Expedição: As formas da Natureza

Por Bruno GouveiaDa Expedição Brasil-2008

 

Bruno Gouveia

Atendendo ao compromisso com os leitores, na crónica de hoje darei especial ênfase às fotos que surgem depois da nossa saída de Florianópolis.

A registar nesse trajecto, o sentirmos, nomeadamente nas cidades de Gramado, Canela e Nova Petrópolis, a influência germânica na arquitectura. Para pouco mais poderia dar, pois apenas existiu o interesse de, estando próximo, fazermos um pequeno desvio para sentirmos essas tão conhecidas cidades de influência europeia do sul do Brasil.

Ainda no estado de Santa Catarina e no seguimento à nossa pernoita em Urubici, subimos a Serra do Rio do Rastro, onde no topo observamos uma magnânime paisagem. No local, existem muitos bichinhos, cujo nome não me arrisco em lançar aqui atendendo à incerteza da sua correcção, e que se aproximam em busca de comida. Um deles começou por trepar a BMW, ao que se seguiram outros. Havia fruta envolta em sacos de plástico e com certeza foi esse o cheiro que os levou lá. Deu para curiosos registos de imagem.

A descida da serra é também de cortar a respiração, com curvas e contra-curvas que se sucedem em catadupa. Mas em todo o caso, sempre com uma paisagem muito agradável.

Alguns dias depois, a ansiada chegada a Foz do Iguaçu para a visita às fantásticas cataratas que fazem fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. Pelo menos do lado brasileiro, e creio que os outros dois países também não terão deixado a natureza ao dispor gratuito dos interessados na visita, existe uma estrutura altamente profissionalizada que cobra tudo desde a o estacionamento do veículo, à entrada do parque e a tudo o que são actividades fora da normal visitação. Para orçamentos limitados, percorremos apenas a trilha das cataratas, que é um trajecto que vai permitindo observar de diferentes pontos a beleza das enormes e fantásticas quedas de água. De referi que o ensurdecedor barulho da água caindo nos coloca num plano de abstracção mental perante aquele belo facto da natureza.

De Foz do Iguaçu, avançamos para a cidade de Bonito. Também ela fazendo jus ao nome que ostenta. Aqui chegados um problemita na corrente da moto do Pedro Silva obrigou a que ele terminasse a etapa até à cidade, nomeadamente os últimos 30 kms, de moto. mas sobre o carro de reboque.

A Gruta do Lago Azul é um dos locais mais vendidos da cidade. A impossibilidade de levar tripé, por ausência de autorização das entidades responsáveis, não permitem ter fotos com a devida qualidade para apresentar.

Mas do Pantanal é que a natureza nos manda estarmos em sentido. Embora as principais belezas do Pantanal não estejam no acesso directo da estrada, especialmente até à cidade fronteiriça de Corumbá, por um dos lados em que é possível atravessá-lo, o certo é que para poder ver muita fauna e flora, é necessário pagar guias que conhecem a região como ninguém. O normal é tudo partir das gigantescas fazendas, que habitualmente acumulam projectos de turismo com agropecuária. www.rotasdeaventura.blogspot.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend