Portugueses têm de ultrapassar “estereótipos” sobre a emigração, diz SECP

Da Redação
Com Lusa

A secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, defendeu que os portugueses têm de ultrapassar “alguns estereótipos” que existem sobre a emigração que, de forma geral, é “muito bem-sucedida”.

Durante a sessão de encerramento do IV Encontro de Investidores da Diáspora, que decorreu em Viseu, Berta Nunes garantiu que o Governo vai continuar a “política de atração do investimento e a internacionalização do território” e “aumentar a ligação dos empresários de sucesso da diáspora” a Portugal.

“E, por esta via, alterar a visão e a percepção que em Portugal se tem muitas vezes da emigração e perceber que a nossa emigração é, de uma forma geral, muito bem-sucedida e que pode ser muito importante para a imagem de Portugal no mundo”, frisou.

Berta Nunes aludiu aos vários casos de sucesso de empresários que foram apresentados na sexta-feira à tarde, que mostraram que, “muitas vezes, as pessoas que estão na diáspora veem Portugal de uma forma muito mais com o coração” do que quem vive no país.

A ideia, que está plasmada no Programa Nacional de Apoio ao Investimento da Diáspora, é de “incluir todo o Governo no trabalho de ligar Portugal às suas comunidades e de aproveitar o ativo estratégico importantíssimo” que são as comunidades espalhadas pelo mundo.

“Transformar o Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora numa Rede de Apoio ao Investidor da Diáspora, que vai ser coordenada pela Secretaria de Estado das Comunidades e pela Secretaria de Estado de Valorização do Interior e vai trabalhar efetivamente em rede”, irá “potenciar todo o trabalho que tem vindo a ser feito”, considerou.

Segundo a secretária de Estado, o objetivo é “aprofundar esta política, torná-la transversal e trabalhar em rede, com as câmaras de comércio, os clubes de empresários, as associações, os consulados e as embaixadas”.

“Do lado de cá, e é isso que vai trazer a Secretaria de Estado da Valorização do Interior, é tentarmos trabalhar também com os gabinetes de apoio ao emigrante, com as comunidades intermunicipais e com todo o poder local, no sentido de territorializar o investimento”, frisou.

O diretor-geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas, Júlio Vilela, disse que “importa manter uma continuidade naquela ação de divulgação, através do trabalho de proximidade que pode e deve ser levado a efeito de forma mais intensa, pelos 157 gabinetes de apoio ao emigrante criados desde 2002”.

Destes, 13 situam-se no território da Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões, tendo o mais antigo sido constituído em 2002 e o mais recente em 2014.

Segundo Júlio Vilela, “no conjunto destes 13 serviços municipais, particularmente vocacionados para o apoio informativo ao emigrante e que, em 2018, atenderam perto de três mil emigrantes e suas famílias, assiste-se a alguma assimetria de desempenhos”.

Ou seja, varia do “bom nível de trabalho com muitos contatos estabelecidos com munícipes emigrados”, como nos casos de Viseu e Sátão, a “uma maior estagnação de movimentos e atendimento aos emigrantes” nos restantes, acrescentou.

O IV Encontro de Investidores da Diáspora contou com 500 participantes, de mais de 20 países.

Os Encontros de Investidores da Diáspora, que se realizam anualmente desde 2016, visam disponibilizar aos empresários portugueses no estrangeiro o acesso a informação sobre as políticas públicas de apoio ao investimento existentes em Portugal e facilitar a criação de redes de contato e de parcerias com os empresários locais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend