O papel inestimável da Obra Católica Portuguesa de Migrações nas Comunidades Lusas

Por Daniel Bastos

A Obra Católica Portuguesa de Migrações (OCPM), um organismo de âmbito religioso, instituído em 1962, com personalidade jurídica, canónica e civil, sem fins lucrativos, tem desempenhado ao longo de mais de 50 anos de existência um papel inestimável no acompanhamento espiritual e cultural das Comunidades de Língua Portuguesa.

Dependente da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana (CEMH), sendo simultaneamente secretariado da mesma Comissão, a OCPM assume como principal desígnio a causa dos migrantes no seio da Igreja Católica Portuguesa. Uma causa cada vez mais premente no contexto sociopolítico internacional, e uma das grandes bandeiras do atual pontificado do chefe da Igreja Católica, que reiteradamente tem feito a defesa dos direitos e dignidade dos migrantes.

No âmbito da sua ação e no cumprimento da sua missão, a Obra Católica Portuguesa de Migrações estende-se às equipas da Pastoral dos Ciganos, dos Marítimos, do Turismo e Peregrinações, das Capelanias de Imigrantes e de outras Organizações Católicas, como é o caso das Missões Portuguesas para Emigrantes.

Criada num período de forte emigração portuguesa, e reconhecendo a emigração como uma constante estrutural da sociedade nacional, a OCPM ao longo de mais de meio século tem dinamizado um trabalho notável de acompanhamento espiritual e cultural das comunidades lusas espalhadas pelo mundo.

Esse trabalho, manifesto entre outros, em celebrações, visitas pastorais, ações de formação ou participação em vários órgãos de informação, alavancou a fundação de Missões Católicas em importantes destinos da emigração portuguesa.

Desde logo, como assinalam Maria Beatriz Rocha-Trindade e Eugénia T. J. Costa Quaresma, autoras do livro “A Igreja face ao fenómeno migratório, 50 anos da OCPM, em destinos como a França, Canadá, Venezuela, África do Sul, Argentina, Brasil, Estados Unidos da América, Alemanha, Luxemburgo, Holanda, Reino Unido, Suíça e Austrália. Países onde vivem e trabalham milhões de compatriotas que continuam a ter nas Missões Portuguesas para Emigrantes um meio de referência no campo da assistência religiosa, cultural e de promoção da identidade nacional.

 

Por Daniel Bastos
Escritor
www.facebook.com/danielbastos.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend