Portugal aprovou este ano mais de 1.100 pedidos de tratamento de doentes dos PALOP

Da Redação
Com Lusa

Portugal já aprovou este ano 1.109 pedidos de evacuação de doentes de países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP), para serem tratados nos hospitais nacionais, disse à Lusa a chefe da divisão de cooperação da Direção-Geral de Saúde.

O que significa que os custos deste ano com doentes transferidos para Portugal, no âmbito da cooperação com aqueles países, deverão, segundo estimativas, aproximar-se do valor total de 2018, ano em que atingiram 3,5 milhões de euros, explicou Ana Correia, acrescentando que só a partir de janeiro ou fevereiro de 2020 haverá números exatos.

Assim, por país, Portugal recebeu este ano, 37 pedidos de Angola, 458 de Cabo Verde, 389 da Guiné-Bissau, 27 de Moçambique e 128 de São Tomé e Príncipe.

A ministra da Saúde, Marta Temido, expressou na sexta-feira a vontade de Portugal “continuar empenhado em reforçar” a cooperação com os países de língua portuguesa no tratamento de doentes em território nacional.

“Nós recebemos doentes de todos os países praticamente, pelo menos daqueles que se situam mais próximos (…) e vamos continuar a fazer esse apoio”, disse a ministra à Lusa, à margem da V reunião de ministros da Saúde da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que se realizou na sede da organização.

A ministra considerou que há algumas lacunas no transporte de doentes, nomeadamente no que toca ao período entre a sinalização e a transferência daquelas e considerou que é preciso mais celeridade nos processos.

“É importante sublinhar que precisamos de agilizar os processos. Este ano houve algumas situações (…) que não correram com o êxito que nós gostaríamos e é nisso que estamos focados neste momento”, afirmou a governante, referindo que tem havido um trabalho muito próximo com Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

Marta Temido referiu que o transporte de doentes entre os países é “um processo complexo”, que envolve várias organizações médicas em Portugal e nos países de origem, e que é algo que os governos estão “a tentar melhorar”.

“É uma questão da facilidade, da celeridade da resposta, daquilo que é nos próprios países a sinalização dos casos e da sua referenciação para Portugal”, sublinhou a ministra, notando uma situação que “está mais do lado dos [outros] países que do lado português”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend