A Descoberta do Século: Nau da Carreira da Índia naufragada ao largo de Cascais

Foto AUGUSTO SALGADO/LUSA

Da Redação
Com Agencias

A equipe de arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, que descobriu uma nau da Carreira da Índia possivelmente naufragada entre 1575 e 1625, consideram essa a “descoberta do século”, segundo o município.

A descoberta, feita num mergulho junto ao ilhéu do Bugio, no rio Tejo, no passado dia 03 de setembro, resultou do Projeto da Carta Arqueológica Subaquática de Cascais (ProCASC), aprovado pelo município em 2005, e que tem por objetivo recolher todo o tipo de informação histórica, numa campanha de investigação subaquática.

Em declarações à agência Lusa, o diretor científico do ProCASC, Jorge Freire, explicou que os vestígios da nau foram encontrados a uma profundidade média de 12 metros, junto ao Bugio, e abrangem uma área aproximada de 100 metros de comprimento por 50 metros de largura.

“Vê-se o escudo de Portugal, a esfera armilar, portanto, por aí, estamos seguramente a falar de um achado de desígnio nacional muito semelhante àquilo que foi a Nossa Senhora dos Mártires [uma nau portuguesa também do Caminho das Índias, descoberta em 1994], utilizada como motivo da Expo98, só com uma diferença, porque esta está em melhor estado de conservação, daquilo que nos é possível ver à superfície. A área também é muito maior do que foi exumado na Nossa Senhora dos Mártires”, afirmou o diretor e mergulhador do projeto.

Alguns dos artefatos, que estavam em perigo de ser perdidos, foram recolhidos e colocados em água nas reservas municipais, informou a autarquia. Entre eles é possível encontrar faiança, pimenta da Índia e uma tampa em bronze.

Segundo Jorge Freire, esta descoberta é “diferente das outras”, uma vez que foi feita em “ambiente científico”.

“A maior parte das descobertas no país foram feitas por achado fortuito, a maior parte das descobertas em Cascais, e esta em particular, foram feitas em ambiente científico. O que estamos a fazer neste momento é mapear todos os achados que estão à superfície, para termos um diagnóstico daquilo que está visível, para ver qual a evolução do sítio em termos de sedimentação, e perceber a própria dinâmica do sítio”, esclareceu.

Para o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras (PSD), em declarações à agência Lusa, esta é “uma das descobertas arqueológicas mais significativas da última década”.

“O reconhecimento feito pela própria comunidade científica de que se trata da descoberta da década, do século, em termos de arqueologia marítima, é para nós uma grande satisfação. [Assim como] a possibilidade de a termos feito também em conjunto, num programa que não envolve só a Marinha Portuguesa como a Direção-Geral do Patrimônio Cultural, a Câmara Municipal de Cascais e os técnicos da Câmara Municipal de Cascais, assim como a Universidade Nova de Lisboa”, afirmou Carlos Carreiras.

Segundo o diretor do ProCASC “brevemente” a nau irá transformar-se num campo-escola, para a formação acadêmica de alunos das universidades.

“Temos uma ausência de campos para formar arqueólogos e ela [nau] vai ser transformada, nesse sentido [num campo-escola], porque está lá a nau e um conjunto de navios de outras cronologias muito perto deste sítio, que também necessitam de ser intervencionados, e vamos juntar-nos num planeamento. Temos um programa pré-definido para isto, que terá subjacente este campus universitário. Em breve estará em funcionamento”, acrescentou.

De acordo com Jorge Freire, o campo-escola será criado através da Cátedra UNESCO “O Patrimônio Cultural dos Oceanos”, tutelada pelo Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, em parceria com a Marinha Portuguesa e a Direção-Geral do Patrimônio Cultural.

Apresentação

O achado da Nau Carreira da Índia foi anunciada no Forte de S. António da Barra. Após apresentação das filmagens da descoberta, explicada por arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e da Escola Naval, que acompanham este projeto, foi reafirmada, por todas as entidades presentes e parceiras, a importância deste achado e a necessidade do aprofundamento desta parceria.

Carlos Carreiras, presidente da Câmara, destacou a importância deste achado e falou do “impacto que vai ter para as futuras gerações”. Manifestou o propósito de dar continuidade a “todo este trabalho de investigação e de prospecção”, realçando a importância do investimento “no conhecimento e na educação”.

Também o Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante Calado Mendes, falou da importância de dar “continuidade” a esta parceria do projeto da Carta Municipal Arqueológica Subaquática de Cascais, garantindo até o alargamento desse apoio “nas valências de que dispõe, nas diferentes áreas científicas” que a Marinha domina, designadamente “na parte hiperbárica, para períodos de mergulho mais prolongado, identificando janelas de segurança para operação de mergulho nesta investigação e em tudo o que Câmara Municipal de Cascais e os outros parceiros neste projeto possam precisar”, disse.

A cerimônia contou também com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, que colocou à disposição deste projeto o Laboratório de Conservação do Centro de Arqueologia Náutica e Subaquática da Direção-Geral do Patrimônio Cultural.

A descoberta

A descoberta ocorrida dia 3 de setembro, num raro momento de desassoreamento, a 12 metros de profundidade, à entrada da Barra, o que permitiu que a equipe de arqueólogos subaquáticos da Câmara Municipal de Cascais se cruzasse com aquela que é uma das mais importantes descobertas do projeto Municipal da Carta Arqueológica Subaquática de Cascais, em curso desde 2009.

Os trabalhos preliminares realizados através do registro fotogramétrico e do levantamento com recurso a geofísica permitiram obter uma primeira radiografia dos vestígios e da sua dispersão, que abrange uma área estimada em 100 metros de comprimento por 50 metros de largura. Foram ainda registradas peças de artilharia em bronze com o escudo nacional ou esfera armilar, fragmentos de pratos da época Wanli (1573-1619), especiarias como a pimenta, cauris utilizados no tráfico de escravos e zonas de casco semelhantes aos encontrados em S. Julião da Barra nos vestígios da Nau Nossa Senhora dos Mártires (1606), mas com maior expressão estrutural.

Esta campanha, que surge na sequência de protocolo firmado com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, protocolo esse que seria reforçado em 2016-17, com a assinatura de novo protocolo com o Centro de Investigação da Escola Naval e a Câmara Municipal de Almada, permitiu já localizar no mar de Cascais, 133 sítios arqueológicos subaquáticos que remontam à época romana.

Reconhecido pela UNESCO como exemplo de “boas práticas” no plano da valorização e fruição do Patrimônio Comum da Humanidade, este trabalho de gestão e de divulgação da Cultura Marítima de Cascais, tendo por base a arqueologia, que se desenvolve entre as enseadas do Cabo da Roca e a entrada da Barra do Tejo, constitui uma “inovação” ao nível da inventariação, uma vez que foi integrado no Plano Diretor Municipal, assumindo-se como um importante ativo para a política de ordenamento e planejamento do território, segunda a Câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:

Send this to a friend