Infectologista diz que medida mais adequada contra o coronavírus é impedir que chegue ao Brasil

Da Redação

O coronavírus tem preocupado o mundo todo pela transmissão de pessoa para pessoa, devido a rápida disseminação para outros países e a inexistência de tratamento. Até o momento, os dados divulgados mostram que o vírus matou pouco mais de 130 pessoas e infectou cerca de 5.500 na China, país onde surgiram os primeiros relatos. Não há histórico de casos confirmados no Brasil, mas há três casos suspeitos.

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus, denominada 2019-nCoV, até mesmo sua origem não foi confirmada. Acredita-se que a fonte primária do vírus seja um mercado de frutos do mar e animais vivos em Wuhan (China).

O infectologista do São Cristóvão Saúde, Jorge Garcia, informa o que se sabe até o momento sobre a doença e tira dúvidas frequentes. “Os principais sintomas são febre, tosse e dificuldade para respirar. Esses sintomas podem causar desde um resfriado comum até pneumonia e a síndrome respiratória aguda grave. O quadro clínico é muito similar ao causado por outros vírus respiratórios, tais como influenza, parainfluenza, rinovírus, vírus sincicial respiratório, adenovírus, outros coronavírus, entre outros.”, afirmou o infectologista.

Complexo e sem muitas informações, o diagnóstico do coronavírus não é simples de ser detectado como explica o Dr. Jorge. “O diagnóstico é realizado por técnicas de biologia molecular processados em laboratórios específicos e determinados pelo Ministério da Saúde.”, disse.

Ainda não se sabe exatamente o período de incubação do 2019-nCoV. Presume-se que o tempo de exposição ao vírus e o início dos sintomas seja de até duas semanas. Além disso, pode acontecer do paciente não apresentar sintomas.

Como há poucas informações sobre o coronavírus e não existe tratamento específico, o infectologista reforça que a melhor medida no momento é se precaver para que o vírus não chegue ao Brasil. “Como medida preventiva, deve-se controlar portos e aeroportos para detecção de casos suspeitos, notificação imediata se houver suspeitas, sensibilização e treinamento dos profissionais da saúde, informativos e orientações para a população”, finalizou o Dr. Jorge Garcia.

Segundo o Grupo São Cristóvão Saúde, através da gestão administrativa dirigida pelo CEO/Presidente, Engº Valdir Pereira Ventura, tem sido promovida uma grande modernização em sua estrutura física e tecnológica, investido em equipamentos, certificações e profissionais qualificados. Atualmente, o Hospital e a Maternidade aumentou a capacidade de internação passando de 171 para 255 leitos, além das sete Unidades dos Centros Ambulatoriais e do Centro de Atenção Integral à Saúde que realizam diariamente milhares de consultas, proporcionando qualidade assistencial às mais de 125 mil vidas do Plano de Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend