Quarta, 18 de Outubro de 2017 Mundo Lusiada no Facebook Mundo Lusiada no Twitter Mundo Lusiada no YouTube

711/2011 – 1300 anos da invasão Moura em Portugal!

Por | 8 novembro, 2011 as 4:22 pm | 28 comentários

Exatamente há 1300 anos os “Mouros”, que vieram da África, da Mauritânia e do Marrocos, invadiram a Península Ibérica, Portugal e Espanha e expulsaram os “Romanos” que também haviam invadido a referida Península no ano de 300 A.C. Portanto, ficaram mais de mil anos no domínio desses povos, ou seja, de 300 antes de Cristo até 711 de nossa “Era”.
Esse exercito invasor “berbere” atravessou o “Estreito de Gilbraltar” que separa a Europa da África e rapidamente conquistou a Península Ibérica, uma vez que o Império Romano estava em decadência acentuada e praticamente não existia mais, embora existisse simbolicamente, porque era um Império Romano praticado pelas populações locais.
As ordas “mouras” dominantes sempre tiveram respostas dos lusitanos e já no ano 809 a parte Norte de Portugal já estava sob o domínio cristão, já Braga e Porto voltaram ao domínio cristão no ano de 868, Coimbra no ano de 1004 e a maravilhosa Lisboa em 1147. No sul de Portugal, mormente no Algarve, os mouros tiveram muita influência tanto na mistura populacional como na própria escrita variava muito a dominação moura, com vai-vai de domínio, até que no ano de 1452 foram expulsos definitivamente.
Como sempre um povo invasor e dominador deixa restos de suas obras, tanto físicas como intelectuais, os mouros também deixaram em Portugal a sua marca definitiva, tanto na música como na escrita e nos nomes, haja vista, que o “Fado” nada mais é do que um lamento “mouro” evidentemente com o sabor lusitano/português, o próprio “folclore” também é visto com muitas músicas derivadas da música moura. Eles deixaram muitas obras, como a elevação das águas em técnicas para mover as mós. E como os mouros eram da religião muçulmana, sempre havia o confronto com as teses do cristianismo e se os lusitanos assumissem essa religião teriam direitos iguais e poderiam manter as suas propriedades, todavia, sempre sob observação dos mandatários mouros, que fiscalizavam tudo e davam direitos iguais aos cidadãos, porém, se houvesse alguma revolta, eram presos, aniquilados e vendidos como escravos.
No vocabulário mouro que ficou na “Língua Portuguesa”, temos um número elevado e se hoje os pronunciamos foram mantidos pelos lusitanos e no presente no vocabulário português, tais como nos vegetais: açafrão, albarra, alface, acelga, azeitona, cenoura, maçaroca, alfazema, alcachofra, lima, limão, laranja, nunca esquecendo que o “al” nas palavras representava o nosso artigo “o” como nos nomes, Alberto, Almeida, Albuquerque,  Alcantara e assim por diante, como também outros termos ficaram definitivamente em nossa língua, como: Alfarrábio, Álgebra, Albufeira, Chafariz, Alcool, elixir, xarope, zero, zenite e uma infinidade de termos e nomes que hoje pronunciamos e não temos muitas vezes o saber de suas origens.
Sempre houve alguma revolta, mormente, por causa de tributos que a população tinha que pagar, alguns não se metiam em revoltas, porque tanto dava pagar o tributo aos mouros, como aos cristãos, e anteriormente aos romanos e em todos esses casos, o cidadão daquele tempo não tinha como mudar de religião, só aparentemente adotavam a religião moura para escapar das perseguições, mas, por dentro continuavam cristãos, como evidentemente acontecia com os judeus e outras religiões.
Na agricultura moura eles não deixaram muita coisa, mesmo porque a sua religião proibia a bebida, mormente o vinho, e não havia muito interesse na plantação de trigo porque lá na África eles não precisavam dessa cultura e não lhes interessava a agricultura por causa do enfrentamento com as populações locais.
Esses mouros muçulmanos ficaram mais plantados nas regiões do sul de Portugal e logicamente antes dominados pelos romanos, quando vieram os mouros, muitos os receberam como libertadores, todavia, logo as coisas se modificaram e sempre havia revoltas. Um cidadão lusitano de nome Eserag conseguiu imiscuir-se no meio dos mouros e ter com os seus chefes, e voltando-se aos seus compatriotas os enganou dizendo que estabeleceu a paz com eles e assim sendo os traiu e ao saírem de seus esconderijos os prendeu e os vendeu aos mouros. Como também existiu um grande herói como Afonso I que reconquistou uma enorme região, no minho, no Douro e na Beira e acabou liquidando todos os mouros dessas regiões.
Portanto, se hoje nós temos esse PORTUGAL maravilhoso houve muito sofrimento durante séculos e séculos sem fim, milhares de anos, além das invasões de gentes do meio da Europa, os romanos, os mouros ali chegaram, mas a fibra do povo Lusitano e seus sucessores o maravilhoso povo português, nos deu a este Portugal moderno tudo o que representa hoje, um país ficando moderno em tudo, com os respeito às tradições espetaculares das gentes antigas e conservam a beleza da música e do folclore português, para honra e glória do nosso querido e eterno PORTUGAL.

Adriano Augusto da Costa Filho
Membro da Casa do Poeta de São Paulo, Movimento Poético Nacional, Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores, Academia Virtual Poética do Brasil, Ordem Nacional dos Escritores do Brasil, Associação Paulista de Imprensa, Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa e escreve quinzenalmente para o Jornal Mundo Lusíada.



+ Acessadas



 

28 respostas para “711/2011 – 1300 anos da invasão Moura em Portugal!”

  1. Munir Massud disse:

    O preclaro poeta cometeu uma injustiça clamorosa com a história gloriosa dos lusíadas. Injustiça pela pobreza retórica, pela falta de sensibilidade e pela omissão. Nenhum demérito ao povo português pelo domínio árabe da península ibérica. A cultura e tradição dos portugueses são exatamente a superação dos legados romanos e árabes. Do ponto de vista dos árabes, os povos do Ocidente tiveram de volta as preciosidades da sabedoria da cultura helênica, perdida de vista com as invasões dos bárbaros. E a teve de volta enriquecida com os conhecimentos arábicos e com o que eles obtiveram de outras culturas magníficas. Os povos peninsulares receberam como prêmio, além de toda a cultura helênica enriquecida, os algarismos arábicos criados na Índia e que gradativamente substituiram os seus equivalentes romanos. E se o douto poeta ainda se lembra, veio com a bagagem árabe a bela Narrativa de Kalila e Dimna, que certamente já o deve ter inspirado, se já não o fez As Mil e Uma Noites. Os matemáticos árabes criaram a álgebra, sabia? Certamente que sim , mas deve ter esquecido. Mais ainda, criaram o ZERO! Espantoso, não. Pergunte a um matemático qual a importância desta criação. Mas, não foi só isso. Eles também deram, a troco de nada, nada menos do que a QUÍMICA. Sim, caro poeta, os árabes criaram a química. Rahzes, o grande médico, bem como os cirurgiões islâmicos, usavam o álcool, descoberto por eles, para limpar feridas e campos a serem cirurgiados. E a arquitetura, hein? Não lhe inspira, sensível que é, os volteios do alfabeto árabe, seus minaretes, suas colunas? Que sensação lhe causa a beleza assombrosa da Mesquita de Córdoba? Os árabes seguiram com admiração e respeito a Medicina Grega e Romana, mas lhe deram o alento de suas contribuições originais. Foi Rhazes que diferenciou o sarampo da varicela. Até a reforma pombalina, os cursos de Medicina das Universidades portuguesas ainda tinham uma cátedra dedicada a Avicena, sabia disso? Mais de setecentos anos depois. Os livros de Medicina lidos na Europa durante séculos, notadamente de cirurgia, eram tradução do árabe. Sabia o nobre poeta, que a circulação pulmonar (procure saber a importância disso com um médico amigo seu) foi descoberta por um médico chamado Ibn Al-Nafis? É preclaro, poeta, não foi Miguel de Servet.
    Conheceu a obra de seu colega Omar Khayam? Eis que envio, a título de lembrança e para seu deleite um verso do poeta árabe, que constitui um conselho útil a todos nós (pessoas sensíveis e não omissas ou tendenciosas):
    “Ah, encha a Taça: – de que vale repetir
    Que o Tempo passa rápido sob nossos Pés:
    Não nascido no amanhã, e falecido Ontem,
    Por que angustiar-se frente a eles se o Hoje pode ser doce?”

    • Pedrosa Santos disse:

      Subscrevo o texto de Munir Massud, que para além de correto está bem escrito.
      Acrescento, e só, o facto de não referir a “trapalhada” cronológica de Adriano Augusto da Costa Filho: em 711 o fraco exército romano!!! O último imperador romano do ocidente, Rómulo Augusto, abdicou em 476!Mas o “delírio” acontece com – expulsos em l452 -??? de Portugal? É claro que não. Já o tinham sido no século XIII. Aquela data é referente à queda do último reino mouro na Península Ibérica, sim, mas em território Castelhano (hoje Espanha).
      E foi exatamente o reino de Granada, aquando do reinado dos Reis Católicos, Isabel e Fernando. E etc. Há textos que não deveriam ser publicados, não pela pouca qualidade de apresentação, mas pela desinformação que suscitam aos que, inadvertidamente, os leem.

      NOTA: A Espanha, tal como hoje existe e a conhecemos, só começou a ser realmente Espanha após a unificação dos vários reinos, em 1492, depois da morte de Fernando de Aragão, um dos reis católicos que sobreviveu alguns anos depois da morte de sua mulher Isabel, tendo-lhe sucedido a sua filha Joana (a louca) casada com Filipe (1º)herdeiro Maximiliano, do Sacro Império, pais do imperador Carlos V(Carlos I de Espanha), pais de Filipe II…

    • Sr. Massud Nao sou historiador. O seu comentario esta muito bem escrito, e bem descrito, no entanto encontrei alguns pontos que discordo. O primeiro o Sr. diz que os Arabes expulsaram os Romanos da peninsula Ibérica, o que nao é verdade, pois eles tinham sido vencidos pelos barbaros, isto no século V. O outro ponto, é a questao do zero, ele nao foi inventado pelos Arabes, mas sim pelos Hindus, assim como os outros numeros, pode verificar isso no livro o sol de alah brilha no ocidente de Sigrid Hunke, e na historia universal dos numeros de Georges Ifrah. Quando ao médico que se refere deve de ser o Avicene. muito teria para escrever para continuar este debate. Minhas saudaçoes

    • Rui Campos disse:

      Um bocado massudo, o comentário. Quer explicar porque raio os malmetanos, tão vivaços, nos últimos 500 anos não contribuem com um traque para o conhecimento científico? Auto-trepanaram-se? Do passado vivem os museus, e os marmetanos são o sovaco malcheiroso da humanidade.

  2. Junior de Faria disse:

    Caro amigo sou brasileiro de família de origem portuguesa fato pelo qual me orgulho muito, mais corrija me se eu estiver errado pelo que sei os “mouros” invadiram a península em 700 e pouco depois de Cristo tipo no ano 700 d.c e não a.c e eu não considero romanos como invasores já que a península ibérica esteve sobe domínio romano por 700 anos e absorvel a cultura romana por completo e gosava de bom comércio prosperidade e uma certa autonomia fiscal, cultura essa que reflete até os dias de hj tanto que falamos uma língua latina vulgar derivada do latim original falado pelos romanos e não uma língua “mourisca” claro que há palavras no nosso línguajar de origem Moura mais menos que o latim. E eu axo q em 700 anos os povos se misturaram tanto q ja não consideravam os romanos invasores e nem os romanos os ibéricos estrangeiros eram todos romanos No ano 700 e pouco d.c os mouros invadiram a península ibérica (pelo que sei) ou seja foram mais 700 anos por aí de invasão Moura e não 1300 e nesta altura o imperio romano já não exercia tanta influência assim sob a península, a atual portugal estava sob domínio de invasores suevos povo bárbaro de origem germânica,e a atual Espanha estava sob domínio visigodo povo bárbaro tbm de origem germânica isto na altura da invasão Moura.empurrando tais povos para as Astúrias que se uniram e pouco a pouco foram reconquistando a península até chegarem nos reinos cristãos de Espanha depois de se unirem em atual Espanha moderna e o desmembramento da atual portugal.

    • Michelle Egito disse:

      “pelo que sei os “mouros” invadiram a península em 700 e pouco depois de Cristo tipo no ano 700 d.c e não a.c e eu não considero romanos como invasores já que a península ibérica esteve sobe domínio romano por 700 anos e absorvel a cultura romana por completo ”
      “E eu axo q em 700 anos os povos se misturaram tanto q ja não consideravam os romanos invasores e nem os romanos os ibéricos estrangeiros eram todos romanos No ano 700 e pouco d.c os mouros invadiram a península ibérica (pelo que sei) ou seja foram mais 700 anos por aí de invasão Moura”

      Querido pq vc usa termos diferentes para ambos 700 anos de ocupação?

  3. Rômulo Rocha disse:

    Parabéns ao senhor Massud, pelo seu texto tão bem escrito e repleto de sabedoria, bem mais interessante que o texto principal. De fato, o que seria da Humanidade sem a contribuição inestimável dos árabes? Simplesmente, o mundo moderno, como hoje o conhecemos, não existiria… sim, porque uma das bases da moderna tecnologia é a Álgebra, um dos maiores legados dos árabes à Humanidade. O homem moderno não teria chegado a lugar nenhum calculando com números romanos… Não podemos jamais nos esquecer que a Europa estava mergulhada na Idade das Trevas (quando a Igreja Cristã perseguia cientistas)quando os Árabes acalentaram a sabedoria helênica e, em várias áreas da Ciência, a desenvolveram ainda mais. E mais ainda: os árabes criaram e desenvolveram outros tantos campos da Ciência nos quais se baseiam o mundo moderno… como bem disse o senhor Massud, notadamente a Química. E para ilustrar a importância da sabedoria árabe para a Humanidade, sempre podemos lembrar que enquanto o alfabeto greco-romano é utilizado apenas em uma parte do planeta, os algarismos arábicos são utilizados por todos os povos do nosso planeta. Sim, reparem que mesmo em alfabeto grego ou cirílico, ou pictogramas asiáticos, os algarismos são sempre representados pelos arábicos. Sem a contribuição dos árabes, não teriam existido Portugal nem Espanha,nem várias outras nações européias.

  4. Viriato das Penhas disse:

    A história ainda não ficou por aqui e os moiros ainda têm ideias de dominar o mundo todo.

    Se eram muito avançados hoje em dia não parece. Ficaram parados no tempo e enquanto os fundamentalistas cristãos dão a vida servindo os pobres em África… os fundamentalistas islâmicos dão a vida matando e esfolando.

    O islão é a religião do diabo. Autênticos versículos satânicos.

  5. Viriato das Penhas disse:

    …e por um cartoon são capazes de matar.

    Tantas religiões no mundo, mas só uma anda a pôr bombas e a fazer atentados suicidas por tudo quanto é sítio. Nem são bons uns para os outros são bons… irra!

    Durante 700 anos na Península só houve um reinado de paz de resto foram guerras e perseguições, especialmente entre eles mesmos.

    As cruzadas só acontecerem depois dos moiros tomarem todo o médio oriente, norte de África, Península, grande parte do império Bizantino e até saqueado Roma… e foi para libertar uma terra que já havia sido cristã.

    Ao longo do tempo os moiros continuaram sempre a tentar tomar a Europa… estiveram quase, agora estão de volta.

    O que mais lindo têm é os minaretes, as gurkas e as crianças soldado… além da forma como tratam os apóstatas e as minorias religiosas nos seus países.

    Calar é permitir a barbárie. O Islão é um cancro.

  6. Viriato das Penhas disse:

    Os moiros insurgem-se mais facilmente com um boneco do maomé, do que com as atrocidades que se fazem em seu nome, ao som de alá akbar… pois se o alá precisa dessas coisas para ser grande… então esse alá é o diábo.

    No final o bem vencerá, mas quanta destruição terá de haver antes?

    A misericórdia do alá é cortar cabeças, até de crianças?

    Onteontem foi mais uma bomba no paquistão… ontem foram mais uns quantos executados pelo isis… hoje uma imagem de uma pai a segurar o corpo de sua menina de 4 anos decapitada por ser cristã.

    Como é possível? Como continuar a ser muçulmano? Quando o ódio contra o ocidente continua a ser apregoado nas próprias mesquitas… como é possível? Se o maior mal é causado por voçês mesmos?

    Só pensam em matar e morrer em nome do diabo alá.

    Não aprendem nada com os infiéis? Ao menos vivem em paz e deixam viver.

  7. Viriato das Penhas disse:

    Podem continuar a espalhar a morte e a destruição em nome desse falso deus e desse falso profeta cujo único milagre foi ter ido de burro voador até jerusalém.

    Vejam como os verdadeiros cristãos se amam.
    Virem-se para Jesus enquanto é tempo! Deus é Amor!

  8. Viriato das Penhas disse:

    Peçam ao Verdadeiro Deus, de Abrão, de Isaac e de Jacob para vos mostrar se Jesus Cristo é o Caminho a Verdade e a Vida.

    Façam isso um milagre pode acontecer.

    • ribeiro disse:

      é verdade que so em jesus cristo encontramos a paz nao ha outro que morreu por toda a humanidade incluindo os mulçulmanos querem eles queiram ou nao aceitar

  9. L. Souza disse:

    Quem são os lusitanos que guerriaram com os mouros , a resposta, NÃO existem., isso é fabula´, é uma invenção de galegos-espanhóis, desde o bispo de Évora um espnhol, D. Garcia de Meneses e Luis de Camões. Os guerreiros que guerriaram os mouros, os Sousas, Valadares, Baiãos, Correia , Carvalhos, Moreiras, Melos, Ferrazes, Guedes eram de procedências dos visigodos, ler os Genealogistas e os livros de historias genealógicas das principais famílias portuguesas. Alexandre Herulano em Historia de Portugal só confirmou o que todos os genealogistas já tinham escrito que os portugueses são visigodos . Quanto a lusitanos as informações dizem qur eram espanhóis, e para nós portugueses descendentes e portugueses, espanhóis são indignos estrangeiros. VIVA OS VISIGODOS-PORTUGUESES !

  10. Na realidade a invasão islâmica na Europa comessou com o conflito entre os omíadas e os abássidas no oriente. Os abássidaas conseguiram liquidar os omíadas inclusive matando os seus líderes. Escapou Abd al Rahman, que fugiu invadindo a península ibérica criando o califado omíada na Europa. Modernizou a região que passou a ser chamada de al Andaluz, onde viviam e conviviam árabes, cristâos e judeus, sem qualquer conflito. A cultura árabe dominou todo ocidente da Europa tendo ocupado parte do sul da França. Lembrar que naquela época não existia França como conhecemos hoje. Com a tentativa de invadir a França pelos Pirireus o rei Carlos Martel derrotou-os na batalha de Poitiers. Predominou durante vários séculos a cultura islâmica em grande parte da Europa tendo sido na peninsula Ibérica o árabe a lingua falada e com grande influência na cultura, destacando-se nomes como o judeu Maimônedes, o árabe Averróis e o católico Abelardo.

  11. Ricardo disse:

    KKKKKKKKKKKK! OS ÁRABES SÓ INVADIRAM A EUROPA NO SÉCULO
    8,DEPOIS PORTUGAL OS EXPULSOU NO SÉCULO 13 E A ESPANHA
    NO SÉCULO 15.OUTRA COISA APÓS A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO,
    QUE NA VERDADE NUNCA CAIU COISA NENHUMA, ANO 453 ,QUE
    NEM EXISTIA ISLAMISMO,OS MONGES PRESERVARAM AS ESCRITAS
    GREGAS E ROMANAS,OS MUÇULMANOS APENAS TRADUZIRAM P/ O ÁRABE
    QUANDO INVADIRAM A EUROPA,NADA A VER.

  12. Portugal foi e é uma grande nação,fomos os pioneiros das descobertas ensinamos outros a navegarem Portugal contribui para existir novos países pela americas á frica etc. Espalhou a religião católica.Como disse fomos uma grande nação e ainda os somos embora estes jornalistas da tv só passam a vida a dizer que somos um país pequeno,sim á beira de castela somos,Portugal tem duas fronteiras A Galiza que é um país e Castela.Falando sobre Castela espanha quando pedirem Gibratar á Inglaterra que não se esqueça de devolver Ceuta etc. a Marrocos como tambem nos devolver a nossa Olivença,os Castelhanos foram os maiores gatunos para com Portugal com ajuda da França.Actuamente para mim existe na espanha 5 países com 5 idiomas no nosso Portugal existe dois idiomas português e mirandês,a salvação da espanha tar toda unida é a população ser de maioria católica é essa a salvação imaginem na espanha com varias religiões era outra exjugulavia.Os espanhois teem a mania de dizer que portugal é espanha,eu lhes respondo ó santa ignorancia o nome de hispanha veio de hispania quando a peninula ibérica era uma colónia de Roma daí nasceu o nome espanha para Castela o nome Lusitania é mais antigo do que o nome Hispania como outros que ainda existe na espanha.Sobre os espanhois Castelhanos sempre nos quizeram passar por cima a nivel da história mas não teem hipótse. Somos poucos mas somos bons.Portugal pequena nação mas foi uma grande nação portugueses deram sangue pelos franceses portugueses deram sangue pelos espanhóis coisa que eles não nos deram. Por isso digo espanha castela,porque tens mêdo de dar a Independencia a Catalunha a lingua não é o castelhano porque tem medo dar independencia á Galiza a lingua não é castelhano porque teem medo de dar a independencia País Basco porque tem medo dar imdependencia Asturias para mim estes países são anexados pela Espanha Castela deicho aqui a minha opinião.

  13. Gustavo disse:

    Boa Tarde a todos,

    Eu gostaria da indicação dos nomes dos principais historiadores de Portugal.

    Muito Obrigado!

  14. OdairT do disse:

    BOMJAH. GOSTARI, COMO DESCENDETE LIGITMO DE ETNIA MOURA, PROFESSOR DA MYSTÓRI DA ARTE E CULTURA NIGUS FAZER ALGUMAS CORREÇÕES ELEMENTARES E FUNDAMENTAIS SOBRE OS MOURO EUROAFROS DA MORAVIA EUROPEIA,FUNDADA EM 711 PELO REI OU DOM GIBRALTAR QUE NÃO ERA SARRACENO (MAOMETAO ),TÃO POUCO ERAM ISLAMITAS E JUDEUS NEGROS, SEGUIDORES DOS TRÊS REIS MAGOS, RAINHA DE SABÁ E PRIMEIROS CONSTRUTORES DE IGREJAS E PALACIO NA EUROPA, ARTE MORISCA.OS MOUROS EUROAFROS DE WANDALUZ, OU ANDALUSIA DA MORAVIA EUROPEIA, DIFERETEMETE DOS MAURITAUS E MARROQUINOS, JAMAIS SE COVERTERAM AO ISLAMISMO E QUADO ESCRAVIZADOS NA EUROPA POR CRISTÕES E CRIOLOS SARRACEOS VIERAM SER OS MORENOS JUDEUS ESCRAVIZADOS NO BRAZIL E É CHAMADO,PELO DICIOARIO ETNICO DE ETNIA MORENA, QUE FAZ FOLIA DE REIS E FESTEJA SATOS NEGROS ATÉ HOJE; N.S DE APARECIDA N.S DO ROSÁRIO,(primeiras Igrejas Catolicas,Africaas do Brazil).INFELIZMENTE O PRECONCEITO “HISTORICO”, DIZ: NÃO EXISTIU NAÇÃO NEGRA NA EUROPA. COMO? SE A PRÓPRIA RAINHA EUROPA DE CRETA ERA NIGUS (Rainha em Aramaico,Como?. A REALIDADE MYSTÓRICA É QUE A MORAVIA, FOI,NA IDADE MEDIA BAIXA SIMBOLO DA ERA ASTRAL E A IQUISIÇÃO E ESCRAVIDÃO DOS EUROAFROS MORUROS, INICIO DAS TREVAS PARA A SOCIEDADE EUROPÉIA QUE CAIU EM DISGRAÇA POREZA E MISÉRIA. ACREDITO QUE PARA OS DE CULTURA NEGRA,(NIGUS),OU DE PROGENESE MORENA ESTES FATOS SÃO DE RELEVANTE IMPORTACIA E PERTINENCIA MYSTORICA ( estorias dos povos de cultura e etia NIGUS).GRATO PELA ATEÇÃO,E GRATO PELA MARAVILHOSA MATERIA.

  15. OdairT do disse:

    CORREÇÃO; OS MOURO ERAM JUDEUS CRISTÃS E NUNCA FORAM SARRACEOS OU MAOMETANOS,SOMENTE A MAURITAIA E O MARRÓCOS, SEUS PAÍSES DE ORIGE M.OS MOURO CHEGARAM JUDEUS CRISTÃS NA EUROPA, FORAM ESCRAVIZADOS J PLAETA UDEUS E JUDEUS VIERAM PARA O BRAZIL,COMO CRISTOES NOVOS PROIIDOS DE PRATICAR O JUDAÍSMO, COMO SE YESHUA (JESUS),TAMBEM NÃO FOSSE ARABE DE CULTURA NEGRA ARAMAICA, QUE É CULTURA DA ETIÓPIA PRIMEIRA CIVILIZAÇÃO DE REIS DA AFRICA E DO PLANETAN TERRA. PAZ DE JAH.

  16. OdairT do disse:

    DESCULPEM MEU TECLADO ESTA COM DEFEITO PROVOCA MUITOS ERROS ORTOGRAFICOS,COSIDEREM A INTEÇÃO. GRATO JAH BLESS.

  17. Alexandre Sousa disse:

    Hoje tem uma tendencia de se defender a suposta influencia da civilização islamica no ocidente, mas isso é opinião dos fanaticos tolerantes que dizem que islamismo é pacifico. Mas na verdade os islamico tiveram tantas revoltas nas regiões conquistadas que acabaram dando espaço para os cristãos reagirem e fazerem a reconquista. A uma certa altura cristãos não queriam ver islamicos nem pintados de ouro, já que suas exigencia com relação a sharia tornava essa população incompativel com a cristã. Experimenta andar com uma cruz numa área frequentada por islamicos na propria europa para vocês verem o que acontece com vocês. Na frança proibiram o véu nas mulheres islamicas para proteger as francesas que seriam alvo de fanaticos.

  18. As mentiras da nossa história.
    Portugal foi fundado por Árabes Cristãos! Leiam… informem-se antes de continuar a alimentar mentiras. D. Afonso Henriques era neto de um Árabe.
    D. Afonso apenas atacou castelos onde estavam Árabes. Ele próprio o disse que não atacaria as populações porque iria precisar dessa gente para formar o Reino de Portugal e dos Algarves. Sim porque fez uma aliança com o último Rei Árabe Ibn Qasi, tendo este sido assassinado por causa dessa aliança.
    As tropas que acompanharam na Reconquista Cristã eram Bretõe e Saxões não por vontade de D. Afonso que chegou a ter grandes problemas com esses bárbaros do norte, mas sim por imposição do Papa. A população árabe cá continuou até aos dias de hoje e a eles devemos um espetacular desenvolvimento a nível cultura científico.
    D. Afonso não expulsou ninguém!
    Há bem poucos anos o Instituto de Histocompatibilidade da Universidade de Coimbra fez um estudo que prova e comprova que 82% dos portugueses têm sangue árabe.

  19. Eric disse:

    Eu não sou historiador, sou apenas um curioso, mas se eu entendi bem, primeiro os portugueses que recusavam a religião islâ eram escravisados pelos mouros muçulmanos que vieram da áfrica. Depois de 1000 anos sob dos mouros domínio, os portugueses conseguira expulsa-los, e a partir de 1400, os portugueses começarm dominar a navegação se tornando a maior potência da Europa conquistanto novas rotas e descobrindo novas terras.
    Então quem ensinou a escravização para os portugueses foram os próprios africanos mouros!

  20. L.souza disse:

    A ignorância aos ignorantes, o mais cego é aquele que não quer enxergar. Portugal foi fundado por brancos visigodos e ostrogodos, suas antigas leis eram o direito visigótico,os nomes de seus condes de ;coimbra, viseu, porto; são nomes visigodos, exemplos: gundisalvos, gonsalvos, menendus, mendo, ufo (Atulfo), gomici (gumercindus), , sueiro, e tantos outros nomes visigodos , todos documentados em cartas de forais de cidades portuguesas.

  21. Alberto Nogueira disse:

    Mouros dominaram Portugal 1300 anos… acho isso risível e no mínimo seria de evitar usar esses textos “loucos”.
    A permanência de Islâmicos no território Português só durou, no máximo até 1250. Desde a invasão moura são 539 anos, ainda assim muito tempo mas se pensarmos que o controlo efectivo a norte do rio Tejo (onde vivia e ainda vive a maior parte da população) durou pouco mais de 150 anos ainda que com controlo pontual entre-muralhas de alguns lugares durante algum tempo. A verdade é que Coimbra saiu da mão dos mouros em 873 e só voltou a ser governada pontualmente pelos Almorávidas no século XI durante algumas décadas até 1066.
    A maior parte do Sul também deixou de ser controlado pelos mouros ainda com Afonso Henriques no século XII.
    Nada na nossa cultura lembra que alguma vez aqui estiveram islâmicos. Não deixaram cultura, língua, monumentos, vestígios arqueológicos, música, folclore, estradas, pontes, religião… nada. Portanto isto é um embuste e é normal que assim seja porque quem invadiu Portugal não foram os matemáticos e astrónomos árabes, foram tribos guerreiras de pastores do Atlas que aproveitaram uma situação de guerra civil existente. Aquilo que cá encontraram foi uma sociedade muito mais avançada e culturalmente mais rica que nunca conseguiram suplantar. A sua chegada implicou 500 anos de guerra religiosa, uma das piores, e portanto, à parte as razias de busca de mulheres para escravizar, também não implicou miscigenação. Repito um embuste que alguma gente, inclusive por aqui, ainda tenta dar importância desmedida.

  22. Marco Antônio disse:

    Muito educativo, importante e correto o texto: nossa religião/cultura historicamente tem sido atacada pelos muçulmanos que tentaram nos escravizar/matar e tomar nossa terra e nossos lares. O texto é tão bom que, contra ele, podemos ver nos comentários, já se manifestaram alguns pró-muçulmanos, sempre usando mentiras e fanfarronices. Não dá para conversar/relacionar com eles porque nós temos cultura católica/cristã/ocidental, incompatível com eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
 
© 2011 Jornal Mundo Lusíada - RVR PROMOÇÕES E PUBLICIDADE LTDA. Todos os direitos reservados.
Assine - Fale Conosco - Publicidade