LUSITÂNIA, BERÇO DO PORTUGAL ETERNO

A mais linda e maravilhosa oração de todos os tempos
Desde épocas seculares, provérbios, mensagens e poesias foram feitas, sempre com o intuito de melhorar o ser humano, escritores e poetas ornaram a humanidade com as suas escritas e as sua poesias, isso certamente aconteceu em eras imanentes, forjadas pela capacidade e sonho individual das pessoas.
Na Lusitânia, berço do Portugal Eterno, a mesma era, uma podemos dizer tribo ou aldeia, isso em toda a Ibéria, e esses povos certamente não tinham a cultura que os povos da Europa central já tinham e como as suas populações do centro europeu cresceu a busca de outros lugares e alimentação forçou as tribos do centro europeu a procurar outras terras, uma vez que os seres humanos não conheciam a cultivação de alimentos, porque só se serviam de flores, folhas, plantas, frutas, animais e peixes e dessa forma começaram a abrir caminho para a invasão de outras civilizações ainda incultas.
No centro da Europa havia uma tribo que eram os Celtas, já mais avançada na cultura e na guerra, mesmo porque já sabiam e faziam instrumentos guerreiros com armas de ferro, porque conheciam a fusão do ferro extraído das rochas e assim sendo as suas armas eram imbatíveis.
Avançando do centro da Europa atingiram a Península Ibérica e como não podia ir mais à frente em razão do Oceano Atlântico, fixaram a sua residência na Península Ibérica, uma vez que nação tinham mais condições de voltar para o centro europeu e assim sendo levaram a sua cultura aos povos ibéricos, mormente à tribo dos Lusitanos, os quais de bom grado aceitaram essa qualificação e tornaram-se então um povo mais culto, o que os fez avançar para outros ideais, que certamente resultaram na formação cultural e técnica dos portugueses do futuro e dos lusitanos.
O povo Celta na sua cultura sábia tinha os seus ideais e na cultura mostraram aos povos da Ibéria, e com isso as cultura na região avançou, e os Celtas tinham sempre mensagens de louvores, de ensinamentos e outras querelas, as quais foram assimiladas pelos lusitanos e pelos ibéricos.

ORAÇÃO CELTA
“Que a estrada se abra à sua frente – Que o Sol brilhe morno e suave em sua face – Que a chuva caia de mansinho em seus campos – Que um suave acalanto te acompanhe, onde estiveres – que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida – Que a música seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo – Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas de tua passagem em cada coração – Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior – Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro -Que em teus momentos de solidão e cansaço, esteja sempre presente em teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa – Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos” !!!

 

Adriano Augusto da Costa Filho
Membro da Casa do Poeta de São Paulo, Movimento Poético Nacional, Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores, Academia Virtual Poética do Brasil, Ordem Nacional dos Escritores do Brasil, Associação Paulista de Imprensa, Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa e escreve quinzenalmente para o Jornal Mundo Lusíada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend