Dezenas de portugueses perderam casas e bens em Moçambique após ciclone

Da redação
Com Lusa

Segundo o ministro português dos Negócios Estrangeiros, “até agora não há registro de cidadãos portugueses mortos, feridos ou em situação de perigo” devido à passagem do ciclone Idai em Moçambique, mas “várias dezenas perderam casas e bens”.

“Felizmente, até agora não temos registro de cidadãos portugueses mortos, feridos ou em situação de perigo, mas ainda não conseguimos contactar todos (…) Infelizmente, temos já noticia de várias dezenas de compatriotas nossos que perderam as suas casas e os seus bens e que se encontram alojados por exemplo em unidades hoteleiras ou noutras casas de amigos ou vizinhos e estamos a fazer os levantamentos desses danos nos bens pessoais”, disse Augusto Santos Silva.

O chefe de diplomacia, que falava no final de uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE em Bruxelas, indicou que a equipe enviada a partir da embaixada em Maputo para prestar apoio ao cônsul-geral na Beira e à sua equipe “bateu toda a zona centro da cidade da Beira e as estradas que se encontram transitáveis”, tendo feito um “reconhecimento nos hospitais e unidades de saúde locais para ver se havia portugueses entre as vitimas”.

Não há até o momento registro de vítimas ou portugueses em situação de perigo – “por exemplo isolados pelas águas ou em aldeias ou povoação em risco de catástrofe” -, o ministro ressalvou todavia que ainda “é prematuro dar por concluído esse levantamento”, pois, até devido às grandes dificuldades de comunicações, ainda não foi possível contactar todos os milhares de portugueses registados na região.

“Há vários milhares de (portugueses) inscritos no consulado na Beira, que cobre todo o centro e norte de Moçambique, e a nossa estimativa é que haja mais de 2.000 portugueses a residir na zona da Beira”, assinalou.

Apontando que o Governo está “também a começar a fazer o levantamento dos danos de empresas de capital português atuando em Moçambique e naquela zona”, Santos Silva sublinhou que as autoridades têm “naturalmente como primeiríssima prioridade” o plano de apoio de emergência à comunidade portuguesa na região.

Também nesse sentido, acrescentou, “o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas [José Luís Carneiro], logo que seja logisticamente possível, partirá para Moçambique e para a cidade da Beira, para acompanhar ‘in loco’, no terreno, este processo de levantamento e primeiro apoio”.

No entanto, sublinhou, Portugal está a agir num outro plano, o da “solidariedade com o povo moçambicano e as autoridades moçambicanas”, colocando-se à disposição destas “para participar no levantamento de necessidades mais prementes da população moçambicana” e, numa fase posterior, participar na reconstrução.

“A combinação entre o ciclone e inundações tem provocado efeitos absolutamente devastadores. Infelizmente, as condições meteorológicas são negativas e, portanto, a situação pode não vir a melhorar substancialmente nos próximos dias”, lamentou.

“O Presidente [moçambicano, Filipe] Nyusi, que sobrevoou a zona ontem [domingo], preparou o país e a comunidade internacional para números que podem ser muito elevados”, afirmou Santos Silva.

O chefe de Estado moçambicano disse em Maputo que o número de mortes devido ao ciclone Idai poderá ultrapassar as mil pessoas, assinalando que “o país vive um verdadeiro desastre humanitário de grandes proporções”.

“Até ao momento, formalmente, há registo de acima de 84 óbitos, mas tudo indica que poderemos registar mais de mil óbitos”, afirmou Filipe Nyusi, numa declaração à nação, sobre a situação provocada pelo ciclone Idai.

O Presidente acrescentou que mais de 100 mil pessoas da região correm perigo de vida e indicou que aldeias inteiras desapareceram e há comunidades isoladas devido a inundações.

UE atribui apoio de emergência

A União Europeia (UE) anunciou um apoio de emergência de 3,5 milhões de euros para ajudar a população africana afetada pela passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué, que causou dezenas de mortos.

Em comunicado, a Comissão Europeia anuncia um “pacote inicial de ajuda de emergência de 3,5 milhões de euros”, após as “graves inundações e o ciclone tropical Idai terem causado um grande número de vítimas e danos em casas e infraestruturas em Moçambique, no Maláui e no Zimbabué”.

Bruxelas precisa que a verba “será usada para fornecer apoio logístico para as pessoas afetadas, como abrigos de emergência, higiene, saneamento e cuidados de saúde”.

Do total, dois milhões serão alocados a Moçambique, um milhão ao Maláui e 500 mil euros ao Zimbabué.

Além desta verba, a UE já deu 250 mil euros para ajudar a população afetada na região.

Citado pela nota, o comissário europeu para ajuda humanitária e gestão de crises, Christos Stylianides, salienta que a “UE está solidária” com o povo daquela região, pelo que a verba anunciada se destina às “necessidades humanitárias urgentes”.

Christos Stylianides adianta que a União vai enviar técnicos para o local, que irão ajudar as autoridades locais e os parceiros humanitários.

Portugal já afirmou estar disponível para ajudar Moçambique através da UE e das Nações Unidas na sequência da passagem do ciclone Idai na cidade da Beira que causou dezenas de mortos, segundo uma nota da Presidência da República portuguesa.

“Portugal procurará contribuir ao esforço de ajuda e reconstrução, quer diretamente, quer através da UE e das Nações Unidas, exprimindo ao Povo irmão moçambicano e a todos quantos, em particular portugueses, foram afetados por esta grande tragédia”, refere o Presidente da República na nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend