente a cultura brasileira para Portugal. O oposto raramente acontece. Desta forma, é o português falado no Brasil que, cada vez mais, domina os países lusófonos. Tal fato é facilitado pela forma clara e aberta de falar dos brasileiros, que tornam as palavras muito mais compreensíveis, sonoras e amigáveis. Para um brasileiro, entretanto, é muito difícil compreender o que fala um português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend