“Portugueses hoje pagam mais impostos porque ganham mais” diz ministro

Da Redação
Com Lusa

O ministro das Finanças de Portugal disse “ser falso” que tenha havido aumento de impostos nesta legislatura e afirmou que em 2019 as famílias pagarão menos mil milhões de euros de IRS do que em 2015.

“Todos os portugueses sabem o que é um enorme aumento de impostos. E sabem que esse aumento aconteceu em 2012 e 2013. E sabem que, para o mesmo rendimento, o IRS pago em 2019 será mais de 1000 milhões de euros inferior ao de 2015”, referiu Mário Centeno na sua intervenção inicial numa audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

O governante afirmou, por isso, que “os portugueses hoje pagam mais impostos porque ganham mais, porque estão a trabalhar mais, porque as empresas dão mais lucro”.

Esta afirmação suscitou comentários por parte de deputados da oposição, recordando que há outros impostos além do IRS e do IVA.

Neste contexto, precisou que, se forem tidas apenas as políticas do Governo, a evolução da receita dos três principais impostos (IVA, IRS e IRC) recuou em 1,9 mil milhões de euros. O aumento que efetivamente se registou e que ronda os 6,6 mil milhões de euros de receita resulta do crescimento econômico.

Entre as medidas que contribuíram para este “alívio fiscal”, Mário Centeno elencou a eliminação da sobretaxa, a reorganização dos escalões do IRS, a subida do mínimo de existência e a descida da taxa do IVA na restauração.

“Isto é exatamente o contrário de um colossal aumento de impostos, é falso que tenha havido um aumento de impostos nesta legislatura”, sublinhou.

O ministro apontou alguns exemplos que ilustram a descida do IRS em 2019 face a 2015, referindo o caso de um casal com dois filhos e um salário de 660 euros cada e um rendimento anual de 18.480 euros, que este ano pagará menos 750 euros de imposto, ou de um casal com salários de mil euros em que a descida do imposto será de 481 euros

“Estes são casos concretos, de portugueses que pagam muito menos IRS em 2019 do que em 2015 e que não se deixam enganar pelos arautos das notícias falsas”, precisou.

Nesta audição, o ministro considerou várias vezes que são falsas algumas ideias que têm sido veiculadas publicamente e falou mesmo em ‘fake news’ para falar sobre as críticas aos investimentos na saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend