Lula no governo? Por Francisco Seixas da Costa

A possibilidade de Lula da Silva passar a integrar o governo brasileiro, que nas últimas horas tem vindo a ser especulada, não poderá deixar de ser considerado um momento triste para a democracia brasileira.

A acontecer, a colocação do antigo presidente num lugar do executivo brasileiro, apenas para o proteger de uma eventual prisão, dessa forma garantindo que o seu caso judicial apenas possa ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal, constituiria um artifício muito pouco prestigiante, que, além do mais, denotaria fraqueza e insegurança. Que autoridade teria o “ministro Lula da Silva”, enquanto a Justiça lhe rondasse a porta?

É verdade que o discurso do Ministério Público brasileiro surge, nos últimos dias, claramente politizado e enviesado politicamente contra Lula. Além disso, o modo desnecessariamente agressivo como o ex-presidente foi intimado a prestar declarações constituiu um manifesto exagero, aliás reconhecido como tal por figuras da oposição. Nota-se uma evidente quebra de serenidade na ação judicial, que, de forma algo gratuita, acaba por retirar alguma autoridade ao processo que conduz. Deslumbrada pela “rua” anti-PT, alguma Justiça brasileira poderá estar a cometer alguns desnecessários lapsos de percurso. Só por equívoco se pode pensar que as instituições podem furtar-se a seguir a sua fria liturgia, com plena preservação de direitos dos acusados, apenas para acompanhar o sentimento do momento da “rua”. Isso tem um nome e esse nome não é democracia.

Mas nada disso, repito, poderá justificar a “fuga” de Lula para o governo. A dignidade do Estado impõe que este tipo de expedientes não deva ocorrer. Um político que não deve nem teme tem de ter a frieza para enfrentar todas as adversidades, com coragem, de forma limpa e transparente. Mesmo que a sua prisão possa estar ao virar da esquina.

Mas é hoje muito óbvio que o cenário político brasileiro começa a adensar-se, como talvez nunca o tenha estado no passado, em torno de Dilma Rousseff, do PT e do próprio Lula – seja ele ministro ou não.

Começa a ser evidente que está instalado um desespero nas hostes do governo, para cuja crise final já só falta o abandono por parte do PMDB, o maior partido brasileiro, que tudo indica estar apostado em vir a ser o beneficiário imediato desta “débacle” do PT. Michel Temer e a sua heteróclita formação parecem apenas medir a temperatura para promover a estocada final. O “day after”, contudo, não é muito evidente.

O Brasil é uma grande democracia, com instituições que, no passado, já atravessaram testes importantes. A liberdade continua a ser a palavra de ordem da sociedade brasileira contemporânea. Como amigo do Brasil, só posso desejar que a estabilidade político-institucional seja rapidamente reencontrada. E que ressurjam, por “terras de Vera Cruz”, a confiança e o otimismo, as duas grandes caraterísticas do povo brasileiro, que hoje parecem alheias ao seu quotidiano.

Por Francisco Seixas da Costa
Diplomata português. Ex-Embaixador de Portugal no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend